Jornalego

 

Página Inicial
N° 360: O Presente é o Futuro
N° 359: Nave/ave partindo
N° 358:Sua Eminência Reverendíssima
N° 357: Não Dito
N° 356: Memórias de um Leitor
N° 355: Assim se passaram doze anos
N° 354: Ron Mueck
Nº 353: Fúria
Nº 352: Porta-vozes
Nº 351: Um filme e um livro
Nº 350: Bakhtin etc.
Nº 349: Boas Fadas Há
Nº 348: Uma História Incrível
Nº 347: Carta de Alforria
Nº 346: Pretérito mais-que-perfeito do futuro
Nº 345: 1930-1946-1964-1988 - V
Nº 344: 1930-1946-1964-1988 - IV
Nº 343: 1930-1946-1964-1988 - III
Nº 342: 1930-1946-1964-1988 - II
Nº 341: 1930-1946-1964-1988 - I
Nº 340: Especulações Conceituais
Nº 339:Discurso de Despedida
Nº 338: Plebiscitando-me
Nº 337: Francisco
Nº 336: Economia Política
Nº 335: Roda Viva
Nº 334: Eduardo e Mônica
Nº 333: Surfando a Onda
Nº 332: Bodas de Ouro
Nº 331: Gritos do Desassossego
Nº 330: O Papa e o Passarinho
Nº 329: O Tempo Redescoberto
Nº 328: Grifos do Desassossego
Nº 327: Desovando Poemas
Nº 326: O Sobrado Assombrado
Nº 325: Amor
Nº 324: A Realidade da Ficção
Nº 323: Explosões de Catedrais
Nº 322: Rendez-vous com Papai Noel
Nº 321: Nas Cordas da Minha Lira
Nº 320: Sessão de Teologia
Nº 319: Eros e Tanatos
Nº 318: A Caixa de Pandora
Nº 317: Sísifo
Nº 316: Prometeu
Nº 315: Novos Contos de Minha Autoria
Nº 314: Os Contos de Minha Lavra
Nº 313: Comparações Espúrias
Nº 312: Ainda com Ulysses
Nº 311: Ainda na Estrada
Nº 310: Na Estrada com Ulysses
Nº 309: Com Ulysses na Estrada
Nº 308: Doca
Nº 307: Melancolia
Nº 306: Amor de Novo
Nº 305: A Maldição de Ateneu
Nº 304: Barba em Cara de Pau
Nº 303: Admirável Mundo Novo
Nº 302: A Doutrina Kissinger
Nº 301: Poesia Moderna
Nº 300: Jornalego Dez Anos
Nº 299: Catecismo Capitalista
Nº 298: Alegria do Palhaço
Nº 297: Chinatowns
Nº 296: China
Nº 295: Os ginecologistas também amam
Nº 294: A Sétima Arte
Nº 293: Sexo Complexo com Nexo
Nº 292: O Legado de Apolônio
Nº 291: Empregos & Portões
Nº 290: Dodora
Nº 289: Envelhecer é para Macho
Nº 288: Borges, Swedenborg e Eu
Nº 287: O Mistério da Rua Pera
Nº 286: Ódio
Nº 285: Despojamento
Nº 284: Contestando o Senso Comum
Nº 283: Os Sobreviventes
Nº 282: Ode às Primaveras
Nº 281: Cinema
Nº 280: Platônico, Virtual, Onírico
Nº 279: Até que a morte os separe
Nº 278: O Socialista e a Socialite
Nº 277: Frio
Nº 276: Osama x Obama
Nº 275: Esperando Godot
Nº 274: Sarah Vaughan em Vitória
Nº 273: Assino em Baixo
Nº 272: Horror! Horror!
Nº 271: O Dia da Minha Morte
Nº 270: Folhetim - V - Final
Nº 269: Folhetim - IV
Nº 268: Folhetim - III
Nº 267: Folhetim - II
Nº 266: Folhetim - I
Nº 265: Onírica
Nº 264: Mingau
Nº 263: O Haiti é Aqui
Nº 262: Fé e Crendice
Nº 261: Reflexões ao Espelho
Nº 260: Meu Mulato Inzoneiro
Nº 259: Coetzee
Nº 258: A Solidão do Apolônio
Nº 257: O Candidato Ideal
Nº 256: Amazônia Amada Amante - II
Nº 255: Amazônia Amada Amante - I
Nº 254: Crônica, Livro, Sonho e
Nº 253: Fé e Razão
Nº 252: Vida que te quero Viva
Nº 251: Libertadores da América
Nº 250: Tema do Traidor e do Herói
Nº 249: Apanhador no Campo de Centeio
Nº 248: DNA Guerreiro
Nº 247: Brasília, Brasil
Nº 246: Cecília e Eu
Nº 245: O Fado de Fausto
Nº 244: Gnaisse Facoidal
