Jornalego

 

Página Inicial
N° 360: O Presente é o Futuro
N° 359: Nave/ave partindo
N° 358:Sua Eminência Reverendíssima
N° 357: Não Dito
N° 356: Memórias de um Leitor
N° 355: Assim se passaram doze anos
N° 354: Ron Mueck
Nº 353: Fúria
Nº 352: Porta-vozes
Nº 351: Um filme e um livro
Nº 350: Bakhtin etc.
Nº 349: Boas Fadas Há
Nº 348: Uma História Incrível
Nº 347: Carta de Alforria
Nº 346: Pretérito mais-que-perfeito do futuro
Nº 345: 1930-1946-1964-1988 - V
Nº 344: 1930-1946-1964-1988 - IV
Nº 343: 1930-1946-1964-1988 - III
Nº 342: 1930-1946-1964-1988 - II
Nº 341: 1930-1946-1964-1988 - I
Nº 340: Especulações Conceituais
Nº 339:Discurso de Despedida
Nº 338: Plebiscitando-me
Nº 337: Francisco
Nº 336: Economia Política
Nº 335: Roda Viva
Nº 334: Eduardo e Mônica
Nº 333: Surfando a Onda
Nº 332: Bodas de Ouro
Nº 331: Gritos do Desassossego
Nº 330: O Papa e o Passarinho
Nº 329: O Tempo Redescoberto
Nº 328: Grifos do Desassossego
Nº 327: Desovando Poemas
Nº 326: O Sobrado Assombrado
Nº 325: Amor
Nº 324: A Realidade da Ficção
Nº 323: Explosões de Catedrais
Nº 322: Rendez-vous com Papai Noel
Nº 321: Nas Cordas da Minha Lira
Nº 320: Sessão de Teologia
Nº 319: Eros e Tanatos
Nº 318: A Caixa de Pandora
Nº 317: Sísifo
Nº 316: Prometeu
Nº 315: Novos Contos de Minha Autoria
Nº 314: Os Contos de Minha Lavra
Nº 313: Comparações Espúrias
Nº 312: Ainda com Ulysses
Nº 311: Ainda na Estrada
Nº 310: Na Estrada com Ulysses
Nº 309: Com Ulysses na Estrada
Nº 308: Doca
Nº 307: Melancolia
Nº 306: Amor de Novo
Nº 305: A Maldição de Ateneu
Nº 304: Barba em Cara de Pau
Nº 303: Admirável Mundo Novo
Nº 302: A Doutrina Kissinger
Nº 301: Poesia Moderna
Nº 300: Jornalego Dez Anos
Nº 299: Catecismo Capitalista
Nº 298: Alegria do Palhaço
Nº 297: Chinatowns
Nº 296: China
Nº 295: Os ginecologistas também amam
Nº 294: A Sétima Arte
Nº 293: Sexo Complexo com Nexo
Nº 292: O Legado de Apolônio
Nº 291: Empregos & Portões
Nº 290: Dodora
Nº 289: Envelhecer é para Macho
Nº 288: Borges, Swedenborg e Eu
Nº 287: O Mistério da Rua Pera
Nº 286: Ódio
Nº 285: Despojamento
Nº 284: Contestando o Senso Comum
Nº 283: Os Sobreviventes
Nº 282: Ode às Primaveras
Nº 281: Cinema
Nº 280: Platônico, Virtual, Onírico
Nº 279: Até que a morte os separe
Nº 278: O Socialista e a Socialite
Nº 277: Frio
Nº 276: Osama x Obama
Nº 275: Esperando Godot
Nº 274: Sarah Vaughan em Vitória
Nº 273: Assino em Baixo
Nº 272: Horror! Horror!
Nº 271: O Dia da Minha Morte
Nº 270: Folhetim - V - Final
Nº 269: Folhetim - IV
Nº 268: Folhetim - III
Nº 267: Folhetim - II
Nº 266: Folhetim - I
Nº 265: Onírica
Nº 264: Mingau
Nº 263: O Haiti é Aqui
Nº 262: Fé e Crendice
Nº 261: Reflexões ao Espelho
Nº 260: Meu Mulato Inzoneiro
Nº 259: Coetzee
Nº 258: A Solidão do Apolônio
Nº 257: O Candidato Ideal
Nº 256: Amazônia Amada Amante - II
Nº 255: Amazônia Amada Amante - I
Nº 254: Crônica, Livro, Sonho e
Nº 253: Fé e Razão
Nº 252: Vida que te quero Viva
Nº 251: Libertadores da América
Nº 250: Tema do Traidor e do Herói
Nº 249: Apanhador no Campo de Centeio
Nº 248: DNA Guerreiro
Nº 247: Brasília, Brasil
Nº 246: Cecília e Eu
Nº 245: O Fado de Fausto
Nº 244: Gnaisse Facoidal
