Jornalego

 

Página Inicial
N° 360: O Presente é o Futuro
N° 359: Nave/ave partindo
N° 358:Sua Eminência Reverendíssima
N° 357: Não Dito
N° 356: Memórias de um Leitor
N° 355: Assim se passaram doze anos
N° 354: Ron Mueck
Nº 353: Fúria
Nº 352: Porta-vozes
Nº 351: Um filme e um livro
Nº 350: Bakhtin etc.
Nº 349: Boas Fadas Há
Nº 348: Uma História Incrível
Nº 347: Carta de Alforria
Nº 346: Pretérito mais-que-perfeito do futuro
Nº 345: 1930-1946-1964-1988 - V
Nº 344: 1930-1946-1964-1988 - IV
Nº 343: 1930-1946-1964-1988 - III
Nº 342: 1930-1946-1964-1988 - II
Nº 341: 1930-1946-1964-1988 - I
Nº 340: Especulações Conceituais
Nº 339:Discurso de Despedida
Nº 338: Plebiscitando-me
Nº 337: Francisco
Nº 336: Economia Política
Nº 335: Roda Viva
Nº 334: Eduardo e Mônica
Nº 333: Surfando a Onda
Nº 332: Bodas de Ouro
Nº 331: Gritos do Desassossego
Nº 330: O Papa e o Passarinho
Nº 329: O Tempo Redescoberto
Nº 328: Grifos do Desassossego
Nº 327: Desovando Poemas
Nº 326: O Sobrado Assombrado
Nº 325: Amor
Nº 324: A Realidade da Ficção
Nº 323: Explosões de Catedrais
Nº 322: Rendez-vous com Papai Noel
Nº 321: Nas Cordas da Minha Lira
Nº 320: Sessão de Teologia
Nº 319: Eros e Tanatos
Nº 318: A Caixa de Pandora
Nº 317: Sísifo
Nº 316: Prometeu
Nº 315: Novos Contos de Minha Autoria
Nº 314: Os Contos de Minha Lavra
Nº 313: Comparações Espúrias
Nº 312: Ainda com Ulysses
Nº 311: Ainda na Estrada
Nº 310: Na Estrada com Ulysses
Nº 309: Com Ulysses na Estrada
Nº 308: Doca
Nº 307: Melancolia
Nº 306: Amor de Novo
Nº 305: A Maldição de Ateneu
Nº 304: Barba em Cara de Pau
Nº 303: Admirável Mundo Novo
Nº 302: A Doutrina Kissinger
Nº 301: Poesia Moderna
Nº 300: Jornalego Dez Anos
Nº 299: Catecismo Capitalista
Nº 298: Alegria do Palhaço
Nº 297: Chinatowns
Nº 296: China
Nº 295: Os ginecologistas também amam
Nº 294: A Sétima Arte
Nº 293: Sexo Complexo com Nexo
Nº 292: O Legado de Apolônio
Nº 291: Empregos & Portões
Nº 290: Dodora
Nº 289: Envelhecer é para Macho
Nº 288: Borges, Swedenborg e Eu
Nº 287: O Mistério da Rua Pera
Nº 286: Ódio
Nº 285: Despojamento
Nº 284: Contestando o Senso Comum
Nº 283: Os Sobreviventes
Nº 282: Ode às Primaveras
Nº 281: Cinema
Nº 280: Platônico, Virtual, Onírico
Nº 279: Até que a morte os separe
Nº 278: O Socialista e a Socialite
Nº 277: Frio
Nº 276: Osama x Obama
Nº 275: Esperando Godot
Nº 274: Sarah Vaughan em Vitória
Nº 273: Assino em Baixo
Nº 272: Horror! Horror!
Nº 271: O Dia da Minha Morte
Nº 270: Folhetim - V - Final
Nº 269: Folhetim - IV
Nº 268: Folhetim - III
Nº 267: Folhetim - II
Nº 266: Folhetim - I
Nº 265: Onírica
Nº 264: Mingau
Nº 263: O Haiti é Aqui
Nº 262: Fé e Crendice
Nº 261: Reflexões ao Espelho
Nº 260: Meu Mulato Inzoneiro
Nº 259: Coetzee
Nº 258: A Solidão do Apolônio
Nº 257: O Candidato Ideal
Nº 256: Amazônia Amada Amante - II
Nº 255: Amazônia Amada Amante - I
Nº 254: Crônica, Livro, Sonho e
Nº 253: Fé e Razão
Nº 252: Vida que te quero Viva
Nº 251: Libertadores da América
Nº 250: Tema do Traidor e do Herói
Nº 249: Apanhador no Campo de Centeio
Nº 248: DNA Guerreiro
Nº 247: Brasília, Brasil
Nº 246: Cecília e Eu
Nº 245: O Fado de Fausto
Nº 244: Gnaisse Facoidal