Nº 243: Histórias Hilárias
Nº 242: Tia Amélia
Nº 241: Mensagens do Além
Nº 240: Vocação
Nº 239: Socialismo pela Culatra
Nº 238: Apolônio Volta a Atacar
Nº 237: Contrastes
Nº 236: O Sonho Acabou
Nº 235: Efêmero Demasiado Efêmero
Nº 234: Última Paixão
Nº 233: Contus Interruptus
Nº 232: Os Atores
Nº 231: Entre Coxias
Nº 230: Lançamento de Livros
Nº 229: A Dignidade dos Irracionais
Nº 228: Pena, Pena, Pena
Nº 227: Caros Amigos
Nº 226: Cartas Antigas
Nº 225: O jovem que queria ser velho
Nº224:O menino que não queria ser gente
No 223: Epílogo & Prólogo
No 222: O Deus dos Animais
No 221: Da Caderneta Preta
No 220: O Prisioneiro da Vigília
No 219: A Escalvada
No 218: O Muro
No 217: O Prisioneiro do Sonho
No 216: Jornal/ego - 7/70
No 215: Eros e as Musas
No 214: Um Sujeito Muito Estranho
No 213: O Lirismo dos Besouros
No 212: Tema de Gaia
No 211: Exa. Revma., Excomungai-me
No 210: Até Tu Brutus!
No 209: Cegueira Paradigmática
No 208: Dos Poemas Impublicáveis
No 207: Países Baixos
No 206: Que Delícia de Crise!
No 205: Assim se Passaram os Anos
No 204: Humano, Demasiado Humano
No 203: O Brasil vai virar Bolívia
No 202: Ensaio s/ a Cegueira e a Lucidez
No 201: ¿Por qué no Hablar?
No 200: O Tempo não se Bloqueia
No 199: Relatos de uma Viagem
No 198: O Tempo Bloqueado
No 197: Tempos do Futebol
No 196: Por um Tempo Ecológico
No 195: Pesos e Medidas
No 194: O Fascínio da Literatura
No 193: Bom Apetite
No 192: O Mural
No 191: Retrato de Mulher
No 190: Tempo, Tempo, Tempo, Tempo
No 189: Existencialismo Caboclo
No 188: Danação
No 187: Saga
No 186: Redenção
No 185: Por que não Callas?
No 184: Destino
No 183: O Frade Ateu
No 182: O Retrato do Artista
No 181: O Retrato de minha Mãe
No 180: O Retrato de meu Pai
No 179: Mensagem de Fim de Ano
No 178: O Admirável Mundo Wiki
No 177: O Futebol da Integração
No 176: O Ser Obscuro
No 175: Uma Mulher e Uma Mulher
No 174: Um Homem e Um Homem
No 173: Cidadela Sitiada
No 172: Uma Mulher e Um Homem
No 171: Literatura de Apoio
No 170: Porque nao sou Religioso
No 169: Um Homem e Uma Mulher
No 168: Fogo Vivo
No 167: O Contrato Social
No 166: Humana Humildade
No 165: Espelho em Mosaico
No 164: Colcha de Retalhos
No 163: Infância
No 162: O DNA do Petróleo
No 161: Amor Ponto com Ponto br
No 160: O Moderno é Antigo
No 159: "Big Brother"
No 158: Nongentésimo Nonagésimo Nono
No 157: A Morte é para Todos
No 156: O Velório
No 155: Movimento dos Sem-Chapéu
No 154: Xarás
No 153: Amigo
No 152: Madame Hummingbird
No 151: Morte e Vida Severina
No 150: Capitalismo Global
No 149: Na Ponta da Língua
No 148: Pelas Costas do Cristo
No 147: Moral da História
No 146: Antes do Antes e Depois do Depois
No 145: Cerimônia do Adeus
No 144: Ode ao Sono
No 143: Ideologias
No 142: Reminiscências
No 141: Fé Demais & Pouca Fé
No 140: Biocombustíveis
No 139: Quarto de Despejo
No 138: Pavana para um irmão
No 137: Anorexia Eleitoral
No 136: O Mundo é um Moinho
No 135: Habitantes de Bagdá
No 134: Sonata ao Sol
No 133:Bodas de Jacarandá
No 132: Assim também não!
No 131: Reflexões Gasosas
No 130: Vovó Maluca
No 129: De Causar Espécie
No 128: Lula vai Raspar a Barba