Nº 243: Histórias Hilárias
Nº 242: Tia Amélia
Nº 241: Mensagens do Além
Nº 240: Vocação
Nº 239: Socialismo pela Culatra
Nº 238: Apolônio Volta a Atacar
Nº 237: Contrastes
Nº 236: O Sonho Acabou
Nº 235: Efêmero Demasiado Efêmero
Nº 234: Última Paixão
Nº 233: Contus Interruptus
Nº 232: Os Atores
Nº 231: Entre Coxias
Nº 230: Lançamento de Livros
Nº 229: A Dignidade dos Irracionais
Nº 228: Pena, Pena, Pena
Nº 227: Caros Amigos
Nº 226: Cartas Antigas
Nº 225: O jovem que queria ser velho
Nº224:O menino que não queria ser gente
No 223: Epílogo & Prólogo
No 222: O Deus dos Animais
No 221: Da Caderneta Preta
No 220: O Prisioneiro da Vigília
No 219: A Escalvada
No 218: O Muro
No 217: O Prisioneiro do Sonho
No 216: Jornal/ego - 7/70
No 215: Eros e as Musas
No 214: Um Sujeito Muito Estranho
No 213: O Lirismo dos Besouros
No 212: Tema de Gaia
No 211: Exa. Revma., Excomungai-me
No 210: Até Tu Brutus!
No 209: Cegueira Paradigmática
No 208: Dos Poemas Impublicáveis
No 207: Países Baixos
No 206: Que Delícia de Crise!
No 205: Assim se Passaram os Anos
No 204: Humano, Demasiado Humano
No 203: O Brasil vai virar Bolívia
No 202: Ensaio s/ a Cegueira e a Lucidez
No 201: ¿Por qué no Hablar?
No 200: O Tempo não se Bloqueia
No 199: Relatos de uma Viagem
No 198: O Tempo Bloqueado
No 197: Tempos do Futebol
No 196: Por um Tempo Ecológico
No 195: Pesos e Medidas
No 194: O Fascínio da Literatura
No 193: Bom Apetite
No 192: O Mural
No 191: Retrato de Mulher
No 190: Tempo, Tempo, Tempo, Tempo
No 189: Existencialismo Caboclo
No 188: Danação
No 187: Saga
No 186: Redenção
No 185: Por que não Callas?
No 184: Destino
No 183: O Frade Ateu
No 182: O Retrato do Artista
No 181: O Retrato de minha Mãe
No 180: O Retrato de meu Pai
No 179: Mensagem de Fim de Ano
No 178: O Admirável Mundo Wiki
No 177: O Futebol da Integração
No 176: O Ser Obscuro
No 175: Uma Mulher e Uma Mulher
No 174: Um Homem e Um Homem
No 173: Cidadela Sitiada
No 172: Uma Mulher e Um Homem
No 171: Literatura de Apoio
No 170: Porque nao sou Religioso
No 169: Um Homem e Uma Mulher
No 168: Fogo Vivo
No 167: O Contrato Social
No 166: Humana Humildade
No 165: Espelho em Mosaico
No 164: Colcha de Retalhos
No 163: Infância
No 162: O DNA do Petróleo
No 161: Amor Ponto com Ponto br
No 160: O Moderno é Antigo
No 159: "Big Brother"
No 158: Nongentésimo Nonagésimo Nono
No 157: A Morte é para Todos
No 156: O Velório
No 155: Movimento dos Sem-Chapéu
No 154: Xarás
No 153: Amigo
No 152: Madame Hummingbird
No 151: Morte e Vida Severina
No 150: Capitalismo Global
No 149: Na Ponta da Língua
No 148: Pelas Costas do Cristo
No 147: Moral da História
No 146: Antes do Antes e Depois do Depois
No 145: Cerimônia do Adeus
No 144: Ode ao Sono
No 143: Ideologias
No 142: Reminiscências
No 141: Fé Demais & Pouca Fé
No 140: Biocombustíveis
No 139: Quarto de Despejo
No 138: Pavana para um irmão
No 137: Anorexia Eleitoral
No 136: O Mundo é um Moinho
No 135: Habitantes de Bagdá
No 134: Sonata ao Sol
No 133:Bodas de Jacarandá
No 132: Assim também não!
No 131: Reflexões Gasosas
No 130: Vovó Maluca
No 129: De Causar Espécie
No 128: Lula vai Raspar a Barba
