Jornalego

 

Página Inicial
N° 360: O Presente é o Futuro
N° 359: Nave/ave partindo
N° 358:Sua Eminência Reverendíssima
N° 357: Não Dito
N° 356: Memórias de um Leitor
N° 355: Assim se passaram doze anos
N° 354: Ron Mueck
Nº 353: Fúria
Nº 352: Porta-vozes
Nº 351: Um filme e um livro
Nº 350: Bakhtin etc.
Nº 349: Boas Fadas Há
Nº 348: Uma História Incrível
Nº 347: Carta de Alforria
Nº 346: Pretérito mais-que-perfeito do futuro
Nº 345: 1930-1946-1964-1988 - V
Nº 344: 1930-1946-1964-1988 - IV
Nº 343: 1930-1946-1964-1988 - III
Nº 342: 1930-1946-1964-1988 - II
Nº 341: 1930-1946-1964-1988 - I
Nº 340: Especulações Conceituais
Nº 339:Discurso de Despedida
Nº 338: Plebiscitando-me
Nº 337: Francisco
Nº 336: Economia Política
Nº 335: Roda Viva
Nº 334: Eduardo e Mônica
Nº 333: Surfando a Onda
Nº 332: Bodas de Ouro
Nº 331: Gritos do Desassossego
Nº 330: O Papa e o Passarinho
Nº 329: O Tempo Redescoberto
Nº 328: Grifos do Desassossego
Nº 327: Desovando Poemas
Nº 326: O Sobrado Assombrado
Nº 325: Amor
Nº 324: A Realidade da Ficção
Nº 323: Explosões de Catedrais
Nº 322: Rendez-vous com Papai Noel
Nº 321: Nas Cordas da Minha Lira
Nº 320: Sessão de Teologia
Nº 319: Eros e Tanatos
Nº 318: A Caixa de Pandora
Nº 317: Sísifo
Nº 316: Prometeu
Nº 315: Novos Contos de Minha Autoria
Nº 314: Os Contos de Minha Lavra
Nº 313: Comparações Espúrias
Nº 312: Ainda com Ulysses
Nº 311: Ainda na Estrada
Nº 310: Na Estrada com Ulysses
Nº 309: Com Ulysses na Estrada
Nº 308: Doca
Nº 307: Melancolia
Nº 306: Amor de Novo
Nº 305: A Maldição de Ateneu
Nº 304: Barba em Cara de Pau
Nº 303: Admirável Mundo Novo
Nº 302: A Doutrina Kissinger
Nº 301: Poesia Moderna
Nº 300: Jornalego Dez Anos
Nº 299: Catecismo Capitalista
Nº 298: Alegria do Palhaço
Nº 297: Chinatowns
Nº 296: China
Nº 295: Os ginecologistas também amam
Nº 294: A Sétima Arte
Nº 293: Sexo Complexo com Nexo
Nº 292: O Legado de Apolônio
Nº 291: Empregos & Portões
Nº 290: Dodora
Nº 289: Envelhecer é para Macho
Nº 288: Borges, Swedenborg e Eu
Nº 287: O Mistério da Rua Pera
Nº 286: Ódio
Nº 285: Despojamento
Nº 284: Contestando o Senso Comum
Nº 283: Os Sobreviventes
Nº 282: Ode às Primaveras
Nº 281: Cinema
Nº 280: Platônico, Virtual, Onírico
Nº 279: Até que a morte os separe
Nº 278: O Socialista e a Socialite
Nº 277: Frio
Nº 276: Osama x Obama
Nº 275: Esperando Godot
Nº 274: Sarah Vaughan em Vitória
Nº 273: Assino em Baixo
Nº 272: Horror! Horror!
Nº 271: O Dia da Minha Morte
Nº 270: Folhetim - V - Final
Nº 269: Folhetim - IV
Nº 268: Folhetim - III
Nº 267: Folhetim - II
Nº 266: Folhetim - I
Nº 265: Onírica
Nº 264: Mingau
Nº 263: O Haiti é Aqui
Nº 262: Fé e Crendice
Nº 261: Reflexões ao Espelho
Nº 260: Meu Mulato Inzoneiro
Nº 259: Coetzee
Nº 258: A Solidão do Apolônio
Nº 257: O Candidato Ideal
Nº 256: Amazônia Amada Amante - II
Nº 255: Amazônia Amada Amante - I
Nº 254: Crônica, Livro, Sonho e
Nº 253: Fé e Razão
Nº 252: Vida que te quero Viva
Nº 251: Libertadores da América
Nº 250: Tema do Traidor e do Herói
Nº 249: Apanhador no Campo de Centeio
Nº 248: DNA Guerreiro
Nº 247: Brasília, Brasil
Nº 246: Cecília e Eu
Nº 245: O Fado de Fausto
Nº 244: Gnaisse Facoidal
