Jornalego

 

Página Inicial
N° 360: O Presente é o Futuro
N° 359: Nave/ave partindo
N° 358:Sua Eminência Reverendíssima
N° 357: Não Dito
N° 356: Memórias de um Leitor
N° 355: Assim se passaram doze anos
N° 354: Ron Mueck
Nº 353: Fúria
Nº 352: Porta-vozes
Nº 351: Um filme e um livro
Nº 350: Bakhtin etc.
Nº 349: Boas Fadas Há
Nº 348: Uma História Incrível
Nº 347: Carta de Alforria
Nº 346: Pretérito mais-que-perfeito do futuro
Nº 345: 1930-1946-1964-1988 - V
Nº 344: 1930-1946-1964-1988 - IV
Nº 343: 1930-1946-1964-1988 - III
Nº 342: 1930-1946-1964-1988 - II
Nº 341: 1930-1946-1964-1988 - I
Nº 340: Especulações Conceituais
Nº 339:Discurso de Despedida
Nº 338: Plebiscitando-me
Nº 337: Francisco
Nº 336: Economia Política
Nº 335: Roda Viva
Nº 334: Eduardo e Mônica
Nº 333: Surfando a Onda
Nº 332: Bodas de Ouro
Nº 331: Gritos do Desassossego
Nº 330: O Papa e o Passarinho
Nº 329: O Tempo Redescoberto
Nº 328: Grifos do Desassossego
Nº 327: Desovando Poemas
Nº 326: O Sobrado Assombrado
Nº 325: Amor
Nº 324: A Realidade da Ficção
Nº 323: Explosões de Catedrais
Nº 322: Rendez-vous com Papai Noel
Nº 321: Nas Cordas da Minha Lira
Nº 320: Sessão de Teologia
Nº 319: Eros e Tanatos
Nº 318: A Caixa de Pandora
Nº 317: Sísifo
Nº 316: Prometeu
Nº 315: Novos Contos de Minha Autoria
Nº 314: Os Contos de Minha Lavra
Nº 313: Comparações Espúrias
Nº 312: Ainda com Ulysses
Nº 311: Ainda na Estrada
Nº 310: Na Estrada com Ulysses
Nº 309: Com Ulysses na Estrada
Nº 308: Doca
Nº 307: Melancolia
Nº 306: Amor de Novo
Nº 305: A Maldição de Ateneu
Nº 304: Barba em Cara de Pau
Nº 303: Admirável Mundo Novo
Nº 302: A Doutrina Kissinger
Nº 301: Poesia Moderna
Nº 300: Jornalego Dez Anos
Nº 299: Catecismo Capitalista
Nº 298: Alegria do Palhaço
Nº 297: Chinatowns
Nº 296: China
Nº 295: Os ginecologistas também amam
Nº 294: A Sétima Arte
Nº 293: Sexo Complexo com Nexo
Nº 292: O Legado de Apolônio
Nº 291: Empregos & Portões
Nº 290: Dodora
Nº 289: Envelhecer é para Macho
Nº 288: Borges, Swedenborg e Eu
Nº 287: O Mistério da Rua Pera
Nº 286: Ódio
Nº 285: Despojamento
Nº 284: Contestando o Senso Comum
Nº 283: Os Sobreviventes
Nº 282: Ode às Primaveras
Nº 281: Cinema
Nº 280: Platônico, Virtual, Onírico
Nº 279: Até que a morte os separe
Nº 278: O Socialista e a Socialite
Nº 277: Frio
Nº 276: Osama x Obama
Nº 275: Esperando Godot
Nº 274: Sarah Vaughan em Vitória
Nº 273: Assino em Baixo
Nº 272: Horror! Horror!
Nº 271: O Dia da Minha Morte
Nº 270: Folhetim - V - Final
Nº 269: Folhetim - IV
Nº 268: Folhetim - III
Nº 267: Folhetim - II
Nº 266: Folhetim - I
Nº 265: Onírica
Nº 264: Mingau
Nº 263: O Haiti é Aqui
Nº 262: Fé e Crendice
Nº 261: Reflexões ao Espelho
Nº 260: Meu Mulato Inzoneiro
Nº 259: Coetzee
Nº 258: A Solidão do Apolônio
Nº 257: O Candidato Ideal
Nº 256: Amazônia Amada Amante - II
Nº 255: Amazônia Amada Amante - I
Nº 254: Crônica, Livro, Sonho e
Nº 253: Fé e Razão
Nº 252: Vida que te quero Viva
Nº 251: Libertadores da América
Nº 250: Tema do Traidor e do Herói
Nº 249: Apanhador no Campo de Centeio
Nº 248: DNA Guerreiro
Nº 247: Brasília, Brasil
Nº 246: Cecília e Eu
Nº 245: O Fado de Fausto
Nº 244: Gnaisse Facoidal