No 127: O Pregoeiro de Itapoã
No 126: A República dos Sonhos
No 125: O’
No 124: Rio de Fevereiro
No 123: Seu Boiteux
No 122: Loquacidade Onírica
No 121: Os perigos da literatura
No 120: Entre o céu e a terra
No 119: Globanalização
No 118: Nojo e Luto
No 117: Meu Caso com a Super Star
No 116: Da informação. Do conhecimento. Da sabedoria.
No 115: O Último Tango
No 114: Pelo Sim pelo Não
No 113: Curriculum Vitae
No 112: Eterna Idade
No 111: Guanabara
No 110: Corrupção, Corruptos e  Corruptores
No 109: Quem tem medo de MRS. Dalloway
No 108: O Equilibrista na Corda Bamba
No 107: Conto no Ar
No 106: Divagações Amazônicas
No 105: O Espírito Santo vai virar Bolívia
No 104: "Tristes Trópicos"
No 103: Super-Heróis
No 102: Ilusões Perdidas
No 101: Praia das Virtudes
No 100: Sem
No 99: Brainstorming
No 98: Il Papa Schiavo
No 97: Samba-Enredo
No 96: Decamerão
No 95: Comentários Econômicos
No 94: Batismo Laico
No 93: Boa Convivência
No 92: Tsunamis
No 91: O Drama Do DNA
No 90: Natureza Viva
No 89: Educação Sentimental
No 88: Transbordamentos e Pressentimentos
No 87: A Volta e a Volta de Washington Luiz
No 86: Eros & Onã
No 85: A Viagem
No 84: Soy Loco por ti America
No 83: Mote (I)
No 82: ACRE Telúrico e Emblemático
No 81: Bigode
No 80: Golpes Cruzados
No 79: Rio de Julho e Agosto
No 78: Estado Pequeno Grandes Empresas
No 77: Dinossauro
No 76: Vida Leva Eu
No 75: Quando pela Segunda Vez Lula Treme na Base
No 74: Quotas? Sou Contra!
No 73: Indignação
No 72: O Outro
No 71: Memórias Postumas
No 70: A Outra
No 69: Ave-Maria
No 68: O Enxoval
No 67: Satã e Cristo
No 66: O Buquê
No 65: Belo Horizonte 2
No 64: Belo Horizonte
No 63: O Dia Que Nunca Houve Nem Haverá
No 62: Eletra Concreta
No 61: Motim A Bordo
No 60: O Sul do Mundo
No 59: Conto de Ano-Novo
No 58: O Capelão do Diabo
No 57: Um Ano-Lula
No 56: Conto de Natal
No 55: Desemprego
No 54: Inflação
No 53: O Tempo Poetizável
No 52: Pendão da Esperança
No 51: O Terrorista de Itapoã
No 50: Vícios
No 49: Nós
No 48: Discurso
No 47: Especulação Retrospectiva
No 46: Meu Tipo Inesquecível
No 45: Especulação Prospectiva
No 44: Branquelinha
No 43: Cara a Cara Carioca
No 42: Aquiri
No 41: Iá! Ó quem vem lá!
No 40: O Guardião
No 39: Questão de gênero
No 38: O Fescenino Papalvo
No 37: Imigrações
No 36: A Vigília e o Sono
No 35: O Novelo da Novela
No 34: O Pianista
No 33: Fast Love
No 32: O Nada
No 31: Movimento
No 30: Bagdá
No 29: Literatura
No 28: Estações
No 27: Conto do Vigário
No 26: Cenas da Infância
No 25: FHC.
No 24: Fazendo Chover
No 23: Fênix.
No 22: Operação Segurança
No 21: O Mundo Encantado da Loucura
No 20: O Mundo Encantado da Velhice
No 19: O Mundo Encantado da Infância
No 18: O Povo no Poder
No 17: Monteiro Lobato
No 16: Álcool Revisitado
No 15: Ficção ou Realidade
No 14: Analfabetismo
No 13: De Cabeça para Baixo
No 12: Candidatos e Partidos
No 11:Ao Fundo Novamente
Extra: Acre Doce
No 10: Jacques
No 9: Carta ao Professor N.
No 8: Viagem a Outro Mundo
No 7: do Prazer
No 6: Os Fins e os Meios
No 5: O Tempo da Memória
No 4: A Mulher do Romualdo
No 3: Voto Aberto
No 2: Malvadezas
No 1: O Sequestro
O Autor
Download
Favoritos

