e&e

Economia & Energia
Ano XVI-No 87
Outubro
/Dezembro 2012
ISSN 1518-2932

e&e  OSCIP

setae.gif (977 bytes)e&e in English

BUSCA

CORREIO

DADOS ECONÔMICOS

DOWNLOAD

OUTROS NÚMEROS

e&e No 87

Página Principal

As Grandes Navegações Portuguesas e a Conquista das Águas Profundas pelo Brasil

Brasil: Energia, Economia e Comércio Externo de Bens

Apoio:

CNPQ

 

Parceria:

 

ecentex

 

http://ecen.com
Vínculos e&e

Veja também nosso suplemento literário

http://ecen.com/
jornalego
 

 

eee87 em pdf

eee87 pdf

Nº 87: Outubro/Dezembro de 2012   

As Grandes Navegações Portuguesas e a Conquista das Águas Profundas pelo Brasil

Maria Malvina Gomes e Souza Bastos*

Sumário

A Conjuntura Europeia à Época dos Grandes Descobrimentos 5

A Expansão Marítima Portuguesa. 15

Antecedentes. 15

Navegar é Preciso. 19

0 Norte da África. 20

Além do Bojador 24

O Legado do Navegador 28

O Golfo da Guiné ou a Vez da Iniciativa Privada. 33

De Tormentas à Boa Esperança ou Volta da Coordenação do Estado. 36

O Caminho das Índias. 43

Viagem de Cabral e a Descoberta do Brasil 47

O Mar sem Fim.. 50

A Tecnologia Náutica Portuguesa. 53

Associação entre o Progresso Marítimo Português e o Empenho do Brasil em uma Conquista Também Pioneira na Exploração de Águas Profundas e do pré-sal 59

Bibliografia. 62

A Conjuntura Europeia à Época dos Grandes Descobrimentos

Nos séculos XV e XVI o Velho Mundo descobriu o Novo. As façanhas náuticas desses duzentos anos levaram os europeus a quase todas as regiões que tinham acesso marítimo, e deram origem a uma nova concepção geográfica do pequeno mundo até então conhecido, centralizado no Mediterrâneo, - Europa, parte do Oriente Próximo, Norte da África - para o mundo como o conhecemos hoje e cuja integridade geográfica fora então revelada.

Não se tratava somente da incorporação de novos continentes e ilhas, cuja descoberta foi muitas vezes fortuita e algumas vezes até inoportuna, mas do contato direto com regiões até então apenas imaginadas. As informações sobre África e Ásia chegavam à Europa graças aos relatos dos viajantes. Eram, no entanto, informes atrasados e, em boa parte, confusos e fantasiosos.

Os europeus não tiveram acesso direto aos relatos dos viajantes árabes, os únicos que poderiam fornecer dados precisos sobre o interior da África e especialmente sobre sua costa oriental. As poucas informações disponíveis foram fornecidas por um grupo de cartógrafos judeus de Maiorca que assinalaram, em mapas do final do século XIV, a localização mais ou menos exata de Tombuctu e dos rios Senegal e Níger, no noroeste do continente negro.

Em compensação, os relatos de viagens à Ásia eram numerosos e detalhados. As descrições criteriosas de Marco Polo gozavam de grande popularidade, eram as mais completas e mais ricas, porém referiam-se ao mundo sino-asiático do final do século XIII, época em que fizera suas viagens. Igual prestígio desfrutavam os relatos de Oderico de Pordenone, outro viajante europeu fascinado pelos costumes e curiosidades chinesas.

A riqueza e a autenticidade dessas obras conviviam, no entanto, em pé de igualdade, com as histórias imaginárias de Sir John Mandeville. Sua descrição de homens com cabeça de cão e cauda atraía tanta atenção e fazia tanto sucesso como as explicações de Marco Polo dos variados usos da “pedra negra” dos chineses. Sem critérios para julgar a veracidade de qualquer notícia, os europeus recebiam a todas com a mesma credulidade. Fidedignas ou fantásticas, todas essas obras desempenharam um papel importante, despertando o interesse pelo Oriente e influindo diretamente sobre o imaginário dos primeiros exploradores.

Se as notícias pitorescas e fantásticas do mundo oriental já excitavam a curiosidade europeia, apresentando-o como terra de exóticos costumes e tesouros fabulosos, o aparecimento de tratados acadêmicos, a partir do século XIII, iria estimular ainda mais a perspectiva de busca do Oriente. Esses tratados, baseados no legado cultural da Antiguidade, forneceriam ao europeu dos séculos XV e XVI dados, nem sempre exatos e muitas vezes contraditórios, porém com os quais poderia arriscar suas primeiras hipóteses.

A ideia da esfericidade da Terra foi amplamente divulgada pelo erudito inglês John Hollywood, em seu livreto De Sphaera Mundi, de tal forma que toda pessoa culta do século XV sabia que o mundo era redondo. Por outro lado, o Imago Mundi do cardeal Pierre d’Ailly, escrito por volta de 1410, apresentava a África rodeada pelo mar, o que abria a possibilidade de acesso ao Oceano Índico pela extremidade sul do continente.

Tanto Hollywood quanto d’Ailly sofreram forte influência de Roger Bacon, cuja obra, datada de 1264, apresentava uma concepção geográfica realmente revolucionária para a sua época e que permaneceu insuperável até pelo menos o final do século XV. Baseando-se em escritores árabes, Bacon acreditava que tanto a África como a Ásia estendiam-se muito ao sul do Equador e, contrariando um preceito muito antigo, advogava ser a zona tórrida uma área habitável.

Essas ideias, surpreendentes para uma Europa que carecia de qualquer dado concreto da real configuração terrestre, chocavam-se, no entanto, com todas as concepções apoiadas na obra de Ptolomeu. Esse egípcio helenizado escreveu, em meados do século II d.C., uma compilação de todo o conhecimento geográfico e cosmográfico do seu tempo. Esse tratado, intitulado Geografia, reapareceu na Europa no século XIII e alcançou indiscutível prestígio nos círculos eruditos nos séculos seguintes.

Ptolomeu, na segunda parte do seu compêndio, composto por uma coleção de mapas, apresentava a África muito mais larga do que na realidade e completamente achatada, a Índia muito pequena, mutilada em quase 50 por cento do seu território; o Ceilão, por outro lado, exageradamente grande; e o sul do continente africano unido ao Sinai, o que fazia do Oceano Índico um mar fechado. Somando-se tudo, o tamanho da Terra resultava 1/4 menor do que na realidade, e essa era a ideia mais popular na Europa.

Não dispondo de meios ou referência segura para avaliar qualquer concepção geográfica, os europeus permaneceram atados ao conservadorismo e obedientes ao princípio do respeito à autoridade estabelecida, marcas ainda salientes do pensamento intelectual dessa época. Além do mais, a ciência dava apenas seus primeiros passos, era muito mais especulativa do que experimental. Sem o hábito da investigação empírica, pouco ou nenhum esforço era feito para contrastar a teoria aos resultados da observação prática. Por isso não é de se estranhar que o cardeal Pierre d’Ailly, um dos maiores geógrafos da época, ao entrar em contato com a obra de Ptolomeu, tenha escrito um segundo livro, o Compendium Cosmographiae, abandonando todas as acertadas ideias do seu primeiro livro e repetindo a cosmografia ptolomaica.

Portanto, às vésperas dos grandes descobrimentos geográficos, a Europa dispunha de ideias confusas, incompletas, às vezes antagônicas, outras vezes imaginárias ou enganosas sobre o resto do mundo, desconhecendo por completo a existência de outras terras que não aquelas genericamente denominadas de índias e que compreendiam a própria índia, a China e o Japão. Perto de realizar os grandes feitos marítimos e de esquadrinhar o mundo, os europeus não possuíam os dados, nem a certeza sobre um mínimo de conhecimentos que pudesse assegurar o sucesso da expansão. Possuíam, no entanto, os motivos.

Por volta do século XV, a Europa já havia alcançado a maturidade econômica. O Mediterrâneo centralizava as relações marítimo-comerciais de um continente cuja produção respondia pelo atendimento da maior parte da demanda, representada por cerca de 60 milhões de consumidores, se levarmos em consideração apenas os países localizados nas suas margens. Os negócios envolviam vultosas transações com produtos alimentícios de primeira necessidade, como cereais, sal, pescado, azeite, vinho e queijo. A esses somava-se o fornecimento de matérias- primas, principalmente lã, cobre, estanho e chumbo, além dos manufaturados, em especial têxteis, armas e armaduras. O norte da Itália apresentava o maior e mais variado nível de atividade econômica, e suas famosas cidades destacavam-se como grandes centros mercantis. Gênova e Veneza eram respeitadas potências navais, e seus barcos circulavam em todos os sentidos, dominando a navegação de cabotagem desde os portos do Mediterrâneo Oriental até a Península Ibérica e daí, ultrapassando o Estreito de Gibraltar, até o Mar do Norte, atingindo a Europa Setentrional. Florença possuía a maior casa bancária da Europa, a dos Médicis, e, junto com Milão, a mais promissora manufatura de exportação.