Nº 243: Histórias Hilárias
Nº 242: Tia Amélia
Nº 241: Mensagens do Além
Nº 240: Vocação
Nº 239: Socialismo pela Culatra
Nº 238: Apolônio Volta a Atacar
Nº 237: Contrastes
Nº 236: O Sonho Acabou
Nº 235: Efêmero Demasiado Efêmero
Nº 234: Última Paixão
Nº 233: Contus Interruptus
Nº 232: Os Atores
Nº 231: Entre Coxias
Nº 230: Lançamento de Livros
Nº 229: A Dignidade dos Irracionais
Nº 228: Pena, Pena, Pena
Nº 227: Caros Amigos
Nº 226: Cartas Antigas
Nº 225: O jovem que queria ser velho
Nº224:O menino que não queria ser gente
No 223: Epílogo & Prólogo
No 222: O Deus dos Animais
No 221: Da Caderneta Preta
No 220: O Prisioneiro da Vigília
No 219: A Escalvada
No 218: O Muro
No 217: O Prisioneiro do Sonho
No 216: Jornal/ego - 7/70
No 215: Eros e as Musas
No 214: Um Sujeito Muito Estranho
No 213: O Lirismo dos Besouros
No 212: Tema de Gaia
No 211: Exa. Revma., Excomungai-me
No 210: Até Tu Brutus!
No 209: Cegueira Paradigmática
No 208: Dos Poemas Impublicáveis
No 207: Países Baixos
No 206: Que Delícia de Crise!
No 205: Assim se Passaram os Anos
No 204: Humano, Demasiado Humano
No 203: O Brasil vai virar Bolívia
No 202: Ensaio s/ a Cegueira e a Lucidez
No 201: ¿Por qué no Hablar?
No 200: O Tempo não se Bloqueia
No 199: Relatos de uma Viagem
No 198: O Tempo Bloqueado
No 197: Tempos do Futebol
No 196: Por um Tempo Ecológico
No 195: Pesos e Medidas
No 194: O Fascínio da Literatura
No 193: Bom Apetite
No 192: O Mural
No 191: Retrato de Mulher
No 190: Tempo, Tempo, Tempo, Tempo
No 189: Existencialismo Caboclo
No 188: Danação
No 187: Saga
No 186: Redenção
No 185: Por que não Callas?
No 184: Destino
No 183: O Frade Ateu
No 182: O Retrato do Artista
No 181: O Retrato de minha Mãe
No 180: O Retrato de meu Pai
No 179: Mensagem de Fim de Ano
No 178: O Admirável Mundo Wiki
No 177: O Futebol da Integração
No 176: O Ser Obscuro
No 175: Uma Mulher e Uma Mulher
No 174: Um Homem e Um Homem
No 173: Cidadela Sitiada
No 172: Uma Mulher e Um Homem
No 171: Literatura de Apoio
No 170: Porque nao sou Religioso
No 169: Um Homem e Uma Mulher
No 168: Fogo Vivo
No 167: O Contrato Social
No 166: Humana Humildade
No 165: Espelho em Mosaico
No 164: Colcha de Retalhos
No 163: Infância
No 162: O DNA do Petróleo
No 161: Amor Ponto com Ponto br
No 160: O Moderno é Antigo
No 159: "Big Brother"
No 158: Nongentésimo Nonagésimo Nono
No 157: A Morte é para Todos
No 156: O Velório
No 155: Movimento dos Sem-Chapéu
No 154: Xarás
No 153: Amigo
No 152: Madame Hummingbird
No 151: Morte e Vida Severina
No 150: Capitalismo Global
No 149: Na Ponta da Língua
No 148: Pelas Costas do Cristo
No 147: Moral da História
No 146: Antes do Antes e Depois do Depois
No 145: Cerimônia do Adeus
No 144: Ode ao Sono
No 143: Ideologias
No 142: Reminiscências
No 141: Fé Demais & Pouca Fé
No 140: Biocombustíveis
No 139: Quarto de Despejo
No 138: Pavana para um irmão
No 137: Anorexia Eleitoral
No 136: O Mundo é um Moinho
No 135: Habitantes de Bagdá
No 134: Sonata ao Sol
No 133:Bodas de Jacarandá
No 132: Assim também não!
No 131: Reflexões Gasosas
No 130: Vovó Maluca
No 129: De Causar Espécie
No 128: Lula vai Raspar a Barba