JORNALEGO

ANO IV - Nº. 123, em 10 de Março de 2006

Conto

SEU BOITEUX

  “Escrevo para descobrir como terminam as histórias”. (José Eduardo Agualusa, escritor angolano).

            Morávamos, meus pais e quatro filhos homens, com nossos avós maternos enquanto eles viveram. Era uma grande casa assobradada, com um vasto quintal, no Méier, no então Distrito Federal. Ficava numa rua transversal a Dias da Cruz, a artéria principal do bairro por onde transitavam os bondes. Estou naturalmente a falar do Rio de Janeiro alguns anos antes de 1960, quando a capital foi transferida para Brasília. Nossa história começa logo após o fim da Guerra. Em 1945, eu já completara seis anos. Nesse ano nasceu o meu irmão mais novo.

Meu avô era sócio de Castro, Silva & Cia., uma firma importadora e exportadora de secos e molhados, com sede na Rua do Acre, no centro da cidade. Já idoso, havia ficado cego. Afastou-se de sua vida profissional quando a luz lhe começou a faltar. Então, sua distração era ouvir rádio quando estava só. Ouvia tudo, mas só a Rádio Nacional. Usava outro expediente para preencher o tempo que mais à frente relatarei.

Eu já conhecia das visitas à Rua do Acre um antigo empregado da firma, o senhor Carlos Boiteux, também idoso. Pronuncia-se Boatê. Numa época muito difícil para todos, quando da quebra da bolsa de Nova Iorque seguida pelo movimento revolucionário de 1930, fora admitido por meu avô, a quem tinha grande admiração e dedicava-lhe total fidelidade. Quando o velho se recolheu à aposentadoria, ele era encarregado de levar mensalmente, lá no Méier, o demonstrativo das contas dos imóveis do meu avô, administrados pela companhia. Levava também alguns quilos do Café Câmara, produto criado e comercializado pela firma.

  Dos lucros do empreendimento, que foram sempre minguando, davam relato os outros dois sócios do negócio, ora um ora outro, ora Castro ora Silva, meu avô Pinho era a Cia. Até que o negócio parou de apresentar bons resultados, diziam eles, embora a casa continuasse a funcionar a pleno vapor até a década de 60. Assim, as rendas do avô se limitavam aos aluguéis dos imóveis que também iam caindo em termos de poder aquisitivo por causa da inflação, ainda baixa, mas como toda inflação, insidiosa.

 Quando seu Boiteux chegava à nossa casa, invariavelmente de duas em duas semanas, era um acontecimento para meu avô, minha avó e principalmente para nós meninos. A primeira visita se dava em meados do mês, com o dinheiro dos aluguéis do mês anterior. A segunda, ao final do mês, quando trazia as indefectíveis sacolas de café.  Passado algum tempo, ele era o único elo entre o meu avô e o seu negócio, conquistado a duras penas desde o seu desembarque no início do século na Praça Mauá.