As dimensões desse mercado cresciam imensamente quando se passava do comércio interno para o externo, e neste se encontrava a origem do predomínio econômico das cidades italianas. Por seu intermédio, a partir do século XIII, os europeus passariam a receber do Oriente algo de muito concreto: mercadorias. Tratava-se, na sua maioria, de especiarias e artigos de luxo, inexistentes na Europa ou de qualidade muito superior, como acontecia com as sedas persas e chinesas quando comparadas com a italiana. Eram artigos raros, procuradíssimos e apenas disponíveis no mercado após vencerem um longo, intrincado e perigoso trajeto do Oriente ao Ocidente, o que, em parte, justificava seus elevados preços. A raridade, o valor e a reconhecida qualidade faziam dessas mercadorias o principal veio do comércio externo europeu, e a demanda insaciável delas era promessa segura de negócios vantajosos e lucros inigualáveis. Daí a invejável prosperidade econômica das cidades italianas, em especial Veneza e Gênova, cuja riqueza advinha do monopólio de oferta desses artigos.

O que havia de sofisticado e exótico no mercado europeu vinha do Oriente. Eram pedras preciosas, como esmeraldas da Índia, safiras e pérolas do Ceilão e rubis de Burma; sedas, damasco e musselinas; ervas medicinais e as famosas especiarias. Este termo genérico referia-se a uma quantidade enorme de produtos, desde os condimentos usados no preparo, aromatização e conservação dos alimentos, até as drogas, tintas, perfumes, cosméticos e unguentos. A variedade era tão grande que um catálogo comercial do século XIV chegou a listar nada menos que 288 especiarias diferentes, entre as quais, onze tipos de açúcares, variadas ceras, borrachas e cola - a goma arábica.

De todas as especiarias, os condimentos eram os mais importantes, mais caros e também os mais difundidos. A pimenta encabeçava a lista dos artigos mais procurados. Vinha do oeste da Índia, e Sumatra produzia a de melhor qualidade. Em segundo lugar aparecia a canela, procedente do Ceilão, seguida da noz-moscada das ilhas de Banda e, por fim, o cravo, produzido exclusivamente nas Molucas. O mais curioso é que o preço elevadíssimo das especiarias, especialmente dos temperos, não impedia seu consumo generalizado, pois, ao contrário das mercadorias de luxo, podiam ser adquiridas em pequeninas quantidades, expediente através do qual se tornavam acessíveis até aos grupos sociais menos favorecidos.

Através desses produtos e do lugar privilegiado que ocupavam na economia ocidental, o Oriente, embora longínquo e misterioso, tornou-se parte integrante do cotidiano europeu. Mais do que qualquer informe literário ou científico, a riqueza prometida pelo comércio de suas mercadorias fomentava a busca de um acesso direto às regiões produtoras. Tratava-se, a um só tempo, de uma necessidade, uma alternativa e um desafio.

Livrar-se dos extorsivos preços cobrados pelos italianos era uma necessidade, e substituí-los no fornecimento desses artigos ao mercado europeu seria a sonhada recompensa de todo o esforço despendido em busca do Oriente. Essa busca impunha somente uma alternativa: a marítima, e esta exigia o enfrentamento dos oceanos.

O Mediterrâneo estava nas mãos dos comerciantes genoveses e venezianos, últimos elos de uma longa cadeia de intermediários, que começava no Extremo Oriente e estendia-se até os portos do Mediterrâneo oriental. Os chineses controlavam o comércio no Pacífico, entregando seus próprios produtos e os da Índia Oriental no porto de Málaca. Daí até a costa leste da Índia, o tráfico ficava nas mãos de indianos, malaios e árabes. Novamente revendidos nos portos de Calicute, Cochim, Cananor e Goa, as mercadorias passavam quase exclusivamente para as mãos de mercadores árabes, que praticamente monopolizavam o comércio desses portos e de todos os outros entre a costa malabar e a África oriental. Obedecendo à periodicidade das monções de noroeste e de sudeste, os árabes cruzavam o Índico e levavam suas preciosas cargas até os portos da Pérsia, da Arábia e das costas leste da áfrica, de onde partiam para o Mediterrâneo, chegando finalmente a Constantinopla, Alexandria, Antioquia, Trípoli e Beirute. Daí até a distribuição por toda a Europa, as mercadorias orientais caíam no bem-estabelecido e bem-guardado monopólio italiano.

Além dessa rota tradicional, não restavam outras senão as que pudessem ser imaginadas sobre o Atlântico. O apetite comercial do velho continente, concentrado na Península Ibérica, transformaria esse oceano, de limite da cultura ocidental em veículo de conquista e poder, abrindo aos europeus os caminhos da supremacia mundial.

A extremidade ocidental da Europa naturalmente avança sobre o Atlântico e, por si só, isso predispunha portugueses e espanhóis a considerar as águas oceânicas nas suas perspectivas de expansão econômica. Caberia a eles a iniciativa da expansão marítima e, pelo menos durante cerca de 70 anos, praticamente em todo o século XV, essa expansão seria um empreendimento exclusivamente português.

A Expansão Marítima Portuguesa

Antecedentes

Em meados do século XIII, os limites geográficos de Portugal encontram-se finalmente definidos. O novo país, o primeiro na Europa a inaugurar uma estrutura política centralizada, prenunciando o absolutismo monárquico, era o resultado de uma luta secular contra o invasor sarraceno, estabelecido na Península Ibérica desde o século VIII.

A guerra contra o árabe havia mobilizado a população ibérica, inicialmente acuada em um ponto qualquer das Astúrias, num esforço que reunia simultaneamente o ardor religioso e a força das armas. O muçulmano não era apenas um invasor, era o infiel, e isso impregnava a espada ibérica de fervor cristão. Cada etapa dessa luta resultava na retomada de uma porção de terra, imediatamente erigida em reino. Era a justa recompensa de guerreiros, alguns estrangeiros, pelos serviços prestados e pelas vitórias conquistadas. Dos séculos X ao XIII, surgiriam na Península os reinos de Leão, Castela, Navarra e Aragão, e a contínua incorporação de uns pelos outros daria origem à Espanha, cuja unificação é tradicionalmente associada ao casamento dos reis católicos, Fernando e Isabel, em 1492. Do primitivo reino de Leão se separaria, em 1139, o Condado de Portugale, embrião ainda da futura nação.

O permanente estado de guerra favorece a formação de uma nobreza, uma casta militar, que se vê continuamente atraída pela luta, e que naturalmente tende a se concentrar em torno do rei, reforçando seu poder. No combate ao infiel, a terra é daquele que a conquista, e tanto o rei tinha por hábito distribuir aos companheiros de armas parte de suas terras, como o guerreiro deveria entregar a ele um quinhão da sua conquista. O patrimônio real, ou seja, nacional, e o privado tinham, portanto, a mesma origem.

O recurso da guerra ao infiel proporcionaria a progressiva expansão do território em direção ao sul, até a conquista definitiva do Algarve, cuja incorporação ao reino, em 1249, marcaria a consolidação de suas fronteiras na Península. Além dos limites então estabelecidos, qualquer tentativa de dilatação territorial implicaria uma guerra contra a Espanha, o que colocaria em risco a nacionalidade tão arduamente conquistada.

Ontem, como hoje, o país estende-se em sentido norte-sul sobre a última faixa de terra da extremidade oeste da Península, o que deixa sua costa ocidental inteiramente banhada pelo Atlântico. Excetuando os habitantes dessa orla marítima, desde o início ocupados com a pesca, Portugal era essencialmente um país de lavradores e assim se manteria até o século XIV. A agricultura monopolizava os investimentos reais, ao mesmo tempo em que proporcionava a maior parte das rendas do Estado. O rei, sempre cioso na cobrança de seus direitos, representados por uma longa lista de variados impostos, era o maior proprietário de terras e de gados. Os produtos da terra - azeite, vinho, cera, cortiça, mel e peles - permitiam um modesto comércio externo, e as indústrias, todas de caráter doméstico, eram apenas aquelas que mais se relacionavam com o meio rural.

A atividade agrícola estava, no entanto, condenada por obstáculos difíceis de serem superados. Uma população que nunca excedia a cota dos 2,5 milhões tornava endêmica a falta de braços no meio rural. Por outro lado, a nobreza lusa nunca chegou a fincar raízes no campo, permanecendo inquieta, belicosa e mais ou menos alheia à necessidade de incentivar a produção interna. Sem o apoio esperado, a política colonizadora levada a efeito pela dinastia de Borgonha - a primeira de Portugal - garantiu a ocupação da terra, porém nunca conseguiu arraigar a nação no solo.