No 127: O Pregoeiro de Itapoã
No 126: A República dos Sonhos
No 125: O’
No 124: Rio de Fevereiro
No 123: Seu Boiteux
No 122: Loquacidade Onírica
No 121: Os perigos da literatura
No 120: Entre o céu e a terra
No 119: Globanalização
No 118: Nojo e Luto
No 117: Meu Caso com a Super Star
No 116: Da informação. Do conhecimento. Da sabedoria.
No 115: O Último Tango
No 114: Pelo Sim pelo Não
No 113: Curriculum Vitae
No 112: Eterna Idade
No 111: Guanabara
No 110: Corrupção, Corruptos e  Corruptores
No 109: Quem tem medo de MRS. Dalloway
No 108: O Equilibrista na Corda Bamba
No 107: Conto no Ar
No 106: Divagações Amazônicas
No 105: O Espírito Santo vai virar Bolívia
No 104: "Tristes Trópicos"
No 103: Super-Heróis
No 102: Ilusões Perdidas
No 101: Praia das Virtudes
No 100: Sem
No 99: Brainstorming
No 98: Il Papa Schiavo
No 97: Samba-Enredo
No 96: Decamerão
No 95: Comentários Econômicos
No 94: Batismo Laico
No 93: Boa Convivência
No 92: Tsunamis
No 91: O Drama Do DNA
No 90: Natureza Viva
No 89: Educação Sentimental
No 88: Transbordamentos e Pressentimentos
No 87: A Volta e a Volta de Washington Luiz
No 86: Eros & Onã
No 85: A Viagem
No 84: Soy Loco por ti America
No 83: Mote (I)
No 82: ACRE Telúrico e Emblemático
No 81: Bigode
No 80: Golpes Cruzados
No 79: Rio de Julho e Agosto
No 78: Estado Pequeno Grandes Empresas
No 77: Dinossauro
No 76: Vida Leva Eu
No 75: Quando pela Segunda Vez Lula Treme na Base
No 74: Quotas? Sou Contra!
No 73: Indignação
No 72: O Outro
No 71: Memórias Postumas
No 70: A Outra
No 69: Ave-Maria
No 68: O Enxoval
No 67: Satã e Cristo
No 66: O Buquê
No 65: Belo Horizonte 2
No 64: Belo Horizonte
No 63: O Dia Que Nunca Houve Nem Haverá
No 62: Eletra Concreta
No 61: Motim A Bordo
No 60: O Sul do Mundo
No 59: Conto de Ano-Novo
No 58: O Capelão do Diabo
No 57: Um Ano-Lula
No 56: Conto de Natal
No 55: Desemprego
No 54: Inflação
No 53: O Tempo Poetizável
No 52: Pendão da Esperança
No 51: O Terrorista de Itapoã
No 50: Vícios
No 49: Nós
No 48: Discurso
No 47: Especulação Retrospectiva
No 46: Meu Tipo Inesquecível
No 45: Especulação Prospectiva
No 44: Branquelinha
No 43: Cara a Cara Carioca
No 42: Aquiri
No 41: Iá! Ó quem vem lá!
No 40: O Guardião
No 39: Questão de gênero
No 38: O Fescenino Papalvo
No 37: Imigrações
No 36: A Vigília e o Sono
No 35: O Novelo da Novela
No 34: O Pianista
No 33: Fast Love
No 32: O Nada
No 31: Movimento
No 30: Bagdá
No 29: Literatura
No 28: Estações
No 27: Conto do Vigário
No 26: Cenas da Infância
No 25: FHC.
No 24: Fazendo Chover
No 23: Fênix.
No 22: Operação Segurança
No 21: O Mundo Encantado da Loucura
No 20: O Mundo Encantado da Velhice
No 19: O Mundo Encantado da Infância
No 18: O Povo no Poder
No 17: Monteiro Lobato
No 16: Álcool Revisitado
No 15: Ficção ou Realidade
No 14: Analfabetismo
No 13: De Cabeça para Baixo
No 12: Candidatos e Partidos
No 11:Ao Fundo Novamente
Extra: Acre Doce
No 10: Jacques
No 9: Carta ao Professor N.
No 8: Viagem a Outro Mundo
No 7: do Prazer
No 6: Os Fins e os Meios
No 5: O Tempo da Memória
No 4: A Mulher do Romualdo
No 3: Voto Aberto
No 2: Malvadezas
No 1: O Sequestro
O Autor
Download
Favoritos