No 127: O Pregoeiro de Itapoã
No 126: A República dos Sonhos
No 125: O’
No 124: Rio de Fevereiro
No 123: Seu Boiteux
No 122: Loquacidade Onírica
No 121: Os perigos da literatura
No 120: Entre o céu e a terra
No 119: Globanalização
No 118: Nojo e Luto
No 117: Meu Caso com a Super Star
No 116: Da informação. Do conhecimento. Da sabedoria.
No 115: O Último Tango
No 114: Pelo Sim pelo Não
No 113: Curriculum Vitae
No 112: Eterna Idade
No 111: Guanabara
No 110: Corrupção, Corruptos e  Corruptores
No 109: Quem tem medo de MRS. Dalloway
No 108: O Equilibrista na Corda Bamba
No 107: Conto no Ar
No 106: Divagações Amazônicas
No 105: O Espírito Santo vai virar Bolívia
No 104: "Tristes Trópicos"
No 103: Super-Heróis
No 102: Ilusões Perdidas
No 101: Praia das Virtudes
No 100: Sem
No 99: Brainstorming
No 98: Il Papa Schiavo
No 97: Samba-Enredo
No 96: Decamerão
No 95: Comentários Econômicos
No 94: Batismo Laico
No 93: Boa Convivência
No 92: Tsunamis
No 91: O Drama Do DNA
No 90: Natureza Viva
No 89: Educação Sentimental
No 88: Transbordamentos e Pressentimentos
No 87: A Volta e a Volta de Washington Luiz
No 86: Eros & Onã
No 85: A Viagem
No 84: Soy Loco por ti America
No 83: Mote (I)
No 82: ACRE Telúrico e Emblemático
No 81: Bigode
No 80: Golpes Cruzados
No 79: Rio de Julho e Agosto
No 78: Estado Pequeno Grandes Empresas
No 77: Dinossauro
No 76: Vida Leva Eu
No 75: Quando pela Segunda Vez Lula Treme na Base
No 74: Quotas? Sou Contra!
No 73: Indignação
No 72: O Outro
No 71: Memórias Postumas
No 70: A Outra
No 69: Ave-Maria
No 68: O Enxoval
No 67: Satã e Cristo
No 66: O Buquê
No 65: Belo Horizonte 2
No 64: Belo Horizonte
No 63: O Dia Que Nunca Houve Nem Haverá
No 62: Eletra Concreta
No 61: Motim A Bordo
No 60: O Sul do Mundo
No 59: Conto de Ano-Novo
No 58: O Capelão do Diabo
No 57: Um Ano-Lula
No 56: Conto de Natal
No 55: Desemprego
No 54: Inflação
No 53: O Tempo Poetizável
No 52: Pendão da Esperança
No 51: O Terrorista de Itapoã
No 50: Vícios
No 49: Nós
No 48: Discurso
No 47: Especulação Retrospectiva
No 46: Meu Tipo Inesquecível
No 45: Especulação Prospectiva
No 44: Branquelinha
No 43: Cara a Cara Carioca
No 42: Aquiri
No 41: Iá! Ó quem vem lá!
No 40: O Guardião
No 39: Questão de gênero
No 38: O Fescenino Papalvo
No 37: Imigrações
No 36: A Vigília e o Sono
No 35: O Novelo da Novela
No 34: O Pianista
No 33: Fast Love
No 32: O Nada
No 31: Movimento
No 30: Bagdá
No 29: Literatura
No 28: Estações
No 27: Conto do Vigário
No 26: Cenas da Infância
No 25: FHC.
No 24: Fazendo Chover
No 23: Fênix.
No 22: Operação Segurança
No 21: O Mundo Encantado da Loucura
No 20: O Mundo Encantado da Velhice
No 19: O Mundo Encantado da Infância
No 18: O Povo no Poder
No 17: Monteiro Lobato
No 16: Álcool Revisitado
No 15: Ficção ou Realidade
No 14: Analfabetismo
No 13: De Cabeça para Baixo
No 12: Candidatos e Partidos
No 11:Ao Fundo Novamente
Extra: Acre Doce
No 10: Jacques
No 9: Carta ao Professor N.
No 8: Viagem a Outro Mundo
No 7: do Prazer
No 6: Os Fins e os Meios
No 5: O Tempo da Memória
No 4: A Mulher do Romualdo
No 3: Voto Aberto
No 2: Malvadezas
No 1: O Sequestro
O Autor
Download
Favoritos