Em pouco tempo, o contínuo crescimento da atividade pesqueira atrairia as atenções do Estado e revelaria a vocação náutica do país. No século XII, os benefícios do tráfico marítimo já haviam promovido a cidade do Porto a importante centro comercial, os barcos portugueses já atingiam as águas do mar do Norte, e as lides do mar já exerciam um forte atrativo sobre a população rural. No século XIII, comerciantes portugueses já contavam com uma feitoria em Bruges - a mais antiga de Flandres - e frequentavam assiduamente os portos britânicos, enquanto a crescente importância do comércio e a constante necessidade de policiamento da costa contra a pirataria moura levariam à instituição definitiva da marinha real.

A elevação da atividade marítima a pólo dinâmico da economia só ocorreria, no entanto, no último quartel do século XIV. A possibilidade de uma indesejada incorporação a Castela, devido a problemas de sucessão na casa de Borgonha, levaria à aclamação do Mestre D. João de Avis como novo rei de Portugal. O movimento, que resultou na ascensão ao trono de um dos mais eminentes armadores do reino, só foi possível com a mobilização e apoio decisivo da empreendedora burguesia lusa, ligada ao comércio externo, e que, a partir daí teria, na chefia do Estado, não só um representante direto dos seus interesses, mas a certeza de uma política nacional de proteção e incentivo ao comércio e à navegação.

A Revolução de Avis de 1383-85 garantia a manutenção da soberania e dava início a uma nova dinastia que, por sua vez, promoveria as condições políticas necessárias à expansão dos negócios náuticos. D. João I, instaurando a segunda dinastia portuguesa - de Avis - daria início à mais admirável expansão marítima e, a partir dos primeiros anos do século XV, ninguém mais duvidaria de que navegar é preciso.

Navegar é Preciso

A economia europeia, abalada pelos graves efeitos da crise do século XIV, ressentia-se da falta de mão de obra, da queda da produção agrícola e do esgotamento das reservas de ouro e prata para cunhagem de moedas. Atingidos em cheio pelos desastrosos efeitos da Peste Negra e da Guerra dos Cem Anos, os países do centro europeu encontravam-se momentaneamente paralisados e o cenário econômico do século XV parecia dominado pela falta de perspectiva de crescimento interno.

Para Portugal, parecia natural buscar as soluções para tais problemas fora do âmbito do continente. Uma investida ao norte da África abriria várias possibilidades e atenderia a outras demandas do reino. O estabelecimento de uma base portuguesa na região poderia significar o acesso ao ouro sudanês e ao etíope, ou a interseção com as rotas comerciais do deserto, fornecedoras de marfim e pimenta.

Com esses produtos, a burguesia lusa poderia ampliar sua área de atuação, passando do tráfico de pescado, vinho e sal para transações maiores e mais lucrativas, arriscando uma primeira participação no ramo dos artigos de luxo do mercado europeu. Daí o incondicional apoio dos comerciantes que, juntamente com o Estado, também viam no Noroeste da África um ponto estratégico importante para a melhor defesa do reino e para um combate mais eficaz à pirataria moura nas costas do Atlântico, o que ampliaria o raio de ação da atividade pesqueira.

Além dessas expectativas econômicas, o Estado pretendia dar nova ocupação à nobreza, abrindo-lhe a possibilidade de novos embates, que rapidamente seriam associados à antiga hostilidade contra o infiel. O caráter militar da empresa desviaria para fora do reino o ímpeto bélico de fidalgos e cavaleiros, até então constantemente envolvidos em distúrbios internos e perigosos conflitos na fronteira. A vitória em novas batalhas poderia render saques, terras, mercês e honrarias.

0 Norte da África

A incursão ao norte da África consumou-se com a conquista de Ceuta em 1415. O feito e a data passaram para a História como marco inicial da expansão marítima portuguesa, inaugurando ao mesmo tempo a Era dos Grandes Descobrimentos.

O ataque à cidade marroquina contou com o apoio e o patrocínio da Coroa, que deixou a cargo do Infante D. Henrique a supervisão dos preparativos. A cidade do Porto forneceu a frota, além do adiantamento em capital, necessário ao custeio das armas e provisões. Do ponto de vista estratégico, a invasão resultou num verdadeiro sucesso: pegos de surpresa, os maometanos ofereceram pouca resistência, e o exército português, que contou com apenas oito baixas, apoderou-se rapidamente da cidade, abrindo espaço para o saque e a rapina. Os despojos foram tão largos que compensaram desde os mais ínfimos soldados até os de mais antiga fidalguia, como o Conde Afonso de Barcelos, membro da casa real, que levou para Portugal mais de 600 colunas de alabastro e mármore. Tudo foi não só saqueado como depredado, fosse estabelecimento comercial ou residências, e qualquer coisa de valor tomada, aí incluindo-se, além de artigos e mercadorias usuais, as joias arrebatadas das mulheres, cortando-se-lhes as orelhas e os dedos.

O sucesso da expedição espalhou-se rapidamente pelo reino e, embora tenham surgido algumas dúvidas sobre as reais vantagens da conservação de Ceuta, a política ultramarina de D. João I foi não só mantida como entregue aos cuidados do seu filho Dom Henrique. Na expansão marítima portuguesa, Ceuta constituiu apenas o estímulo inicial, um primeiro ensaio, um tímido anúncio das conquistas futuras, pois as mesmas razões que haviam determinado seu assalto passariam a exigir o avanço cada vez mais impetuoso sobre a África e o Oceano.

A campanha da África ocuparia os próximos oitenta anos da história do país, cujas melhores energias, concentradas num empreendimento de rara persistência, estiveram até 1460, sob a tutela do Infante D. Henrique. À sua época, os navios portugueses dedicados à pesca já frequentavam as águas entre o Cabo São Vicente, as ilhas Canárias e o litoral atlântico de Marrocos. Todo o mérito do Infante está em ter estendido essa navegação, feita numa costa relativamente pequena, à exploração e conquista, organizando as expedições, patrocinando-as, fixando- lhes objetivos, empregando cavaleiros da sua própria casa como pilotos e também fomentando a iniciativa particular. A sua decidida e perseverante ação transformou os negócios náuticos em empresa estatal, deslocando os objetivos nacionais da terra para o mar. De lavradores, paulatinamente Portugal passava a país de marinheiros.

Em Ceuta, D. Henrique teria conseguido informações sobre os fornecimentos do ouro de Marrocos que, segundo fontes árabes, vinha do interior da África, de Tombuctu, carregado por caravanas de dromedários, através das rotas do deserto. Contornar a estrada árabe, pelo mar, poderia abrir a Portugal o acesso direto às fontes africanas do metal precioso e essa expectativa, associada às necessidades de defesa e a possibilidade de novos contatos comerciais no litoral africano, motivou os primeiros assaltos sobre o Atlântico, em direção ao sul.

Caravanos do Deserto

As Caravanas do Deserto

As tentativas feitas entre 1416 e 1434 foram, no entanto, muito modestas e não passaram de navegação de cabotagem, de viagens de reconhecimento, que não resultaram em nenhuma nova descoberta, mas que serviram para ampliar as noções geográficas e exercitar a náutica, o que acabaria por autorizar tentativas mais atrevidas. Em 1419-20, João Gonçalves Zarco e Tristão Teixeira fazem o reconhecimento oficial de Porto Santo, lá retornando no ano seguinte. As visitas à ilha da Madeira, frequentes a partir daí, já demonstravam uma maior liberdade dos navios em relação à costa. Esse avanço estimulava novas investidas, que, no entanto, não ultrapassavam os 29 graus de latitude norte, nas proximidades do Cabo Bojador, conhecido na época como Cabo do Medo.

 

 

Além do Bojador

Este foi o primeiro grande obstáculo à expansão marítima portuguesa, seja pela grande distância, que impedia o uso de remos, seja pelos ventos contrários que exigiam a volta em mar alto e desconhecido, seja pelas inúmeras superstições e lendas que faziam desse ponto um lugar temido e ameaçador. A proximidade do Cabo e seu contorno eram façanhas a que ninguém se atrevia, pois acreditava-se que ao sul dele as águas ferviam, qualquer região era inabitável, e o oceano, envolto em trevas e varrido por ventos violentos, era morada de pavorosos monstros.

 

'Valeu a pena?
Tudo vale a pena
Se
  a alma não é pequena.

Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu

Fernando Pessoa em Mensagem

Em 1434 o Cabo Bojador é ultrapassado, em resposta à insistência do Infante D. Henrique que, durante 12 anos consecutivos, enviou um navio com a missão específica de contorná-lo. Liberada a navegação, as expedições avançaram rapidamente, abrindo a costa africana a novos interesses. Em 1435, Gil Eanes, sagrado cavaleiro como recompensa por ter vencido o Bojador, e Afonso Gonçalves Baldaia avançam mais 50 léguas além do Cabo e chegam ao lugar que chamaram de Angra dos Ruivos. No ano seguinte, navegando sozinho mais 50 léguas adiante, Baldaia alcança o Rio do Ouro e, em 1441, Antão Gonçalves chega até as proximidades do Cabo Branco, lá encontrando os primeiros artigos para comércio: couro, azeite e peles de focas. Dois outros fatos dariam um destaque especial ao ano de 1441: Nuno Tristão faria em Cabo Branco a primeira caçada e captura de escravos, utilizando em sua viagem, pela primeira vez, a caravela. Foi a bem-sucedida estreia do pequeno navio, que um pouco mais tarde descobriria o mundo.