 

JORNALEGO

ANO III - Nº 84, em 30 de Setembro de 2004.

  Continuação da série doravante denominada Vida e Mote (II)

“SOY LOCO POR TI AMERICA”

                         Quando aqui aportou, há pouco mais de quinhentos anos, desencadeou-se uma das maiores revoluções da humanidade. Ave Cristóvão Colombo, nomes incrustados das figuras do Cristo e Paz! Imaginem o que seria desembarcar agora num planeta vivo, habitável, bonito, rico, imenso! Foi quase isso. Logo ali, ao largo d’África. Novo Mundo, disseram bem! O velho, caquético e esclerosado mundo se renovou. As cabeças se abriram como a descobrir uma nova porção encefálica ainda não utilizada.

             Culturas avançadas – inca, asteca, maia – tribos norte-americanas e centenas de nações indígenas ao sul do continente, seus costumes variados e valiosa sabedoria. Que riquíssima sociodiversidade! Que pujante biodiversidade! Que clarão para a humanidade!

             Portugal, Espanha e Inglaterra quedaram-se extasiados diante das maravilhas e desafios do mundo desconhecido. Incompetentes para, do outro lado do oceano, administrarem essas terras e seus povos, além de conter a ambição dos vizinhos europeus.

             Restaram-lhes o povoamento pelo branco europeu e a exploração da natureza, incluindo os ameríndios. Para isso recorreram à importação de negros escravos do outro lado do Atlântico.

             A metade do tempo transcorrido entre a descoberta e os dias de hoje foi passada nesta condição subalterna aos velhos descobridores e donos do mar.

             Em meados do século XVIII “o sol da liberdade em raios fúlgidos brilhou no céu do continente nesse instante”. Idéias libertárias e democráticas brotaram nas cabeças dos povos e das novas lideranças que vão deflagrar os movimentos de independência no século seguinte.

              A jóia das coroas era um país sem nome que levou o seu: América. Os Estados Unidos que o compõem é uma figura jurídica, como República Federativa ou Popular e Confederação. Seu nome era América. O único país do Novo Mundo a incorporar o nome do continente da esperança. Seu povo, o americano!

             Assim era no imaginário de europeus e orientais. No dos latino-americanos também.

             Seus destemidos guerreiros, seus grandes pensadores, seu povo – com a grande colaboração dos imigrantes, incluindo os africanos – passaram a se constituir na grande aventura do mundo ocidental. Antes de qualquer nação do novo continente, antes mesmo da grande revolução burguesa da Europa – a francesa de 1789 – este país se torna independente, em 1776, e asperge sobre o mundo a água benta da liberdade, da democracia, da república, da ascensão dos povos sobre cabeças coroadas, oligarquias sedimentadas e líderes tirânicos.

             God bless America!

             Todos se voltam para o norte do continente americano na intenção de seguir seus exemplos. Difunde-se um ideal, uma vontade, uma ação.

             Às guerras de independência, seguem-se as de conquista do outro lado do continente. Ao oeste tomam-se terras ao gentio, ao sul incorporam-se terras dos vizinhos mexicanos. São os alvores do império.

             O capitalismo nascente, a revolução industrial, o ousado espírito empresarial, a mais nova forma de energia, o petróleo, consolidam seu progresso. Complementares às guerras de conquista, os conflitos mundiais servem para implantar sua hegemonia mundial.

             Nossas vidas passaram a ser fortemente influenciadas pela cultura norte-americana. Seu idioma. Sua música. Seu cinema. Seus costumes. Sua literatura.

             Foi imensa a contribuição deles para a arte, a tecnologia, enfim, o progresso da humanidade. Na época de uma indústria incipiente brasileira éramos consumidores de quase tudo “made in USA”. Do camonebói aos automóveis. Da Coca-Cola aos processos industriais de ponta. Siderurgias e refinarias.

             Torcíamos pelos aliados, pelos soldados americanos, contra o Eixo e suas esdrúxulas doutrinas. Humilde e bravamente, juntamo-nos a eles nos campos de batalha.