Nº 243: Histórias Hilárias
Nº 242: Tia Amélia
Nº 241: Mensagens do Além
Nº 240: Vocação
Nº 239: Socialismo pela Culatra
Nº 238: Apolônio Volta a Atacar
Nº 237: Contrastes
Nº 236: O Sonho Acabou
Nº 235: Efêmero Demasiado Efêmero
Nº 234: Última Paixão
Nº 233: Contus Interruptus
Nº 232: Os Atores
Nº 231: Entre Coxias
Nº 230: Lançamento de Livros
Nº 229: A Dignidade dos Irracionais
Nº 228: Pena, Pena, Pena
Nº 227: Caros Amigos
Nº 226: Cartas Antigas
Nº 225: O jovem que queria ser velho
Nº224:O menino que não queria ser gente
No 223: Epílogo & Prólogo
No 222: O Deus dos Animais
No 221: Da Caderneta Preta
No 220: O Prisioneiro da Vigília
No 219: A Escalvada
No 218: O Muro
No 217: O Prisioneiro do Sonho
No 216: Jornal/ego - 7/70
No 215: Eros e as Musas
No 214: Um Sujeito Muito Estranho
No 213: O Lirismo dos Besouros
No 212: Tema de Gaia
No 211: Exa. Revma., Excomungai-me
No 210: Até Tu Brutus!
No 209: Cegueira Paradigmática
No 208: Dos Poemas Impublicáveis
No 207: Países Baixos
No 206: Que Delícia de Crise!
No 205: Assim se Passaram os Anos
No 204: Humano, Demasiado Humano
No 203: O Brasil vai virar Bolívia
No 202: Ensaio s/ a Cegueira e a Lucidez
No 201: ¿Por qué no Hablar?
No 200: O Tempo não se Bloqueia
No 199: Relatos de uma Viagem
No 198: O Tempo Bloqueado
No 197: Tempos do Futebol
No 196: Por um Tempo Ecológico
No 195: Pesos e Medidas
No 194: O Fascínio da Literatura
No 193: Bom Apetite
No 192: O Mural
No 191: Retrato de Mulher
No 190: Tempo, Tempo, Tempo, Tempo
No 189: Existencialismo Caboclo
No 188: Danação
No 187: Saga
No 186: Redenção
No 185: Por que não Callas?
No 184: Destino
No 183: O Frade Ateu
No 182: O Retrato do Artista
No 181: O Retrato de minha Mãe
No 180: O Retrato de meu Pai
No 179: Mensagem de Fim de Ano
No 178: O Admirável Mundo Wiki
No 177: O Futebol da Integração
No 176: O Ser Obscuro
No 175: Uma Mulher e Uma Mulher
No 174: Um Homem e Um Homem
No 173: Cidadela Sitiada
No 172: Uma Mulher e Um Homem
No 171: Literatura de Apoio
No 170: Porque nao sou Religioso
No 169: Um Homem e Uma Mulher
No 168: Fogo Vivo
No 167: O Contrato Social
No 166: Humana Humildade
No 165: Espelho em Mosaico
No 164: Colcha de Retalhos
No 163: Infância
No 162: O DNA do Petróleo
No 161: Amor Ponto com Ponto br
No 160: O Moderno é Antigo
No 159: "Big Brother"
No 158: Nongentésimo Nonagésimo Nono
No 157: A Morte é para Todos
No 156: O Velório
No 155: Movimento dos Sem-Chapéu
No 154: Xarás
No 153: Amigo
No 152: Madame Hummingbird
No 151: Morte e Vida Severina
No 150: Capitalismo Global
No 149: Na Ponta da Língua
No 148: Pelas Costas do Cristo
No 147: Moral da História
No 146: Antes do Antes e Depois do Depois
No 145: Cerimônia do Adeus
No 144: Ode ao Sono
No 143: Ideologias
No 142: Reminiscências
No 141: Fé Demais & Pouca Fé
No 140: Biocombustíveis
No 139: Quarto de Despejo
No 138: Pavana para um irmão
No 137: Anorexia Eleitoral
No 136: O Mundo é um Moinho
No 135: Habitantes de Bagdá
No 134: Sonata ao Sol
No 133:Bodas de Jacarandá
No 132: Assim também não!
No 131: Reflexões Gasosas
No 130: Vovó Maluca
No 129: De Causar Espécie
No 128: Lula vai Raspar a Barba