Cabo Bojador

Esse mesmo Nuno Tristão, em 1443/44, desembarca na ilha de Arguim, descobre a desembocadura do Rio Senegal e explora outro rio, o Gâmbia, onde provavelmente foi morto, em 1446, por um bando de guineanos armados com flechas envenenadas. Dois anos antes, Dinis Dias havia chegado ao Cabo Verde e explorado a ilha das Palmas.

A consolidação desses domínios ocupou os dez anos seguintes, e até 1455 nenhuma nova descoberta foi assinalada. Durante esse período, a ilha de Arguim, situada na curva do Cabo Branco, tornou-se a primeira base europeia do tráfico de escravos, e o verdadeiro rio do ouro, o rio Senegal, daria aos portugueses o acesso direto ao ouro em pó, embora em pequena quantidade. As ambições acalentadas durante tanto tempo teriam no comércio desses dois artigos - escravos e ouro - sua primeira satisfação, e o seu lucro alimentaria a empresa africana durante essa década de intervalo.

Essa pausa, em meados do século, adveio também de outras necessidades. O avanço sobre o litoral africano, em latitudes cada vez mais baixas, apresentava novos problemas técnicos e de abastecimento, cuja solução exigia tempo e aprendizado. A cada légua de costa explorada se somavam novas dificuldades, o que exigiu melhor compreensão e conhecimento dos ventos, das correntes e alguns aprimoramentos técnicos na caravela. Por outro lado, chegando ao rio Senegal, os portugueses aproximavam-se cada vez mais da África central, densamente povoada e, portanto, muito mais difícil de ser abordada do que as costas desérticas, arenosas e desabitadas do Saara ocidental.

 

O Legado do Navegador

As expedições só recomeçaram em 1455, quando Cadamosto ou Antonio da Noli, provavelmente na companhia de Diogo Gomes, descobriu algumas das ilhas do arquipélago de Cabo Verde. No ano seguinte, esse último piloto teria chegado às desembocaduras dos rios Geba e Casamansa e, em 1460, Pedro da Cintra avista as montanhas de Serra Leoa, batizando-as com esse nome. Este seria o ponto máximo alcançado pelas expedições africanas, antes da morte do Infante D. Henrique, ocorrida em 13 de novembro de 1460.

O Navegador

Primeira grande personagem da Expansão Marítima, o Infante, sua personalidade e seus feitos edificaram, na primeira metade do século XV, os alicerces do pioneirismo português. Sua vida esteve sempre tão intimamente associada aos empreendimentos marítimos, que acabaria por receber o cognome de “O Navegador”, sem nunca ter navegado. Cabe a ele a organização, o incentivo e o patrocínio da empresa africana na sua primeira e mais difícil etapa - o início -, quando nada ainda em Portugal, seja em conhecimento, técnica, experiência náutica, comercial ou financeira, deixava entrever os êxitos futuros. Em 1415, quando o Príncipe assume a direção da política ultramarina de D. João I, navios e navegantes lusos igualam-se em tudo, processos, métodos e técnicas aos de outras nações europeias.

Portador de uma vontade obstinada, D. Henrique forçou o alargamento da costumeira navegação de cabotagem, praticada em locais conhecidos, à conquista do litoral africano, buscando latitudes cada vez mais baixas. Nessa busca empregou sua fortuna pessoal, as rendas da mais rica ordem religiosa de Portugal, a Ordem de Cristo, além de eventuais recursos do erário real. O sucessivo apoio de D. João I (1385- 1433), D. Duarte (1433-1438) e D. Afonso V (1438-1481), respectivamente, pai, irmão e tio do Infante, fizeram da campanha da África não só uma empresa familiar mas, acima de tudo, estatal, e que, em breve, identificaria a nacionalidade lusa à conquista dos mares.

Responsável direto pela política ultramarina, D. Henrique manteve o incentivo necessário a todas as iniciativas, reunindo informações, recompensando bem seus pilotos, distribuindo mercês e contratando peritos nautas estrangeiros, comumente italianos, como Cá da Mosto, Antonio da Noli e Usodimore. Seu decidido apoio, aliado aos proveitos econômicos que se iam ampliando do saque ao comércio, atraiu a iniciativa privada que, ao final, foi responsável por mais de trinta e quatro viagens, superando as do Estado.

Tanto nessa época como depois, o progressivo avanço sobre a costa africana nunca esteve dissociado dos ganhos econômicos, e é uma ilusão imaginar que soberanos, armadores, capitães e marinheiros arriscavam-se em mares desconhecidos sem a perspectiva de sólidos lucros. Embora D. Henrique tenha dado à empresa um caráter religioso, encarando as expedições como uma tardia continuação das Cruzadas, eram os lucros comerciais o real incentivo às contínuas investidas. Além do mais, combate ao infiel, captura do gentio para conversão e propagação do cristianismo legitimavam o saque, a pirataria, o assalto e captura de negros para venda como escravos. Nessa perspectiva, que importância tinha o castigo do corpo pela sujeição à escravidão, quando esta era o penhor da salvação eterna?

O retorno econômico da empresa da África não se fez esperar: inicialmente saques e pequeno comércio na costa marroquina; a partir de 1441, o tráfico negreiro e o ouro; a partir de 1447, o marfim e, finalmente, a partir de 1456, a cobiçada malagueta, pimenta similar à indiana e que, embora de menor qualidade, passou a concorrer com esta no mercado europeu. Seria a primeira brecha aberta pelos portugueses no monopólio italiano.

Em 1443 chegava a Portugal o primeiro lote de escravos, 235 peças, das quais coube ao Infante a quinta parte. Desta data até 1448, Portugal recebeu um total de 927 escravos, número que continuaria a crescer, chegando a 700 ou 800 por ano, tornando-se uma fonte segura de lucros. Gradativamente o braço escravo se tornaria uma necessidade no reino, atendendo à demanda rural e preenchendo quase todas as ocupações manuais nos centros urbanos, desde o serviço doméstico até a limpeza das ruas e o abastecimento de água aos domicílios. Rara era a residência de certa abastança que não dispunha de um ou mais escravos. Em verdade, o artigo era tão abundante e seu preço tão convidativo que em breve passaria a ser exportado, preparando-se assim as vias do futuro tráfico internacional. Na região do Senegal, por exemplo, por volta de 1446, 25 a 30 escravos podiam ser adquiridos em troca de um cavalo velho, enquanto que, em 1460, no Congo, um cão podia valer até 22 escravos. Não é de estranhar, portanto, que a licença para apresar o gentio tenha se constituído num dos principais incentivos às expedições marítimas e uma das principais fontes de renda do Estado.

Da África, os empreendimentos do Infante estenderam-se também para o oeste, penetrando no Atlântico em busca de ilhas e arquipélagos. Dos quatro conjuntos principais – Canárias, Madeira, Açores e Cabo Verde – apenas o primeiro ficou sob domínio espanhol. Os demais, descobertos ou redescobertos pelos pilotos henriquinos, acabaram por assumir um papel de destaque na economia do reino, seja pela importância estratégica que permitia portos de escala e aprovisionamento de navios, seja como base de defesa na navegação oceânica de Portugal e manutenção de seu monopólio na costa africana, seja ainda pelas possibilidades agrícolas.

Em 1420, D. Henrique iniciou a colonização da Madeira, lá introduzindo o cultivo da cana-de-açúcar e uma pouco mais tarde a uva da Malvasia, usada para fabricação do famoso vinho, que daquela época a hoje continua sendo o principal produto da ilha. A ocupação sistemática dos Açores começou em 1430, também por iniciativa do príncipe, que determina a introdução do gado e concede terras àqueles que se dispõem a explorá-las, inaugurando, dessa forma, o sistema de capitanias. O arquipélago de Cabo Verde, colonizado também à época do Infante, era frequentemente usado como escala pelos navios que se dirigiam ao Golfo da Guiné.

Em 1460, a empresa africana está definitivamente consolidada e nela já se delineavam as futuras conquistas. Se em 1415 nada distingue a navegação lusa, em 1460 os barcos e os pilotos portugueses são reputados os melhores e a fama de sua perícia atrai o reconhecimento europeu. Em seus últimos anos de vida, é muito provável que o Infante já concebesse um roteiro marítimo para as Índias. Sua morte, no entanto, provocaria uma nova interrupção nos empreendimentos marítimos. Durante cerca de nove anos, apenas duas expedições são realizadas, em 1461-62, resultando num pequeno avanço além de Serra Leoa, feito por Pedro de Cintra, e na descoberta de novas ilhas do arquipélago de Cabo Verde, por Diogo Afonso.