Nº 243: Histórias Hilárias
Nº 242: Tia Amélia
Nº 241: Mensagens do Além
Nº 240: Vocação
Nº 239: Socialismo pela Culatra
Nº 238: Apolônio Volta a Atacar
Nº 237: Contrastes
Nº 236: O Sonho Acabou
Nº 235: Efêmero Demasiado Efêmero
Nº 234: Última Paixão
Nº 233: Contus Interruptus
Nº 232: Os Atores
Nº 231: Entre Coxias
Nº 230: Lançamento de Livros
Nº 229: A Dignidade dos Irracionais
Nº 228: Pena, Pena, Pena
Nº 227: Caros Amigos
Nº 226: Cartas Antigas
Nº 225: O jovem que queria ser velho
Nº224:O menino que não queria ser gente
No 223: Epílogo & Prólogo
No 222: O Deus dos Animais
No 221: Da Caderneta Preta
No 220: O Prisioneiro da Vigília
No 219: A Escalvada
No 218: O Muro
No 217: O Prisioneiro do Sonho
No 216: Jornal/ego - 7/70
No 215: Eros e as Musas
No 214: Um Sujeito Muito Estranho
No 213: O Lirismo dos Besouros
No 212: Tema de Gaia
No 211: Exa. Revma., Excomungai-me
No 210: Até Tu Brutus!
No 209: Cegueira Paradigmática
No 208: Dos Poemas Impublicáveis
No 207: Países Baixos
No 206: Que Delícia de Crise!
No 205: Assim se Passaram os Anos
No 204: Humano, Demasiado Humano
No 203: O Brasil vai virar Bolívia
No 202: Ensaio s/ a Cegueira e a Lucidez
No 201: ¿Por qué no Hablar?
No 200: O Tempo não se Bloqueia
No 199: Relatos de uma Viagem
No 198: O Tempo Bloqueado
No 197: Tempos do Futebol
No 196: Por um Tempo Ecológico
No 195: Pesos e Medidas
No 194: O Fascínio da Literatura
No 193: Bom Apetite
No 192: O Mural
No 191: Retrato de Mulher
No 190: Tempo, Tempo, Tempo, Tempo
No 189: Existencialismo Caboclo
No 188: Danação
No 187: Saga
No 186: Redenção
No 185: Por que não Callas?
No 184: Destino
No 183: O Frade Ateu
No 182: O Retrato do Artista
No 181: O Retrato de minha Mãe
No 180: O Retrato de meu Pai
No 179: Mensagem de Fim de Ano
No 178: O Admirável Mundo Wiki
No 177: O Futebol da Integração
No 176: O Ser Obscuro
No 175: Uma Mulher e Uma Mulher
No 174: Um Homem e Um Homem
No 173: Cidadela Sitiada
No 172: Uma Mulher e Um Homem
No 171: Literatura de Apoio
No 170: Porque nao sou Religioso
No 169: Um Homem e Uma Mulher
No 168: Fogo Vivo
No 167: O Contrato Social
No 166: Humana Humildade
No 165: Espelho em Mosaico
No 164: Colcha de Retalhos
No 163: Infância
No 162: O DNA do Petróleo
No 161: Amor Ponto com Ponto br
No 160: O Moderno é Antigo
No 159: "Big Brother"
No 158: Nongentésimo Nonagésimo Nono
No 157: A Morte é para Todos
No 156: O Velório
No 155: Movimento dos Sem-Chapéu
No 154: Xarás
No 153: Amigo
No 152: Madame Hummingbird
No 151: Morte e Vida Severina
No 150: Capitalismo Global
No 149: Na Ponta da Língua
No 148: Pelas Costas do Cristo
No 147: Moral da História
No 146: Antes do Antes e Depois do Depois
No 145: Cerimônia do Adeus
No 144: Ode ao Sono
No 143: Ideologias
No 142: Reminiscências
No 141: Fé Demais & Pouca Fé
No 140: Biocombustíveis
No 139: Quarto de Despejo
No 138: Pavana para um irmão
No 137: Anorexia Eleitoral
No 136: O Mundo é um Moinho
No 135: Habitantes de Bagdá
No 134: Sonata ao Sol
No 133:Bodas de Jacarandá
No 132: Assim também não!
No 131: Reflexões Gasosas
No 130: Vovó Maluca
No 129: De Causar Espécie
No 128: Lula vai Raspar a Barba