No 127: O Pregoeiro de Itapoã
No 126: A República dos Sonhos
No 125: O’
No 124: Rio de Fevereiro
No 123: Seu Boiteux
No 122: Loquacidade Onírica
No 121: Os perigos da literatura
No 120: Entre o céu e a terra
No 119: Globanalização
No 118: Nojo e Luto
No 117: Meu Caso com a Super Star
No 116: Da informação. Do conhecimento. Da sabedoria.
No 115: O Último Tango
No 114: Pelo Sim pelo Não
No 113: Curriculum Vitae
No 112: Eterna Idade
No 111: Guanabara
No 110: Corrupção, Corruptos e  Corruptores
No 109: Quem tem medo de MRS. Dalloway
No 108: O Equilibrista na Corda Bamba
No 107: Conto no Ar
No 106: Divagações Amazônicas
No 105: O Espírito Santo vai virar Bolívia
No 104: "Tristes Trópicos"
No 103: Super-Heróis
No 102: Ilusões Perdidas
No 101: Praia das Virtudes
No 100: Sem
No 99: Brainstorming
No 98: Il Papa Schiavo
No 97: Samba-Enredo
No 96: Decamerão
No 95: Comentários Econômicos
No 94: Batismo Laico
No 93: Boa Convivência
No 92: Tsunamis
No 91: O Drama Do DNA
No 90: Natureza Viva
No 89: Educação Sentimental
No 88: Transbordamentos e Pressentimentos
No 87: A Volta e a Volta de Washington Luiz
No 86: Eros & Onã
No 85: A Viagem
No 84: Soy Loco por ti America
No 83: Mote (I)
No 82: ACRE Telúrico e Emblemático
No 81: Bigode
No 80: Golpes Cruzados
No 79: Rio de Julho e Agosto
No 78: Estado Pequeno Grandes Empresas
No 77: Dinossauro
No 76: Vida Leva Eu
No 75: Quando pela Segunda Vez Lula Treme na Base
No 74: Quotas? Sou Contra!
No 73: Indignação
No 72: O Outro
No 71: Memórias Postumas
No 70: A Outra
No 69: Ave-Maria
No 68: O Enxoval
No 67: Satã e Cristo
No 66: O Buquê
No 65: Belo Horizonte 2
No 64: Belo Horizonte
No 63: O Dia Que Nunca Houve Nem Haverá
No 62: Eletra Concreta
No 61: Motim A Bordo
No 60: O Sul do Mundo
No 59: Conto de Ano-Novo
No 58: O Capelão do Diabo
No 57: Um Ano-Lula
No 56: Conto de Natal
No 55: Desemprego
No 54: Inflação
No 53: O Tempo Poetizável
No 52: Pendão da Esperança
No 51: O Terrorista de Itapoã
No 50: Vícios
No 49: Nós
No 48: Discurso
No 47: Especulação Retrospectiva
No 46: Meu Tipo Inesquecível
No 45: Especulação Prospectiva
No 44: Branquelinha
No 43: Cara a Cara Carioca
No 42: Aquiri
No 41: Iá! Ó quem vem lá!
No 40: O Guardião
No 39: Questão de gênero
No 38: O Fescenino Papalvo
No 37: Imigrações
No 36: A Vigília e o Sono
No 35: O Novelo da Novela
No 34: O Pianista
No 33: Fast Love
No 32: O Nada
No 31: Movimento
No 30: Bagdá
No 29: Literatura
No 28: Estações
No 27: Conto do Vigário
No 26: Cenas da Infância
No 25: FHC.
No 24: Fazendo Chover
No 23: Fênix.
No 22: Operação Segurança
No 21: O Mundo Encantado da Loucura
No 20: O Mundo Encantado da Velhice
No 19: O Mundo Encantado da Infância
No 18: O Povo no Poder
No 17: Monteiro Lobato
No 16: Álcool Revisitado
No 15: Ficção ou Realidade
No 14: Analfabetismo
No 13: De Cabeça para Baixo
No 12: Candidatos e Partidos
No 11:Ao Fundo Novamente
Extra: Acre Doce
No 10: Jacques
No 9: Carta ao Professor N.
No 8: Viagem a Outro Mundo
No 7: do Prazer
No 6: Os Fins e os Meios
No 5: O Tempo da Memória
No 4: A Mulher do Romualdo
No 3: Voto Aberto
No 2: Malvadezas
No 1: O Sequestro
O Autor
Download
Favoritos