 

O Golfo da Guiné ou a Vez da Iniciativa Privada

Na falta do Infante, a Coroa manteve seu apoio à empresa ultramarina, porém relutava em desembolsar novos capitais para custeio de expedições, tendo em vista as dívidas deixadas pelo príncipe e as dificuldades para reintegrar seu patrimônio ao domínio régio. A solução tentada por D. Afonso V, envolvido com as despesas de um ataque a Tânger em 1463, foi recorrer à iniciativa privada, concedendo o arrendamento da empresa da África a Fernão Gomes, que se comprometia a pagar uma certa renda anual ao Estado e a explorar 100 léguas de costa a cada cinco anos, enquanto durasse o contrato. Excetuando a base de Arguim e as ilhas de Cabo Verde, já ocupadas por colonos portugueses, todo o restante litoral africano ficava entregue à exploração pelo rico burguês de Lisboa.

Durante a vigência do contrato, de 1469 a 1475, os capitães de Fernão Gomes exploraram quase 2 mil milhas de costa, revelando a grande curva do Golfo da Guiné e consolidando o seu tráfico, cujo valor ficava claramente demonstrado na denominação que se ia dando a cada novo trecho do litoral: Costa da Malagueta, Costa do Marfim, Costa do Ouro, Costa do Escravo.

Em 1471, Soeiro da Costa percorreu de uma só vez cerca de mil milhas, de Serra Leoa até o Cabo Três Pontas. A expedição de João de Santarém e Pero de Escobar, de 1471-72, contando com a colaboração dos pilotos Martim Esteves e Álvaro Esteves, avançou até a desembocadura do Níger e, daí, afastando-se do litoral e navegando em linha reta em direção ao sul, descobriu as ilhas de São Tomé (dezembro de 1471), Ano Bom e Príncipe (em janeiro de 1472), ultrapassando pela primeira vez a equinocial. A marinha portuguesa deitava então por terra tanto o antigo preconceito que reputava inabitável a zona tórrida como a fantástica lenda de que no hemisfério Sul o mundo virava de cabeça para baixo.

Provavelmente na expedição de 1472-73, Fernando Pó, seguindo mais 400 km no litoral, descobriu a ilha que levou seu nome. Na última expedição desse período, de 1473-74, Lopo Gonçalves e Rui Cerqueira, percebendo a nova inflexão da costa em direção ao sul, fizeram o reconhecimento do litoral do Gabão até o Cabo de Santa Catarina, a 4 graus de latitude sul, ultrapassando o Equador pela segunda vez.

Abaixo da linha do Equador

Entre 1475 e 1479, os custos e riscos do comércio na costa africana tornaram-se excepcionalmente grandes, devido às implicações de uma nova guerra dinástica entre Portugal e Espanha, cujos embates em mar se davam exatamente pela disputa do comércio africano. Por conseguinte, Fernão Gomes não renova seu contrato, e a empresa da África retorna às mãos do Estado, exatamente em 1475, quando D. Afonso, informado do valor comercial da Guiné, entrega ao filho D. João, futuro rei, a direção da política ultramarina.

Derrotado em terra e vitorioso no mar! A guerra com a Espanha termina com o Tratado de Alcáçovas, de 1479, cujas cláusulas reconhecem o monopólio português da pesca, tráfico e navegação por toda a costa ocidental da África. É o reconhecimento oficial da supremacia náutica portuguesa, que muito em breve seria decididamente empregada por D. João II na sua nova estratégia planetária: a rota marítima para as Índias, contornando o continente negro. A execução desse plano resultou na exploração cuidadosa de, aproximadamente, 4 mil km de costas, que, por sua vez, exigiram o exercício da mais difícil e perigosa das navegações à vela: a navegação à bolina, quando o barco tem que avançar contra ventos ou correntes contrárias.

 

De Tormentas à Boa Esperança ou Volta da Coordenação do Estado

Ao assumir o trono, em 1481, D. João II promoveu uma política ultramarina marcada, simultaneamente, pelas necessidades de regulamentação e defesa do tráfico da Guiné e pela apaixonante busca de uma passagem para o Índico pelo sul da África.

Embora o Tratado de Alcáçovas tenha sido ratificado pelo de Toledo em 1480, a pesca clandestina no litoral marroquino e a pirataria espanhola acabaram por justificar a construção da fortaleza de São Jorge da Mina, em 1482. O formidável forte, construído em tempo recorde - dois anos - e contando com uma guarnição de sessenta homens, deveria dar maior proteção ao comércio da Guiné, cujos principais produtos eram ouro, escravos e pimenta, além de outros secundários: marfim, goma, cera, azeite de palmeira e ovos de avestruz. Além dessa iniciativa, D. João regulamentou cruéis castigos para qualquer estrangeiro pego sem licença em águas africanas e, sem muito resultado, tentaria manter em segredo as informações relativas aos descobrimentos, inclusive evitando que navegantes lusos prestassem serviço no estrangeiro. Alguns cronistas da época relatam, por exemplo, o caso de um piloto desertor que teve a boca costurada com anzóis, enquanto era transferido de volta para Portugal, onde morreu esquartejado.

Às expedições africanas, D. João II daria o caráter definitivo de descobrimentos. Em primeiro lugar proibindo o filhamento: nome dado na época ao rapto de negros para venda como escravos. Embora o caráter de caçada continuasse caracterizando as expedições, sua prática diminuiu muito nesse período e só voltou a predominar mais tarde, no reinado de D. Manuel. Em segundo lugar, regulamentou a posse dos territórios descobertos, ordenando que cada expedição, a partir daí, levasse a bordo um certo número de padrões (pilares) de pedra, nos quais estavam gravadas as armas portuguesas. A fixação desses marcos constituía o ato solene da tomada de posse da terra, cuja propriedade ficava assim documentada.

Pouco mais de seis meses após assumir o trono, D. João II retoma a exploração do litoral africano. Da ação direta do Estado resultou uma série de expedições, financiadas e equipadas pelo erário régio e comandadas por navegantes selecionados entre os melhores do país. No início de 1482, parte do Tejo a primeira expedição, de Diogo Cão, que depois de uma pequena escala em São Jorge da Mina, coloca seu primeiro padrão nas proximidades do Rio Congo. Continuando viagem, a pequena frota chega ao Cabo Santa Maria (ou Cabo Lobo), situado a 13 graus de latitude sul, onde foi colocado o segundo padrão, voltando a Portugal em 1484.

Em sua segunda viagem, cuja partida parece ter sido em 1485, Diogo Cão percorre mais ou menos a mesma rota e, seguindo mais para o sul, alcança o Trópico de Capricórnio, colocando seu último padrão em Cabo Cruz, imediatamente ao norte da Bahia de Walfish, a 22 graus de latitude sul. Na viagem de volta, ele teria feito uma segunda incursão no rio Congo, de onde nunca retornou e onde provavelmente morreu. Em suas duas expedições, o grande nauta havia percorrido mais de 1400 milhas de litoral desconhecido, em boa parte dele navegando contra a corrente de Benguela e os alísios de Sudeste.

Cabo das Tormentas

Os limites alcançados pelos barcos portugueses nas costas africanas, à época de D. João II, começaram a apresentar sérios problemas de abastecimento. Avançando cada vez mais para o sul, as distâncias se tornavam cada vez maiores, as viagens mais longas e, embora houvesse possibilidades de aguada e aprovisionamento de lenha na costa de Angola e no Sudoeste africano, em nenhum ponto se encontravam víveres, o que constituía um obstáculo ao avanço das expedições. Foi provavelmente o receio da falta de mantimentos que determinou a volta de Diogo Cão após atingir o Cabo Cruz. A solução para esse problema viria com a obrigatoriedade de um navio de grande porte, especialmente destinado ao carregamento das provisões, em toda expedição prevista para descobrimentos ou longos percursos.

O já previsível desfecho das viagens de Diogo Cão seria finalmente alcançado por Bartolomeu Dias, piloto tão perito quanto seu predecessor e mais famoso que ele. A expedição de Bartolomeu, composta por uma urca carregada de mantimentos e por duas caravelas, São Cristóvão e São Pantaleão, de cinquenta toneladas cada uma, saiu de Lisboa em 1487, provavelmente em julho ou agosto, ultrapassando, em novembro ou dezembro, o limite dos 22 graus alcançado por Cão na sua segunda viagem. Fazendo uma pequena escala num ponto qualquer próximo à atual Bahia Luderitz, Bartolomeu reabasteceu as duas caravelas, lá deixando a urca de mantimentos. Seguindo viagem, navegou contra o vento e a corrente até aproximadamente o Cabo Voltas, quando a expedição desviou-se da costa, seja intencionalmente, em busca de ventos mais propícios, seja porque levada por uma forte tempestade. Somente entre 37 e 40 graus de latitude sul, a expedição finalmente encontraria os ventos vindos do oeste e, com eles, avançando para leste e depois para o nordeste, Bartolomeu Dias chegaria a Mossel Bay: o intrépido capitão havia dobrado o Cabo das Tormentas sem vê-lo, em fins de fevereiro de 1488. Estava feita a ligação marítima das duas humanidades: a europeia e a asiática.