No 127: O Pregoeiro de Itapoã
No 126: A República dos Sonhos
No 125: O’
No 124: Rio de Fevereiro
No 123: Seu Boiteux
No 122: Loquacidade Onírica
No 121: Os perigos da literatura
No 120: Entre o céu e a terra
No 119: Globanalização
No 118: Nojo e Luto
No 117: Meu Caso com a Super Star
No 116: Da informação. Do conhecimento. Da sabedoria.
No 115: O Último Tango
No 114: Pelo Sim pelo Não
No 113: Curriculum Vitae
No 112: Eterna Idade
No 111: Guanabara
No 110: Corrupção, Corruptos e  Corruptores
No 109: Quem tem medo de MRS. Dalloway
No 108: O Equilibrista na Corda Bamba
No 107: Conto no Ar
No 106: Divagações Amazônicas
No 105: O Espírito Santo vai virar Bolívia
No 104: "Tristes Trópicos"
No 103: Super-Heróis
No 102: Ilusões Perdidas
No 101: Praia das Virtudes
No 100: Sem
No 99: Brainstorming
No 98: Il Papa Schiavo
No 97: Samba-Enredo
No 96: Decamerão
No 95: Comentários Econômicos
No 94: Batismo Laico
No 93: Boa Convivência
No 92: Tsunamis
No 91: O Drama Do DNA
No 90: Natureza Viva
No 89: Educação Sentimental
No 88: Transbordamentos e Pressentimentos
No 87: A Volta e a Volta de Washington Luiz
No 86: Eros & Onã
No 85: A Viagem
No 84: Soy Loco por ti America
No 83: Mote (I)
No 82: ACRE Telúrico e Emblemático
No 81: Bigode
No 80: Golpes Cruzados
No 79: Rio de Julho e Agosto
No 78: Estado Pequeno Grandes Empresas
No 77: Dinossauro
No 76: Vida Leva Eu
No 75: Quando pela Segunda Vez Lula Treme na Base
No 74: Quotas? Sou Contra!
No 73: Indignação
No 72: O Outro
No 71: Memórias Postumas
No 70: A Outra
No 69: Ave-Maria
No 68: O Enxoval
No 67: Satã e Cristo
No 66: O Buquê
No 65: Belo Horizonte 2
No 64: Belo Horizonte
No 63: O Dia Que Nunca Houve Nem Haverá
No 62: Eletra Concreta
No 61: Motim A Bordo
No 60: O Sul do Mundo
No 59: Conto de Ano-Novo
No 58: O Capelão do Diabo
No 57: Um Ano-Lula
No 56: Conto de Natal
No 55: Desemprego
No 54: Inflação
No 53: O Tempo Poetizável
No 52: Pendão da Esperança
No 51: O Terrorista de Itapoã
No 50: Vícios
No 49: Nós
No 48: Discurso
No 47: Especulação Retrospectiva
No 46: Meu Tipo Inesquecível
No 45: Especulação Prospectiva
No 44: Branquelinha
No 43: Cara a Cara Carioca
No 42: Aquiri
No 41: Iá! Ó quem vem lá!
No 40: O Guardião
No 39: Questão de gênero
No 38: O Fescenino Papalvo
No 37: Imigrações
No 36: A Vigília e o Sono
No 35: O Novelo da Novela
No 34: O Pianista
No 33: Fast Love
No 32: O Nada
No 31: Movimento
No 30: Bagdá
No 29: Literatura
No 28: Estações
No 27: Conto do Vigário
No 26: Cenas da Infância
No 25: FHC.
No 24: Fazendo Chover
No 23: Fênix.
No 22: Operação Segurança
No 21: O Mundo Encantado da Loucura
No 20: O Mundo Encantado da Velhice
No 19: O Mundo Encantado da Infância
No 18: O Povo no Poder
No 17: Monteiro Lobato
No 16: Álcool Revisitado
No 15: Ficção ou Realidade
No 14: Analfabetismo
No 13: De Cabeça para Baixo
No 12: Candidatos e Partidos
No 11:Ao Fundo Novamente
Extra: Acre Doce
No 10: Jacques
No 9: Carta ao Professor N.
No 8: Viagem a Outro Mundo
No 7: do Prazer
No 6: Os Fins e os Meios
No 5: O Tempo da Memória
No 4: A Mulher do Romualdo
No 3: Voto Aberto
No 2: Malvadezas
No 1: O Sequestro
O Autor
Download
Favoritos