 Para entreter o ex-patrão, informava do movimento da firma, da qual era atendente, recebendo, despachando e conferindo o entra-e-sai das mercadorias no grande armazém que se estendia por uns cinqüenta metros além do balcão lateral e do cercado que marcava o escritório, na entrada do prédio. O escritório se duplicava num mezanino de madeira, com acesso por uma escada íngreme, sem corrimão, escondida na parte de trás. O piso da parte superior constituía o teto rebaixado da parte térrea. Lá em cima ficava a contabilidade onde labutava o guarda-livros, na mesa alta de tampo inclinado, sentado num banquinho também alto, a usar na testa a indefectível aba para proteção da vista já gasta da luz forte que emanava da grande lâmpada que pendia sobre sua cabeça.

 Seu Boiteux raramente entrava no espaço do escritório. Seu campo de ação era ao longo do depósito das mercadorias, em cima de estrados de madeira por causa das cheias, o que era freqüente com as chuvas de verão. Sua manobra se estendia até um grande galpão anexo, depois de transposto o exíguo espaço onde existia um banheiro e um tanque, formando um conjunto meio lúgubre e escuro, com suas luzes fracas a balançar penduradas em longos fios, quando, para acendê-las ou para apagá-las, se rodavam as lâmpadas no bocal. As sombras na parede começavam uma dança macabra, inicialmente vigorosa, até aos poucos se quedarem com o fim do vai-e-vem do pêndulo e voltarem a se mexer por conta dos movimentos do sujeito da sombra e não mais da luz que a projetava. Eu não gostava de chegar até lá, tinha medo da umidade e do aparecimento de algum bicho peçonhento. E das sombras na parede.

 Os dias de visita do Seu Boiteux lá em casa eram dias de festa, como insinuei anteriormente. Junto com o café, levava, por conta própria, goiabada cascão de Campos, embalada numa caixinha de madeira presa por grampos, e queijo de bola Palmira. Chegava por volta das dez horas da manhã pelo bonde ou ônibus das linhas que ligavam o centro ao Lins de Vasconcelos. Não era palrador. Falava baixo e pouco, era monossilábico, mas dava conta do seu recado. Enquanto meu avô ainda enxergava, conversava sem encará-lo, com os olhos baixos. Com a cegueira, passeava mais à vontade seus olhos pela casa e pelas pessoas. Eu registrei essa mudança.

 Ficava sempre para o almoço do domingo, quando comia pouco, tomava sua taça de vinho tinto, gostava dos doces caseiros servidos na sobremesa, sorvia o seu Café Câmara e nunca trocava uma palavra com minha avó, sentada à sua frente, à direita do Pinho, na cabeceira. Ele ficava à esquerda do velho, ocupava o lugar da minha mãe que o cedia, deslocando-se para a próxima cadeira. O pai ficava na frente da mãe, e, a seguir, vinham os filhos, sentados dois a dois de cada lado. Saía antes da sesta dos velhos.

 Vovô não era homem de muitas leituras. Foi a cegueira que o fez amante da literatura. E o Seu Boiteux. Este passou também a trazer consigo um livro de sua humilde biblioteca, constituída basicamente de autores portugueses e franceses. Que me lembre, leu Eça, Flaubert e todo Os Lusíadas. Acho que só; já teria sido o bastante para um longo período de leituras. Era quando mais se ouvia a voz de Seu Boiteux, baixinha, quase ao pé do ouvido do meu avô.

 Não sei muito da origem do Seu Boiteux. Ouvi algo a esse respeito: teria nascido no Rio, filho de pai francês e mãe espanhola. As raízes francesas apareciam no nome e nos seus olhos claros. Ao lembrar-me dele, diria agora que se parecia com Jimmy Durante, com seu nariz de batata e uma calvície que escondia com o seu chapéu de feltro. A origem ibérica escapava de vez em quando com algumas expressões espanholas, especialmente quando nos alcunhava de “cornetas” por alguma travessura que praticávamos. O que significava pequenos cornos, diabinhos, e não trompetes ou clarins.