            O espetáculo pirotécnico dos cogumelos atômicos no Japão impôs a paz no Extremo Oriente. A única nação a usar artefatos nucleares contra populações civis. Aproximadamente 200.000 pessoas foram mortas em Hiroshima e Nagasaki, de agosto até o final do ano de 1945. Que ironia! A guerra já terminara no Ocidente em maio do mesmo ano. Foi uma demonstração de força a um novo perigo que se alevantava.

             Porque no meio do caminho tinha uma pedra. O comunismo emergente da antiga aliada, a União Soviética, e mais tarde da China.

             As guerras fizeram surgir a potência. Com sua moeda, fiel do sistema financeiro, com o poder colonial a se desfazer no mundo com a ajuda do inimigo comunista, uma nova situação de mando se instaurou. O colonialismo econômico-financeiro-tecnológico.

 O perigo vermelho equilibrou o poder no contexto mundial, mas, em pouco mais de meio século é sobrepujado ou, alternativamente, de alguma forma cooptado.

             A potência econômica e financeira, o aparato militar (a despeito de alguns fracassos nos campos de batalha e político – Vietnam e Cuba), a vanguarda tecnológica são as bases do mais novo império, da mais recente hegemonia mundial, como nunca se viu em toda a história da humanidade.

             A potência tem fome, tem sede de poder. Estende os tentáculos por todas as partes. Intromete-se especialmente no Oriente Médio em busca de petróleo que escasseia nos seus territórios ou em fontes mais confiáveis. Vai à luta. Mata. Fomenta a violência. O império ruge.

             Em nome dos mais nobres propósitos guerreia: armado dos escudos da liberdade, da democracia, do combate ao narcotráfico e da defesa do meio ambiente mostra suas garras. Por outro lado do discurso não assina o Tratado de constituição da Corte Internacional de Justiça da ONU para julgamento de crimes hediondos contra a humanidade. Transforma-se numa democracia passível de fraudes como a da última eleição presidencial. Maior mercado consumidor de entorpecentes. Nação não-signatária do Protocolo de Kioto contra o aquecimento global. Desenvolve pesquisas tecnológicas na área nuclear e tenta impedir que outros países as façam visando fins pacíficos.

             Das possíveis reações a este estado de coisas restou o terrorismo, cujo ápice lamentável foi o ataque ao coração do território americano – Nova York e Washington – de 11 de Setembro de 2001. O terrorismo injustificável fez escola no rastro de um autoritarismo exemplar. A Rússia seguiu-lhe os passos. Gerou o morticínio de Beslan.

             A contrapartida igualmente lamentável foi o cerceamento das liberdades individuais, o alastramento do terrorismo internacional, a perspectiva do apocalipse. As invasões ao Afeganistão e Iraque, sem o consentimento da ONU, desacreditando a instituição.

             Em qualquer trajetória o apogeu marca o início do declínio. A admiração inicial transforma-se em decepção. O século XXI pode vir a se caracterizar pelo enfraquecimento da multilateralismo sob a égide de uma organização supranacional, a fragilização da autodeterminação dos povos, a quebra das liberdades individuais. A sanha imperial aumentou o poder de fogo do regime econômico-financeiro capitalista institucionalizando o estado neoliberal, difundindo a ferro e fogo o seu conceito de liberdade e de vida, consumista e não solidário.

Não há futuro por este caminho unilateralista. Se a população chinesa, com sua economia crescendo como está, vier a ter os mesmos padrões de consumo energético dos americanos, o planeta sucumbirá à poluição ambiental.

            Num espaço de uma vida, como se deteriorou a esperança! Eu mesmo fui testemunha da aurora de uma nova era.  O meu legado pode estar no pessimismo deste final de página. Estamos todos envolvidos com o que acontece no Império. Resta praguejar ao símbolo máximo e atual desse estado de coisas.

God damn Bush!    

-----------------------------------------------------------------------------O mote:

 “No amor e na guerra, não há juiz”.

“Mas há vencedor e vencido”.

“Ainda ofegante, eu piso,

você cala, eu quero bis”.

 Do poema “O Pé Sobre o Dorso” de Leandro Wirz, recentemente publicado no Suplemento Literário Pensar, do Correio Braziliense. 

 

Genserico Encarnação Júnior

Itapoã, Vila Velha (ES)

mailto:jornalego@terra.com.br

http://www.ecen.com/jornalego

 

    Hit Counter