A expedição avançou ainda mais uns 500 km pela costa oeste da África, até o rio do Infante, ponto máximo atingido por Dias. Na viagem de volta, costeando o litoral, ele avistaria pela primeira vez o Cabo das Tormentas, descobrindo que, afortunadamente, havia obedecido à regra fundamental para ultrapassá-lo à vela: afastar-se da costa e fazer a volta em mar aberto, pois a proximidade do litoral facilmente poderia prender o navio na chamada baía Falsa ou jogá-lo de encontro à Ponta do Perigo, antes de vencer o Cabo das Agulhas, ponto mais meridional da África.

_____________________________________________

O Mostrengo

O mostrengo que está no fim do mar
Na noite de breu ergueu-se a voar;
À roda da nau três vezes,
Voou três vezes a chiar
................................................

Três vezes ao leme as mãos ergueu.
Três vezes ao leme as repreendeu,
E disse no fim de tremer três vezes:
“Aqui ao leme sou mais do que eu:
 Sou um Povo que quer o mar que é teu;
E mais que o mostrengo, que me alma teme
E roda nas trevas do fim do mundo,
Manda a vontade, que me ata ao leme,
De El-Rei D. João Segundo!”

Fernando Pessoa em Mensagem

_____________________________________________

O Caminho das Índias

Enquanto a costa leste do continente negro era definitivamente revelada pelas explorações de Diogo Cão e Bartolomeu Dias, D. João II enviava ao Oriente, por terra, embaixadores com a missão específica de rastrear informações sobre a costa oeste e o Índico. De todos os enviados, Pero da Covilhã, falando fluentemente o árabe e viajando sob o disfarce de mercador muçulmano, foi o que obteve mais resultados. Os informes enviados por esse espião abrangiam dados sobre as condições de travessia do Índico, sob o regime das monções, além de notícias sobre Adem, Calicute e Goa, na costa leste da índia, Ormuz, no Golfo Pérsico e Sofala, Moçambique e Melinde, no Nordeste da África.

A viagem de Vasco da Gama, coroamento de quase um século de buscas, teria que esperar, no entanto, mais nove anos, tempo decorrido desde a volta de Bartolomeu Dias. Esse intervalo, durante o qual a marinha portuguesa permaneceu inativa, costuma ser explicado por sérios problemas em Marrocos, que exigiram expedições dispendiosas, pela demora em receber as informações de Covilhã, que só chegaram a Lisboa em 1490, pela saúde precária de D. João II, profundamente abalada desde a morte trágica de seu filho único, D. Afonso, em 1491 e, finalmente, pela própria morte do soberano em 1495. Ficaria com D. Manuel a ventura de empreender a primeira viagem marítima às índias.

Vasco da Gama partiu de Lisboa em 8 de julho de 1497, com uma frota de quatro navios, dois deles - São Gabriel e São Rafael - construídos especialmente para a viagem. Excetuando a caravela que levava Bartolomeu Dias, os outros navios eram de maior porte, bem-armados e de construção sólida, cuja equipagem fora feita com muito cuidado e vultosos gastos. No total, a frota dispunha de 20 canhões montados e levava considerável estoque de gêneros destinados ao comércio, o que indica que a missão atribuída a Gama era de embaixada comercial preparada para enfrentar com êxito eventuais resistências. Vasco da Gama contou com uma tripulação homogênea, bem-disciplinada e comandada por oficiais e pilotos competentes, entre os quais, Paulo da Gama - irmão do comandante -, o próprio Bartolomeu Dias, Nicolau Coelho e Pero d’Alenquer, navegante de grande reputação desde a época de D. João II, com pelo menos dezesseis anos de experiência em águas africanas e que havia sido também primeiro piloto de Dias. Entre marinheiros, soldados e pilotos, a expedição dispunha de 150 homens, todos armados.

Ao que tudo indica, Gama não repetiu o roteiro de Dias: chegando à ilha de Santiago, no arquipélago de Cabo Verde, em 27 ou 28 de julho de 1497, lá permaneceu até 3 de agosto. Dessa data até 04 de novembro, quando a frota chega à ilha de Santa Helena, os diários de bordo são de um laconismo exasperante: nenhum dado. São treze semanas em alto mar, três meses sem vista de terra, o que até então era façanha admirável. Deixando as ilhas de Cabo Verde, Gama continuou seguindo o litoral africano até a altura de Serra Leoa, de onde, provavelmente, navegou a sudeste, diretamente para o Cabo da Boa Esperança, tentando atravessar o Golfo da Guiné em rumo direto. Esse roteiro o teria levado para a faixa da monção do sudeste, cheia de tornados, onde deve ter tido grandes dificuldades para reencontrar o rumo e finalmente chegar à baia de Santa Helena. Retomado o curso, navegou para o sul, cruzando o Cabo da Boa Esperança e fundeando em Mossel Bay para, logo em seguida, alcançar o rio do Infante, a 33 graus de latitude sul, ponto máximo atingido anteriormente por Bartolomeu Dias.

Acompanhando a costa oriental da África e sendo recebido com hostilidade em todos os portos, apenas em Melinde Vasco da Gama consegue contratar os serviços de um famoso piloto árabe, Ahmed Ibn Majib, que conduziu a frota até Calicute, lá chegando em 20 de maio de 1498. Apesar da desconfiança com que foram recebidos, da hostilidade e do perigo representados por várias emboscadas armadas pelos mercadores mouros da região, Gama permaneceu na cidade até 29 de agosto e, utilizando os serviços de tradução de um árabe que falava fluentemente o castelhano, tentou estabelecer os primeiros contatos comerciais sem, no entanto, muito êxito.

Do ponto de vista náutico, a viagem de volta foi relativamente tranquila, excetuando a travessia do Índico, marcada por tempestades, ventos contrários e enfermidades a bordo. Vasco da Gama chegou a Lisboa em setembro de 1499, finalizando uma viagem de dois anos, dos quais 300 dias em alto mar, tendo perdido dois navios e 80 dos 150 homens que levara.

As notícias da primeira viagem marítima ao Oriente causaram profunda impressão em todo o mundo europeu e, de imediato, tiveram maior repercussão que a descoberta de Colombo. O acesso direto, sem intermediários, aos cobiçados artigos do Oriente, significava a realização de uma expectativa secular, que provocou, em pouco tempo, transformações radicais na estrutura econômica mundial. Do ponto de vista econômico, a expedição foi um inteiro sucesso, pois a pouca especiaria trazida teria permitido um lucro próximo a 60 vezes o capital empatado na empresa, levando-se em conta que, só a pimenta, comprada na Índia a 2,5 ou 3,0 ducados o quintal, podia alcançar na Europa preços superiores a 80.

O mais surpreendente na viagem de Vasco da Gama é que o grande comandante não descobriu apenas, como é do conhecimento geral, o caminho marítimo das Índias, mas o melhor caminho. Suas instruções a Pedro Álvares Cabral aconselhavam velejar diretamente para a ilha de Santiago, no arquipélago de Cabo Verde. A partir daí, navegando com os alísios nordeste à popa, o navio deve velejar para o oeste do sul, distendendo uma volta em mar aberto, como um arco se abrindo no Atlântico, afastando-se da costa africana, a fim de evitar as calmarias do Golfo da Guiné e os alísios do Sudeste, até ter o Cabo da Boa Esperança completamente a leste e então dobrá-lo. Conforme Gama este roteiro permitiria uma viagem mais rápida e segura. Conforme o Departamento Hidrográfico dos Estados Unidos e o Almirantado Britânico, também, pois ambos fornecem aos navios a vela que partem hoje da Europa setentrional, nos meses de abril e maio, para além do Cabo da Boa Esperança, as mesmas instruções, apenas mais precisas. Até hoje, nem cientistas, nem navegantes, conseguiram descobrir um roteiro melhor para cruzar o Atlântico Sul em demanda do Cabo.

 

Viagem de Cabral e a Descoberta do Brasil

O roteiro indicado por Vasco da Gama permitiu o início de uma série de expedições que, a partir daí, Portugal enviaria anualmente às Índias. A histórica viagem de Cabral, cujo excessivo desvio para o oeste resultou no descobrimento do Brasil, foi a segunda frota das Índias, planejada e organizada com o fim específico de impor nas praças indianas, pela força das armas se necessário, os interesses comerciais portugueses. A frota foi a maior até então organizada em Portugal: treze navios, com uma tripulação de 1500 homens e equipada para até um ano e meio de viagem. Embora Cabral não fosse homem do mar, seus pilotos, entre os quais Bartolomeu Dias e Nicolau Coelho, garantiriam o sucesso náutico.