JORNALEGO

ANO IV - Nº. 117, em 20 de Dezembro de 2005.

Crônica:

MEU CASO COM A SUPER STAR

 Fala-lhes o autor. Dispensei por ora o narrador por me ter causado algum constrangimento em certos contos. Cassei-lhe a palavra. Tomo a mim esse encargo no presente caso.

 Tudo tem a ver com a síndrome de Zuckerman que, segundo Rubem Fonseca, leva o leitor a confundir o personagem com o narrador e este com o autor.

 Quando lancei “O Último Tango” no número 115 do Jornalego, recebi alguns comentários que me davam como o personagem da aventura amorosa ali contada. Não passou pela cabeça dessas pessoas que era uma peça de ficção explorando uma determinada situação, de certa forma comum nas relações humanas.

 Eu seria o protagonista de uma aventura vivida por um senhor viúvo que se apaixonou por uma garota de vida, digamos, airada. Ora vejam só! Tenham paciência! Eu, um senhor circunspecto, a relatar minhas próprias escapadas amorosas por aí! Pode?

 Houve outros pronunciamentos nessa linha. Uma amiga me disse: cada vez mais seus escritos se parecem com você! Lógico que eles têm muito a ver comigo, com o que penso, mas não chega a descrever minhas próprias ações. Ora bolas!

 Seria muito mais fácil ao leitor admitir o meu poder de imaginação e criatividade em tais contos do que pensar que eu fosse capaz de protagonizar essas histórias. Imaginar sim, vivenciá-las jamais. Quem me conhece mais intimamente deveria sacar isso. O que me falta em desenvoltura com as mulheres sobra-me em imaginação. Não me vejo vivendo tais situações e além do mais espalhando por aí minhas eventuais peraltices. É séria a tal da síndrome de Zuckerman! O autor nunca deveria se encontrar, nem sequer ser conhecido dos seus leitores para evitar confusões dessa ordem.

 Mas resolvi tomar uma decisão. Vou contar aqui um caso real. Eu agora quero ver o que vão dizer ao lerem o relato do que se passou comigo na última viagem que fiz ao Rio. Um caso eminentemente verdadeiro. Meu encontro com uma famosa bailarina e atriz.