 
JORNALEGO

ANO II - Nº 57, em 30 de Dezembro de 2003.

Artigo

 

UM ANO-LULA

            O leitor deverá ser cauteloso ao se deparar com este texto; o autor é suspeito. Votou seis vezes (em quatro eleições, duas com dois turnos) em Lula para Presidente da República. Mais do que isso, ele considera o PT o melhor partido do país. Mesmo sem ser filiado a ele e a despeito de alguns pecados internos e externos (que não justifica), mas cônscio da necessidade de partidos bem estruturados para o fortalecimento da democracia, desde o fim do período de exceção tem votado em seus candidatos. 

Nunca imaginou que suas “retinas cansadas” pudessem testemunhar a vitória eleitoral de um operário e de um partido de esquerda num país com traços tão fortes de elitismo. Esperou muito desde a véspera do segundo turno da eleição presidencial de 1989, quando predisse esfuziante a vitória de Lula sobre o Collor. Desde esta derrota Lula e o PT cresceram e mudaram muito. Aprenderam que para ganhar a eleição, sair dos tradicionais 30% dos votos, foi necessário mudar. O período neoliberal do FHC fez a sua parte, tendo contribuído sobremaneira para os resultados da última eleição.

            Chorou com discrição ao saber do resultado das últimas eleições, chorou na diplomação da Justiça Eleitoral, chorou na posse. Lembrava-se do povo parisiense dançando nas ruas festejando a vitória do socialista Miterrand, lembrou-se de Mandela e Xanana Gusmão, que saíram da prisão para governarem seus povos, e até do Lech Walesa na vetusta Polônia.

            Meu caro aprendiz de escritor! Não é assim que se faz política e governo. Não é chorando e cheio de emoções e idealismo juvenis que se transita por essas searas. Até utopias às vezes atrapalham.

Vamos ao que interessa, comentar o primeiro ano do governo Lula. Para tal muda-se o tratamento pronominal. Aquele sentimentalista ficou pra trás, linhas acima. Contudo, não se apresentou o analista rigoroso. Faltam-lhe informações, disposição, engenho e arte para uma análise mais percuciente. Assim, como tudo que ele faz atualmente, a abordagem é mais uma visão panorâmica do que a focagem dos pormenores do assunto.

Neste primeiro ano de governo, de puristas insatisfeitos e expulsões partidárias, tenho presente uma colocação ouvida há tempo: a esquerda faz oposição, a direita governa. Nunca isso me saiu da cabeça. Passando em revista a história recente, foi Stálin que viabilizou a União Soviética (a direita da esquerda), Lenine morreu e Trotski foi picaretado. A religião cristã vingou no mundo mais por causa de São Paulo e do Império Romano do que pelos belos ensinamentos de Jesus Cristo. Tudo é relativo, a direita está à esquerda da extrema-direita, bem como a esquerda está à direita da extrema-esquerda. Sinistro!

            Outro paradoxo da política é o fato histórico de que algumas bandeiras defendidas pela direita se realizarem nos governos de esquerda. E vice-versa. FHC nunca poderia ter feito a reforma da Previdência mexendo com os privilégios do funcionalismo público. Lula a fez. João Goulart nunca poderia ter reconhecido a China Comunista. Geisel o fez, como também foi o primeiro governo a reconhecer a Angola, também comunista. Nixon, exemplar notório da direita americana, foi quem reatou os laços comerciais e diplomáticos com a mesma República Popular da China, fazendo com que ela viesse a ocupar o seu lugar na ONU, no Conselho de Segurança, no lugar da China Nacionalista.