Saindo de Portugal em 9 de março de 1500, a frota passa pelas Canárias no dia 14 e alcança as ilhas de Cabo Verde no dia 22, onde ocorreria a primeira perda, a nau de Vasco de Ataíde, cujo desaparecimento permanece até hoje envolto em mistério. No dia 24 de março, depois de esperar em vão, durante dois dias, pelo navio desgarrado, Cabral retoma a viagem e, afastando-se em demasia da costa africana, provavelmente cai na zona da corrente equatorial, que o teria arrastado até as costas brasileiras. Toda a polêmica sobre a intencionalidade ou acaso da nossa descoberta decorre da possibilidade de a frota ter sido arrastada pela corrente equatorial, sem que Cabral e os demais pilotos percebessem, ou contra a vontade deles. Segundo estudos e levantamentos feitos pelo comandante da marinha de guerra norte-americana, Samuel Eliot Morison, tal possibilidade não só foi o que ocorreu em 1500, como é o que tem se verificado com milhares de outros navios que, desde aquela época até a atualidade, seguiram rota semelhante à de Cabral.

O que importa assinalar é que a descoberta do Brasil, intencional ou casual, era uma decorrência natural da concepção geográfica dos portugueses e de todos os avanços pacientemente acumulados desde o início do século. O progressivo domínio do Atlântico, dos seus ventos, das suas correntes, acabaria por levar os navegantes lusos, mais cedo ou mais tarde, antes ou depois da façanha de Colombo, aos limites ocidentais desse oceano, ou seja, às terras da América.

Enviando a nau de mantimentos de Gaspar de Lemos de volta a Portugal, com a notícia da nova descoberta, Cabral segue viagem para a Índia em 2 de maio de 1500. Dobrando a ponta meridional da África, na passagem do Atlântico para o Índico, a frota enfrentou violenta tempestade, com o naufrágio de mais quatro navios: as naus de Simão de Pina, Aires Gomes, Luís Pires e Bartolomeu Dias. Que irônico incidente... àquele que franqueou o sul da África à navegação mundial, estaria reservado o feito de transformar em Boa Esperança o Cabo que para si mesmo permaneceu como das Tormentas.

A história dos Grandes Descobrimentos e das Grandes Navegações estaria palmilhada de acontecimentos dessa índole, pois o feito memorável exigiu frequentemente o mais alto tributo e, se o Oceano, afinal, teve que ceder à pequena e frágil caravela, foi sem dúvida à custa da vida dos que a tripulavam. Muitos dos grandes capitães e dos não menos grandes marinheiros que os acompanhavam, muitos dos que colocaram a coragem a serviço da aventura e do risco, encontraram nas trilhas do oceano seu derradeiro limite.

E não estaria na lembrança de todos eles a inspiração do poeta?

_____________________________________________

Ó mar salgado, quanto do teu sal

São lágrimas de Portugal!

Por te cruzarmos, quantas mães choraram,

Quantos filhos em vão rezaram!

Quantas noivas ficaram por casar

Para que fosses nosso, ó mar!

               Fernando Pessoa em Mensagem

_____________________________________________

O Mar sem Fim

Cabral chegou a Calicute em agosto de 1500 e, desincumbindo-se bem de sua missão, deu início à dispendiosa e violenta empresa de conquista do comércio no Índico. A hegemonia marítimo-comercial no Oriente, após treze anos de formidáveis batalhas navais, foi resultado da superioridade náutica e militar das frotas portuguesas que, bem-aparelhadas, bem-armadas e comandadas por capitães competentes, podiam vencer em mar aberto qualquer frota asiática. Da expedição militar de Vasco da Gama, na sua segunda viagem em 1502, e especialmente das campanhas militares de Francisco de Almeida e Afonso de Albuquerque, respectivamente, primeiro e segundo Governador Geral das Índias, resultaria o alargamento das conquistas portuguesas até as Molucas, no Extremo Oriente.

A superioridade náutica portuguesa levaria seus capitães a outras conquistas: as fantásticas viagens dos irmãos Corte Real - Gaspar e Miguel - à Groenlândia, cruzando o estreito de Davis e atingindo o Labrador, nos primeiros anos do século XVI. A audácia e temeridade desses dois irmãos, ambos desaparecidos no mar, seriam em breve ultrapassadas pela viagem de Fernão de Magalhães em torno da Terra em 1519-1522, a serviço do governo espanhol.

No final do século XV e na primeira metade do século XVI, o domínio dos mares estava nas mãos dos navegantes portugueses, cuja perícia e técnica os haviam transformado em senhores do mar sem fim.

_____________________________________________

Padrão

 

0 Esforço é grande e o homem é pequeno,

Eu, Diogo Cão, navegador, deixei

Este padrão ao pé do areal moreno Padrão

E para diante naveguei.

Este padrão sinala ao vento e aos céus.

A Alma é divina e a obra é imperfeita

Que, da obra ousada, é minha a parte feita:

0 por-fazer é só com Deus.

 E ao imenso e possível oceano

Ensinaram estas Quinas, que aqui vês,

Que o mar com fim será grego ou romano:

0 mar sem fim é português

 

E a Cruz ao alto diz que o que há na alma

E faz a febre em mim de navegar

Só encontrará de Deus na eterna calma

0 porto sempre por achar.

 

Fernando Pessoa em Mensagem

_____________________________________________

 

A Tecnologia Náutica Portuguesa

  

Na história dos grandes feitos marítimos dos séculos XV e XVI, que parcela coube ao aprimoramento técnico?

À época do Infante Dom Henrique, Portugal estava no início das suas viagens à África, a navegação era costeira, faltavam marinheiros habilidosos e o material era frequentemente escasso e grosseiro. Muitas das primeiras expedições, por exemplo, foram feitas em barcas ou barinéis, navios muito grandes, ou muito pesados, ou de difícil manobra para viagens exploratórias. Em águas desconhecidas, as rotas não ultrapassavam curtas distâncias e os navegantes frequentemente se guiavam pelo vôo das aves.

Em comparação com franceses e italianos, os portugueses do início do século XV eram ainda navegantes tímidos e cautelosos, que partilhavam com os demais os mesmos conhecimentos. A tecnologia náutica do início do século XV não era exclusividade portuguesa, mas acervo partilhado igualmente por todos os povos marítimos da Europa. A própria marinha portuguesa fora organizada e treinada por peritos italianos, como Emanuel Pessagno e seus descendentes que, durante quase todo o século XIII, estiveram no comando da armada lusa. O próprio Infante recorreu ao auxílio de nautas italianos; os genoveses Antonio Usodimare e Antonio da Noli, e o veneziano Alvise de Cà da Mosto. Os instrumentos náuticos e seu manejo, a bússola, o quadrante, o astrolábio, a balestilha, assim como as cartas de marear, também chegaram a Portugal pelas mãos italianas ou árabes.

Descrever o Infante como erudito, estudioso das ciências e criador de uma escola - ao mesmo tempo, observatório astronômico e centro de estudos náuticos e de treinamento - é alimentar uma concepção absolutamente infundada. Nem foi o Infante um sábio erudito, nem nunca demonstrou durante a vida especial interesse pela matemática, pela astronomia, pela geografia ou por qualquer outra ciência ligada à navegação. A poética Escola de Sagres só existe nas páginas de nossos livros didáticos e na imaginação de alguns historiadores preocupados em conferir um caráter teórico a iniciativas eminentemente empíricas.

Toda a empresa marítima portuguesa, da primeira metade do século XV, teve um caráter preponderantemente experimental. O grande mérito do Infante, de seus pilotos e marinheiros, está exatamente em ter tentado aquilo que os conhecimentos náuticos da época não aconselhavam: a navegação em águas e regiões desconhecidas, as investidas ao mar de longe, através de contínuas tentativas, durante muito tempo infrutíferas mas, ao final, bem-sucedidas. Aprendendo a navegar navegando, eles foram os verdadeiros criadores dessa ciência nascida não de considerações teóricas de laboratório, mas da experiência feita no convés dos navios, no enfrentamento dos ventos e das correntes, no vai e vem do ensaio e erro. Em meados do século XV, a experiência já os havia transformado nos melhores navegantes do mundo e neles sedimentado uma invulgar combinação de perícia e impetuosidade.

Esse grande ensaio, proporcionado pelas iniciativas do Infante D. Henrique, deu origem aos avanços técnicos que transformariam a pequena caravela, usada pelos portugueses desde o século XIII, no mais eficaz e adequado instrumento de conquista dos oceanos. A partir do Cabo Bojador, ultrapassado pelos portugueses em 1434, o litoral africano é cortado pelos alísios do Norte e Nordeste, que tornam a viagem de volta extremamente penosa, pois o navio tem que avançar contra ventos ponteiros e correntes contrárias. A solução para tal problema veio na década de 1440, com as modificações introduzidas na estrutura do casco e principalmente na disposição das chamadas velas latinas, que passaram a ser colocadas em sentido longitudinal e não no transversal. Essa disposição deu à caravela a revolucionária capacidade de navegar à bolina, ou seja, avançar em sentido contrário ao do vento que a impulsiona.