 Almoçava solitariamente numa mesa interna do Restaurante Hipódromo, na Praça Santos Dumont, no Baixo Gávea. Ao chegar ao final de um alto filé Chateaubriand e do último gole de uma meia garrafa de um tinto chileno, eis que se deu a aparição irradiante da bela estrela.

 O restaurante é uma casa mediana, sem luxo, muito apreciada por artistas. Talvez por causa de sua parte interna que sempre é mais protegida e menos freqüentada do que a varanda. Serve boa comida a bons preços. O estabelecimento fica do outro lado do Jóquei Clube.

 Estava a pensar na morte do bezerro, sentado de costas para a entrada, quando me adentra aquele monumento de mulher. Ao vê-la e reconhecendo-a de imediato, tive um impulso de chamá-la; na realidade exclamei alto e bom som, em admiração, o seu nome. Foi de susto. Os fãs geralmente imaginam que são íntimos de seus artistas favoritos, dada à freqüente exposição de suas imagens na televisão.  

 Ela, que se dirigia para uma mesa mais ao fundo, possivelmente se escondendo da curiosidade pública, estranhou, em princípio, a minha chamada. Depois, deve ter imaginado que pudéssemos nos conhecer de algum lugar. Do interior de São Paulo, por exemplo. Sentou-se simpaticamente à minha mesa explicando que naquele restaurante tinha certeza de encontrar a água gasosa São Lourenço, com alto teor de potássio, recomendada por seu personal trainer para repor os sais minerais despendidos durante os esforços das aulas de ginástica. Bebia diariamente dois litros para segurar o rojão de sua intensa atividade.

 Estava vestida com uma roupa colante de ginástica e uma pequena saia, dessas de enrolar na cintura e fechar com um laço pelos cadarços das pontas. Mas não estava retornando da ginástica. Vinha de sua sessão de psicanálise, o que fazia há mais de dez anos.

 Quando me deu uma chance de falar eu disse da minha admiração por ela, desde seu aparecimento nos palcos do Rio num espetáculo de dança, quando tinha apenas dezessete anos, destacando-se como a maior e principal bailarina do grande elenco.

 Já tinha se convencido de que nós não nos conhecíamos. Bem entendido, ela não me conhecia. Eu a conhecia até demais. Foi explicando minha admiração pela dança, pelo teatro, pelas novelas e filmes, passando por literatura, que ganhei a atenção e a afeição da bela e culta mulher.

 Compartilhando da água mineral, íamos conversando, e eu me sentia empolgadíssimo. Já tinha me apresentado, explicado a razão do meu nome, com todas as particularidades históricas do meu real xará vândalo, minhas origens, formação, atividades, família e ela sempre interessadíssima por tudo.

 Lá para as tantas, depois de me olhar atentamente, referindo-se aos meus lábios: – Como estão sem cor! Ponderei que pudesse ser do nervosismo provocado pelo encontro e também pela falta de melanina, provocada pela exposição à luz solar, sem os requeridos cuidados de proteção na minha juventude. Sem a menor cerimônia aconselhou-me a passar um pouco de batom, ao leve, para maquiá-los e melhorar a aparência. Artista é outra coisa! Acostumados com esse expediente nem se preocupou com meus escrúpulos de macho latino. Procurou o batom em sua grande bolsa e não o encontrou naquela bagunça. Curvou-se por cima da mesa, segurou-me firmemente o queixo e encostou seus lábios nos meus deixando ali uma mancha vermelha que espalhou com os longos dedos da mão esquerda. Ela é canhota. Eu estava totalmente corado. Mas isso foi somente o começo. Que hálito divino!

 Depois, sentindo-se mais ambientada e segura a meu respeito, explicou que eu pareço um pouco, lembro é o termo mais apropriado, o seu pai. A propósito, vinha tratando, entre outras coisas, de certo complexo de Electra, com o seu psicanalista. – Não faria isso que fiz nunca com o meu pai, mas você não é meu pai, só me lembra ele.