Lula e o PT ganharam uma eleição, com a ajuda de composições com outras correntes partidárias que a eles se juntaram no primeiro turno (PL mais significativamente, tendo apresentado candidato a Vice-Presidência) e mais, com os arranjos do segundo turno. Não fizeram uma revolução, não ganharam o poder total, tampouco venceram sozinhos a eleição. O Poder – buñuelíssimo “obscuro objeto de desejo” e prazer – teve que ser repartido com quem lhes deu apoio na campanha eleitoral, bem como com o Legislativo e até com o Judiciário. Além dos Governos Estaduais e todas as instituições que compõem a Sociedade Brasileira. Nosso país não é também tão independente como gostaríamos que fosse. A nossa autonomia nacional está longe de ser total. A globalização, por seu turno, lançou-nos, a todos, numa grande armadilha difícil de se desvencilhar.

            Desde outubro, quando comecei a escrever este artigo, meus humores variaram. De um otimismo contido a um pessimismo macambúzio. Fiquei mais atento ao tratamento do tema, com contínua elaboração do texto. Precisava dar uma satisfação aos meus leitores e a mim próprio.

            Portanto sinto-me responsável, como eleitor e propagandista, por este governo. Depois da redemocratização do país, meu voto à Presidência da República jamais fora vitorioso. Eu me sentia confortável com os desmandos dos eleitos. Não tinha nada a ver com aquilo. Antes mesmo da última eleição eu já me insurgia com a composição do PT com o PL e a candidatura do José Alencar à Vice-Presidência. Cogitava nem votar em Lula por causa disso. Detectei em boa hora que isso se constituía uma artimanha psicológica para desde já tirar o braço da seringa e não me responsabilizar, como eleitor, com o eventual governo.

            Ao constatar isso mudei de opinião. Só com esse tipo de arranjo e com os compromissos assumidos na Carta ao Povo Brasileiro, o PT chegaria (partilhando-o) ao governo por meio de eleições democráticas. Deixamos, o partido e eu, o romantismo de lado.

            Passado esse primeiro ano, várias vezes tive pensamentos oposicionistas em relação ao governo federal, que não estava indo de acordo com as minhas expectativas. Mais uma vez me chamei à ordem. Não embarquei na onda dos radicais livres. Agora que entramos nessa onda vamos até ao fim! Não que, diante de eventuais barbaridades, não me posicione contra. Mas enquanto isso não acontecer, vamos em frente. Mesmo porque, no meu alvitre, não existem, hoje, alternativas melhores.

            Inicialmente topei com um artigo do Élio Gaspari, espinafrando os dez meses iniciais do governo. Entre as considerações destaco esta: “O governo de Lula terminará o ano com nota dez em disciplina fiscal e zero em crescimento econômico”. É verdade! Se o desafio do PT era sair do modelo neoliberal, que tantos males causou à América Latina e ao Brasil, diz por outro lado o sociólogo Emir Sader, nesta ótica, o primeiro ano do governo Lula tem que ser julgado negativamente.

Contudo, recordemos, a inflação ameaçava chegar aos 40% a.a., a taxa de câmbio estava beirando a casa dos R$ 4,00/US$, a guerra do Iraque era iminente, o risco Brasil era mais do que o dobro do índice atual, os juros por volta dos 25%a.a. Diante dessa conjuntura parece que houve avanços. Resta saber se foram decorrentes de uma política econômico-financeira saudável, rigorosa, ou decorrência de causas externas (p.ex. baixíssima taxa de juros nos EUA). Talvez as duas coisas. Mas chega de economismo!

            Uma coisa é certa, enquanto os índices financeiros melhoraram os sociais pioraram. Não se agridem fatos! A época de transição, com a discussão das reformas que estão sendo aprovadas no Congresso pode ter concorrido para esse efeito negativo. Será? A ciranda financeira tem que ser rompida. Enquanto os juros reais forem maiores do que os retornos dos empreendimentos o dinheiro vai para o sistema financeiro e com isso o serviço da dívida pública tende a aumentar e os investimentos patinarem.  O Governo fecha o ano com a taxa de juros do Banco Central em 16,5% a.a. o que redunda numa taxa real de 6,5% a.a., retirada uma inflação da ordem de 10%. Já se encontra em nível razoável devendo baixar ainda mais. O que não se admite e eu não compreendo é o sistema financeiro cobrar taxas superiores a 100%a.a. e ainda arengar dizendo que isso se dá por causa das altas taxas de juros governamentais.

            Fazer revoluções, mudanças contrariando interesses estabelecidos e reformas radicais em governos eleitos democraticamente pode ser muito perigoso. São exemplos que ficam em nossa memória o suicídio de Getúlio Vargas, a morte de Salvador Allende e a destituição de João Goulart (atualmente levanta-se a hipótese de seu assassinato no exílio).