Esse pequeno navio, cujo porte variava de 40 a 120 toneladas, era considerado o mais manejável e o mais adequado a viagens exploratórias, inclusive porque permitia uma maior aproximação da terra sem o risco do encalhe. Suas velas latinas permitiam o melhor aproveitamento de uma variedade maior de ventos, além de manobras mais perfeitas e melhor rendimento. Embora fosse uma embarcação extraordinariamente pequena para cruzar os oceanos, a caravela oferecia mais segurança e era mais confiável do que muitos navios mais pesados ou maiores, porque mais ágil e melhor desenhada para cavalgar sobre as águas. Seu tamanho acabaria, no entanto, limitando seu uso, pois em grandes percursos a caravela dispunha de muito pouco espaço para homens, mantimentos, armamentos e mercadorias. A partir do início do século XVI, quando as rotas já eram conhecidas, a maior parte dos navegantes passou a dar preferência a navios de médio porte, de 300 a 700 toneladas, mantendo apenas uma ou duas caravelas para eventuais serviços de reconhecimento.

Os instrumentos náuticos como a bússola, o quadrante, o astrolábio e a balestilha, embora conhecidos há muito tempo, alguns desde o século XI, outros desde a Antiguidade, só tiveram utilização corrente a partir do final do século XV. Ninguém sabe ao certo, no entanto, de quando data e quem tem a prioridade no emprego de um ou outro desses instrumentos. O cálculo da latitude era muito impreciso, geralmente feito após o desembarque na terra descoberta, e mesmo assim os erros eram extremamente comuns. De qualquer forma, não se tratava ainda de astronomia aplicada à navegação, pois os cálculos eram feitos em terra firme.

 

A mais remota notícia de determinação da latitude nos remete a 1462, no registro feito por Diogo Gomes, em sua viagem à costa da Guiné. Também a latitude tomada por Vasco da Gama, na baía de Santa Helena, com o auxílio do astrolábio, tornou-se famosa, o que demonstra que o uso desse aparelho, mesmo em terra, era ainda recente entre os portugueses. O aparecimento do astrolábio náutico ocorreu em uma data entre 1480 e 1529 e seu uso corrente nas viagens marítimas é posterior a esse último ano.

Embora a declinação magnética já fosse conhecida, suas variações em diferentes lugares tornava a bússola um instrumento pouco confiável. Os cálculos de longitude eram ainda mais incomuns, mesmo porque o século XVI não conheceu nenhum método prático para cálculo de distância, que continuou sendo feito à estima, sumamente difícil em águas e regiões desconhecidas.

Na verdade, navegantes e marinheiros dos séculos XV e XVI não sabiam exatamente para onde iam e, quando sabiam, não tinham como ter certeza. Navegaram, porém, pois essa insegurança, assim como outras, não era vista propriamente como obstáculo, mas como parte dos azares inevitáveis da vida no mar. Navegaram porque o êxito dessas navegações se fez com base na técnica revelada, não na invenção do instrumento náutico, mas na habilidade do seu manuseio; não somente no desenho do barco, mas na perícia do seu manejo e manobra; não no traçado de mapas e portulanos, mas no conhecimento prático dos ventos e das correntes.

 

 

Associação entre o Progresso Marítimo Português e o Empenho do Brasil em uma Conquista Também Pioneira na Exploração de Águas Profundas e do pré-sal

 

O domínio português no Oriente, baseado quase que exclusivamente na supremacia marítima e bélica, nunca chegou a constituir um verdadeiro império colonial. O domínio dos mares, pela sua largueza o mais dispendioso de todos, exigia armas, equipamentos, navegação e estratégia superiores, aliados a homens de incomum habilidade e heroísmo, num esforço permanente e por tempo ilimitado. Mantendo apenas algumas cidades costeiras e um pequeno território em torno de Goa, Portugal nunca conseguiu estender seu poderio do mar para a terra, cuja conquista ficava limitada, seja pela capacidade de desembarque de tropas, seja por se tratar de regiões densamente povoadas. Se infundiram terror e pânico nos mares, em terra os portugueses nunca conseguiram as mesmas vitórias. Sem a penetração pelo interior, sem solidificar as bases da sua superioridade marítima na conquista do território, Portugal não teve como defender-se de seus concorrentes europeus e, já no final do século XVI, os holandeses invadiam os mares da Índia, desalojando-os e substituindo-os no papel de intermediários entre a Europa e o Oriente.

Tanto no litoral africano, como no Oriente, as iniciativas de penetração portuguesa mantiveram-se circunscritas a feitorias e armazéns, postos de permuta das valiosas especiarias e a algumas bases militares. A penetração pelo interior, a conquista da terra e a edificação de uma nova cultura não seriam realizadas no Oriente, mas no Ocidente. O verdadeiro império colonial português não estava nas Índias, mas no Brasil. Aqui, os portugueses fariam a bem-sucedida transição da conquista dos oceanos para a conquista da terra. E é nessa perspectiva que a colonização do Brasil se coloca: como desdobramento do mesmo impulso que cem anos antes havia levado o primeiro navegante a se arriscar ao mar de longe. Defendido arduamente e ocupado por um tipo humano resultante da miscigenação daquele português expansionista com o homem nativo, o Brasil seria hoje o legítimo herdeiro daqueles que desbravaram o mundo e realizaram o primeiro ideal de universalismo da espécie humana.

Hoje, em que medida o desafio da prospecção de petróleo em águas profundas e mais recentemente na exploração do pré-sal não repete o pioneirismo das grandes navegações? Não estaria o Brasil, principalmente através da Petrobras, propondo-se a um empreendimento reputado pelo atual acervo técnico e científico como temerário? Não seria o risco tão alto como o foi há 500 anos atrás? Não estaria a técnica sendo criada e inventada na medida mesmo em que se experimenta, exatamente porque se experimenta o desconhecido, assim como o fizeram nossos antepassados? Não estaria presente no projeto de exploração de águas profundas e do pré-sal o mesmo espírito de aventura, o mesmo afã da descoberta e da conquista? E não exige a realização desse projeto a mesma audácia e impetuosidade?

É nesse sentido que o Brasil pode legitimamente reivindicar não só a herança de nossos antepassados como o mais inapelável dos argumentos: o histórico. Porque, para além dos motivos e das razões, das condições e dos equipamentos, da técnica e da habilidade, os feitos que fizeram de Portugal o pioneiro da Expansão Marítima Europeia só foram possíveis enquanto empreendimentos do Estado. Foi a persistência do investimento estatal e o seu permanente incentivo, elevando a empresa marítima à esfera nacional e protegendo-a das instabilidades políticas e econômicas, que abriu o espaço apropriado à manifestação da iniciativa particular e das qualidades individuais que, ao fim, inscreveriam o nome do país nas páginas da História.


______________

Bibliografia

 

AZEVEDO, João Lúcio de. Épocas de Portugal econômico. Livraria Clássica Editora, Lisboa, 1973.

BARNES, Harry Elmer. Historia de Ia economia del mundo occidental. Union Tipografica Editorial Hispano Americana, México, 1970.

BOORSTIN, Daniel J. Os descobridores. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1989.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material e capitalismo. Edições Cosmos, Lisboa, 1970.

_________________. O Mediterrâneo e o mundo mediterrâneo.Martins Fontes, Portugal, 1984.

CHAUNU, Pierre. La expansión europea. Editorial Labor, Barcelona, 1972.

CORTESÃO, Jaime. Cabral e as origens do Brasil. Edição do Ministério das Relações Exteriores, Rio de Janeiro, 1944.

__________________. A carta de Pero Vaz de Caminha. Livraria Editora Livros de Portugal, Rio de Janeiro, 1943.

DIAS, Manuel Nunes. O descobrimento do Brasil. Pioneira Editora, São Paulo. 1967

FRIEDERICI, Georg. Caráter da descoberta e conquista da América pelos europeus. Instituto Nacional do Livro, Rio de Janeiro, 1967.

HUMBOLDT, Alexandre de. Voyages dans l’Amérique equinoxiale. François Maspero, Paris, 1980.

PARRY, J. H. La epoca de los descubrimientos geograficos. Guadarrama, Madrid,1964.

SOUZA, T. O. Marcondes. Novas achegas à história dos descobrimentos marítimos. Livraria Herder, São Paulo, 1963.

_______________________________________. O descobrimento do Brasil. Gráfica Editora Michalany, São Paulo, 1956.


 

______________ 

(*) A autora:

Maria Malvina Gomes e Souza Bastos

É licenciada e bacharel em História pela FAFICH/UFMG com especialização (pós-graduação latu sensu) em “Questões de Teoria e Metodologia da História”, em “Questões e Teoria e Metodologia da História” e “Metodologia de Ensino Superior” pela UNI-BH e em “História do Brasil” pela PUC-MG.

Autora de diversos trabalhos, monografias na área de História e de propostas pedagógicas para colégios e redes de ensino.

Foi professora universitária de várias disciplinas na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Belo Horizonte UNI-BH e da PUC-MG e professora e coordenadora de curso em várias escolas de ensino médio em Belo Horizonte.

Atualmente leciona História no Colégio e Pré-Vestibular Bernoulli em Belo Horizonte

Email: ucha.mal@hotmail.com

 

Graphic Edition/Edição Gráfica:
MAK br> Editoração Eletrônic
a

Revised/Revisado:
Tuesday, 01 October 2013
.

Contador de visitas