 Logo que acabei de tomar um cafezinho e pagar a conta, que incluía três garrafas da São Lourenço, ela me convidou a acompanhá-la ao seu apartamento, no Leblon, onde fazia seus exercícios de alongamento, meditação, relaxamento e considerava o seu tugúrio, ali se refugiava da lida extenuante e pensava na vida. Sua residência mesmo era no Recreio dos Bandeirantes.

 Como eu não sou homem de fugir da raia, pegamos um táxi, admirados pelos circunstantes, especialmente pelo atarantado motorista. Fomos.

 Em lá chegando, a primeira coisa que perguntei foi por seu marido. Ele estava filmando uma novela. Por associação perguntei: você tem celular? Ela respondeu afirmativamente informando, porém, que ao adentrar o seu refúgio desligava imediatamente o aparelho. Lá também não tinha telefonia fixa e somente ela possuía as chaves. – Isto aqui é igual a uma penitenciária de segurança máxima; celulares não têm acesso. Sorriu-me um sorriso de Gioconda.

 Respirei aliviado.

 Para descontrair seus músculos foi conversando e fazendo alguns exercícios de alongamento. Eu apreciava, sentado num sofá, estonteado, aquelas pernas quilométricas a serem repuxadas e contraídas nas mais incríveis posições. Pernas quase do meu tamanho! Vestia agora somente a roupa de ginástica depois de retirada a pequena saia. E falava, falava...

 Foi quando me convidou para participar do relaxamento. Viera exausta do esforço despendido na recente sessão de psicanálise (que, aliás, fora ótima, segundo confidenciou-me). Deitamo-nos num tatame que tomava todo o principal quarto do apartamento com música instrumental em surdina ao fundo.

Não digo mais por que me impede a discrição. Melhor, minha indiscrição tem limites. Contudo posso informar que o nosso colóquio chegou a bom termo, seja lá o que o leitor possa imaginar. Ela deu vazão às suas fantasias e eu estava totalmente satisfeito e relaxado. Antes de sair tomamos (isso mesmo, no plural) uma boa ducha que me deixou pensando como poderia ser o paraíso. Melhor do que isso só tendo muita fé.

 Bom, agora que vou terminando este causo, gostaria de ver a cara daqueles leitores que, por certo, pensarão que estou a fazer ficção. Quando faço ficção eles pensam que é realidade. Agora, que relato um fato real, aposto que não acreditarão nas minhas palavras. Ô raça!

 Desde que comecei a escrever contos meus leitores se deparam com essas encruzilhadas contrapondo a imaginação à realidade. Isso me deixa preocupado devido à necessidade de manter a minha boa reputação moral. Neste caso que ora historio, nem tanto, porque pude massagear o meu ego machista e me sinto confortável, mesmo incorrendo numa pequena indiscrição. Afinal, eu soube respeitar os limites, especialmente salvaguardando a imagem da minha parceira – por pouco não a trato de minha personagem – a quem muito admiro pelo seu talento e beleza. E simpatia. Como é dada, tratável, amável! Que mulher maravilhosa!

 É assim mesmo. Onde se situa o limite entre o real e o fictício? A literatura ensina-nos a conviver com essa situação, que reflete mais fielmente a vida. A única realidade que existe é a ficção. Porque ela se diz ficção e isso é realidade. Por seu lado, a realidade não existe. Cada um tem a sua, produto dos sentidos de cada qual.

 Uma única coisa me intrigou. Foi quando nos despedimos com aqueles prosaicos beijinhos faciais, ela me olhou fixamente nos olhos e apertando uma das minhas escanhoadas bochechas disse: – Você é uma gracinha!

Genserico Encarnação Júnior

Itapoã, Vila Velha (ES)

jornalego@terra.com.br

www.ecen.com/jornalego

     Hit Counter