   

ANO IX - N° 275, em 30 de abril de 2011.

 

Crônica do absurdo

  

ESPERANDO GODOT

 

            Ouvi dizer que o neologismo Godot, do nome da peça de Samuel Beckett, que aqui tomo emprestado, vem da junção da palavra God, Deus em inglês, e Charlot, como é conhecido em francês o personagem Carlito de Charles Chaplin. A interpretação sobre o nome Godot é, no entanto, polêmica, pois, se quisermos fechar um único significado, isso vai trair o espírito do texto, que dá ao leitor/espectador a possibilidade de ter um sentido próprio, que ele mesmo concebe, à peça.  Beckett é conhecido como autor do “teatro do absurdo”, embora ele não concordasse com esse rótulo.  

            Dito isso, escrevo sob a influência escancarada do que estou lendo nas Obras Completas de Jorge Luis Borges, tentando adaptar-me tanto à forma quanto ao conteúdo do escritor argentino. A propósito, os quatro volumes dessa obra (em português) ficam me namorando empoleirados na estante do meu escritório à espera de um momento, como o atual, quando não tenho romances para ler. O romance é o gênero de literatura de minha preferência. Aproveito o ensejo que me proporciona a falta de romances à mão, que sempre me esperam em fila indiana, para ler outros gêneros literários. A fila extinguiu-se temporariamente. Estou liberado para outras leituras. Isso é muito bom quando a alternativa é Borges.  

O interessante é que esse autor, notabilizado como um dos maiores literatos da atualidade, nunca escreveu um único romance. Somente ensaios, poemas, crônicas, artigos curtos e contos. Assim como eu; só que quem nasce para Jornalego não chega jamais aos píncaros borgianos. 

Vamos ao que interessa para efeito deste artigo. Num texto do Borges, intitulado Ragnarök (do livro O Fazedor, 1960) ele conta numa crônica, um sonho, em que os personagens, inclusive o sonhador, ao final, sacam os pesados revólveres (de repente houve revólveres no sonho) e alegremente dão morte aos Deuses.  

Segundo o Google, na mitologia nórdica, Ragnarök (do nórdico antigo “destino final dos deuses”) é uma série de eventos, incluindo uma grande batalha anunciada para, por fim, resultar na morte de um número de figuras importantes (incluindo os deuses Odin, Thor, Týr, Freyr, Heimdallr e Loki). E mais: conta a ocorrência de vários desastres naturais e a submersão subsequente do mundo em água (tal qual o dilúvio contado da Bíblia). Ragnarök é um evento importante no cânone nórdico e tem sido tema de discursos acadêmicos e teóricos.  

Por aí sigo eu. A humanidade não prescinde de emoções, ilusões e esperanças benfazejas que lhe minorem as dores do viver neste vale de lágrimas. As religiões, desde muito tempo, preenchem essa necessidade. Contudo, além de assim procederem, usam fantasiosos argumentos tanto para explicar o passado quanto para acenar com mirabolantes futuros e promessas. Como exemplo do primeiro grupo: a criação do Universo e do nosso mundo, e a dos seres humanos e da vida em nosso planeta. Para o segundo grupo prometem a remissão dos pecados, a ressurreição dos mortos, a reencarnação ou a vida eterna na glória dos deuses. Sem contar os processos de cura e os vários milagres apregoados para encher o presente. Com pequenas diferenças esse é o discurso de quase todas as religiões.  

Na minha visão um engodo, uma mistificação, obscurantismo.  

As pessoas necessitam de um amparo, vá lá, espiritual, para viver. Mas as religiões vão além. Compreendo as religiões como expedientes comportamentais das pessoas, o que não deveria passar pelos exageros de que lançam mão. 

O ser humano cultua o misticismo, adora cerimônias, muito exploradas nas liturgias religiosas. Gostaria de ver tais necessidades realizadas fora do âmbito religioso, por exemplo, no âmbito da arte, que é uma forma de exercer a espiritualidade (não necessariamente no sentido religioso com que vem sendo usado esse termo). O que também serve para elevar o espírito para patamares acima de nosso comum viver e sentir emoções, algumas ilusões poéticas, românticas, visuais, amorosas, enfim dar o colorido necessário às nossas vidas, sem apelar para a mistificação (podendo inclusive se valer do místico). 