 Sabia de sua vida solitária. Não era casado, não tinha muitos amigos, parentes e muito menos filhos. Morava num quarto de pensão perto do local de trabalho. Uma viúva, também sem filhos, a senhoria, lhe dispensava ótimo tratamento. É tudo o que sei. Dedicava-se a leitura nos seus dias de folga.

 Após a morte do meu avô, minha avó continuou a manter a ligação com a firma dele por meio das visitas do seu Boiteux. Usava sempre, além do chapéu já mencionado, um terno de casimira, grossa para nosso clima. O embrulho de café recendia o aroma do produto. Seu Boiteux, agora sem o seu interlocutor, sempre procurava agradar, ser prestativo, e já trocava algumas palavras com minha avó. Lembro-me dele, fazendo pequenos serviços para ela, como, por exemplo, consertando a tomada do ferro de engomar.

 Continuava a trazer os aluguéis, a goiabada e o queijo, além do café. Nos almoços, continuava sentando à frente da minha avó, ao lado da cadeira vaga do meu avô. De vez em quando levantava o olhar e a ouvia contar algo. Das demais conversas não participava, cravando os olhos no prato. Não sorria nunca, mas sempre apresentava feições risonhas.

 O dia mais significativo destas memórias foi quando nos presenteou com uma bela peça de bacalhau norueguês que há muito tempo não entrava na nossa casa. Nossos pais não tinham renda compatível com aquela iguaria. Sentiu-se feliz e sorridente ao entregar o embrulho nas mãos de minha avó. Foi uma das poucas vezes que o vi sorrir, todo envergonhado com os agradecimentos da velha e a admiração um tanto estridente de minha mãe. Captei o momento mágico.

 Minha avó ficou diabética e depois tuberculosa, foi para o sanatório e nós nos mudamos para Niterói. Nossos pais compraram uma boa casa com o dinheiro da venda dos imóveis do Rio. Íamos aos domingos visitar a vovó. Invariavelmente mamãe acompanhava-se de um ou dois filhos. Atravessei a baía inúmeras vezes com essa finalidade e subíamos até o Silvestre, pelo bondinho de Santa Teresa. Adorava o passeio; detestava o ambiente hospitalar, bem como ver minha linda avó definhando. Soubemos por ela que seu Boiteux a visitava aos sábados à tarde, levando sempre um presentinho, uma guloseima.

 Já crescidinho, resolvi empreender uma visita num desses sábados, especialmente, tenho a confessar, para rever o Seu Boiteux, a quem admirava muito e há muito não via. Fui sozinho, com muitas recomendações de cuidado. Ao adentrar-me no salão em que estava minha avó, com outras três camas ocupadas por mulheres pacientes, separadas por cortinas brancas e leves, vi que ela estava dormindo ou fingindo dormir. Os olhos fechados e a expressão da face era muito serena. Segurando sua mão que jazia ao lado do corpo coberto com um alvo lençol surpreendi o Seu Boiteux. Ao me ver retirou incontinente a sua mão da mão da minha avó levando-a a abrir os olhos e a me saudar com uma voz sumida. Seu Boiteux se mostrava muito constrangido e tinha um ar assustado.

 Conversei com ambos, dei notícias de casa e saí com o Seu Boiteux que me acompanhou calado até as barcas na Praça 15. Foi um passeio mudo. Não trocamos nenhuma palavra.

  Nunca mais tive notícia dele. Nem sequer apareceu nos funerais de minha avó, se é que soube. Forcei o reencontro no exercício desta escrita. Agora, sexagenário, surpreendi-me, ao final desta história, quando só então me dei conta do seu amor platônico por minha avó. Passei em revista o passado e certifiquei-me disso. Foi com grande impacto que senti quando a ficha caiu. Parei um instante. Pensei em não soltar o conto.

             Depois de refletir um pouco terminei o texto que se prestou muito bem para exorcizar o pesado sentimento de uma transgressão que nunca existiu, enchendo-me do leve prazer ao descobrir uma singela e humana história de amor.

 Para Roldão Simas Filho que me deu o mote.

Genserico Encarnação Júnior

Itapoã, Vila Velha (ES)

jornalego@terra.com.br

www.ecen.com/jornalego

     Hit Counter