Justifico a política econômica do primeiro ano como ainda resquício de um processo que vem de longe. Política é processo e mudar seu rumo exige tempo, como manobrar um transatlântico em velocidade cruzeiro. Justifico, mas não enalteço. Afinal, não votei para festejar sucessos financeiros e macroeconômicos. Votei para mudar a sociedade brasileira, para torná-la mais justa, menos corrupta, mais fraterna. Com crescimento econômico ou não, com a criação de pencas de empregos ou não. Se os eleitores leram e ainda se lembram, em textos passados eu admiti que não mais se criariam empregos para toda a população. Distribuição é melhor do que crescimento. Se o crescimento econômico de uma nação for zero e melhorar a distribuição de renda a sociedade melhora.

Baixou de novo o economista: renda (PIB) é fluxo, aquilo que é acrescentado num período de tempo. Quando se diz que o crescimento do PIB foi zero é porque foi produzido o mesmo montante de bens e serviços do ano anterior.  Há necessidade de distribuir não só renda, mas riqueza, patrimônio, que são estoques, isto é, aquilo que já foi criado, acumulado. Numa sociedade elitista muito patrimônio foi conquistado através de privilégios. Por exemplo, o Governo não conseguiu aumentar a alíquota de 2% para 4% do imposto sobre heranças, na última reforma tributária.

É a primeira vez que vejo um governo brasileiro dizer que a distribuição de renda é condição básica para o crescimento. Outrora, pregava-se que o bolo deveria primeiro crescer para só depois ser distribuído. Balela! Os mais comportados achavam que se devia dividir o bolo concomitantemente com o seu crescimento (até eu já empreguei o mesmo advérbio extenso e pedante para o caso). 

No que diz respeito à política externa, uma simples consideração: parecia-me que o Governo anterior se satisfazia em se colocar ao lado do grupo dos países mais desenvolvidos. A política atual se filia claramente ao lado do grupo dos países menos desenvolvidos. Privilegia ser campeão da segundona ao invés de simplesmente está participando da primeira divisão, na rabada, com o perigo de ser rebaixado. Liderar seus pares, não ser liderado por seus ímpares.

            Por outro lado considero positivos os resultados das Reformas da Previdência e a Tributária, embora admita que muita concessão foi feita para isso. Foram as reformas possíveis. Caçando com chumbo grosso, foi Lula que acabou com os marajás, a Previdência (com o funcionalismo público embutido) está mais capacitada a andar pelas próprias pernas do que anteriormente, pelo menos evitar sua falência.

A Reforma Tributária, com as complementações necessárias que ainda virão, pode se consistir num início de estabilização do marco regulatório do setor, tão importante para pacificar e incentivar o empresariado. É bem verdade que a Reforma foi mais Fiscal do que Tributária, enfocando mais a Receita governamental do que as capacidades e as necessidades do contribuinte.           

            Indesculpável, desastrosa, tudo que se pode falar de ruim foi a tentativa de recadastrar nonagenários, da maneira como foi feito. Terrível!

            Finalizando, desenvolvimento econômico, criação de empregos, redistribuição da renda, melhoria dos indicadores sociais, fazem parte de uma agenda árdua para ser cumprida. Grande desafio! Conseguiremos? Nutro esperanças, a despeito de ter crescido muito o meu nível de ansiedade.

            O Presidente do PT, José Genoíno, deu nota 9 ao governo no final do seu primeiro ano. O Deputado Federal petista Chico Alencar, professor, deu 6, só para passar de ano, como justificou. Minha nota é 8.

            Que tenhamos todos um feliz triênio, o tempo que ainda resta para completar o mandato presidencial. Torço pelo seu sucesso.

            A última edição dominical do ano da Folha de São Paulo traz análises do primeiro quarto do governo que me deixaram um tanto inquieto. Todas, contudo, partem da premissa implícita que o PT detém sozinho o poder, o que não é verdade.

Será que, no gozo da idade madura, ao justificar a atuação do governo, estou sendo seduzido por idéias políticas conservadoras ou tendo a visão embotada por uma preferência pessoal?

            “Pai. Afaste de mim esse cálice!”

Genserico Encarnação Júnior

Itapoã, Vila Velha (ES).

mailto:eeegense@terra.com.br

http://www.ecen.com/jornalego

  

Hit Counter