É o caso da literatura, do cinema, do teatro, da poesia, das artes plásticas, da música, da dança, da pintura e de tantas e variadas formas de arte. Do lúdico ao onírico. 

Temos dois exemplos populares muito importantes nesse sentido para o caso brasileiro. O carnaval, principalmente o espetáculo das escolas de samba, e o futebol. São provas da cultura do povo que podem fazer com que se sublimem suas inquietações pessoais por meio desses eventos. 

As cerimônias religiosas têm muito a ver com teatro. Não há um limite rígido entre o que seja teatro e o que seja cerimônia religiosa. Haja vista as encenações sobre a morte de Cristo durante a Semana Santa e as multidões que as prestigiam, não muito diferentes das que assistem aos cultos religiosos no mesmo período. 

A arte, quando engana, como é o caso da ficção, não esconde que está criando uma outra realidade, um mundo possível. Essa realidade, normalmente, retrata a realidade sensível. Não há empulhação nem tampouco fuga. Essa realidade ficcional leva o espectador, leitor etc. a conhecer e julgar sua própria realidade quando retornar desse plano artístico, reparador e benéfico para a vida prática. 

Na minha avaliação, certas manifestações e acontecimentos sociais poderiam muito bem dispensar o lado religioso das cerimônias. É verdade que, quem optar pelas liturgias religiosas que o faça, e estamos conversados.  

Recentemente, fui a um casamento espetacular. A cerimônia foi presidida pelo padrasto da noiva que se saiu muitíssimo bem. Houve entrada triunfal dela no recinto, o noivo estava esperando ao lado da mesa condutora dos trabalhos. Houve hino nupcial, flores jogadas sobre os nubentes, discursos poéticos e os prosaicos aconselhamentos aos noivos, entrega solene das alianças, juramentos de amor eterno (enquanto durar, naturalmente) e o consentimento formal mútuo de se unirem, constituindo família, não faltando nem mesmo a fala tradicional: “eu os proclamo marido e mulher”. Implícito estava a admissão sutil: “até que a vida os separe”. Logicamente isso além da cerimônia de registro civil que pode ser concomitante. Seguiu-se uma ruidosa festa. 

            Termino este número reproduzindo um texto do livro Outras Inquisições, de 1952, encontrado ao final do artigo intitulado A Muralha e os Livros do mesmo Borges. Abre aspas: Pater (?), em 1877, afirmou que todas as artes aspiram à condição da música, que é apenas forma. A música, os estados de felicidade, a mitologia, os rostos trabalhados pelo tempo, certos crepúsculos e certos lugares querem dizer algo, ou algo disseram que não deveríamos ter perdido, ou estão prestes a dizer algo; essa iminência de uma revelação, que não se produz, é talvez o fato estético. Feche aspas. 

            A religião mente ao afirmar o que aconteceu e o que acontecerá, com certezas plenas e dogmáticas que incute na mente dos seus seguidores. A arte não. E Borges diz isso na frase anterior. A iminência da revelação não se produz no contexto artístico e, termina ele, talvez aí resida o fato estético por excelência. As religiões “revelam”, são objetivas; as artes sugerem, são subjetivas. “A máquina do mundo é complexa demais para a simplicidade dos homens” (citação do Borges, em artigo intitulado Inferno, 1, 32, do livro O Fazedor já mencionado). Talvez aquela numeração após o título se refira aos versos de Dante na Divina Comédia.  

            A frase que aparece acima entre aspas também sugere uma necessidade do gênero humano que o leva à religião, a facilidade de ter respostas precisas, claras, simples, sobre o complexo fenômeno humano e o Universo, mesmo que não se tenha nenhuma comprovação. Como se sabe isso é conhecido como o mistério inefável da fé. 

            Enquanto isso continuamos esperando, esperando, esperando Godot, seja lá o que isso represente para cada um de nós.  

 

Nota: Leia ou releia os números anteriores citados a seguir.

Basta clicar sobre os títulos na relação à esquerda.

N° 253 – Fé e Razão

N° 262 – Fé e Crendice  

 

Genserico Encarnação Júnior, 71 anos.

Itapoã, Vila Velha (ES).

jornalego@terra.com.br

www.ecen.com/jornalego

 

 

 

                                          Hit Counter