Economia & Energia
Ano XII-No 70
Outubro - Novembro 2008
ISSN 1518-2932

e&e  OSCIP

setae.gif (977 bytes)e&e in English

BUSCA

CORREIO

DADOS ECONÔMICOS

DOWNLOAD

OUTROS NÚMEROS

e&e  No 70

Apoio:


 

Página Principal

Espaços Centros/Redes de Excelência: Conceito, Ações e Produtos 

Avaliação das Emissões Evitadas pela Política Energética Brasileira no Setor Transporte Rodoviário

Download:

bal_eec

Arquivo zipado do Balanço de Carbono gerando programa Excel com macros em Visual Basic que tem que ser ativadas para que o programa funcione

 

e&e por autor
e&e por assunto

http://ecen.com
Vínculos e&e

Veja também nosso suplemento literário

http://ecen.com/
jornalego

 

Espaços Centros/Redes de Excelência:
Conceito, Ações e Produtos

José Fantine(*)

Resumo

A utilização de centros de excelência como instrumento para facilitar o desenvolvimento de empresas e países, estados e mesmo municípios através da inovação é uma prática já amadurecida que vem encontrando crescente aplicação em grandes empresas e governos. Podem-se destacar as redes da Petrobras, IBM e da Airbus entre as empresas e, por iniciativa governamental, os do Canadá (tecnologia e comercialização) e do Reino Unido (administração). No Brasil, a Petrobras que aplica um modelo próprio desde 1996, decidiu em 2007 ampliar a experiência instalando Espaços Centros e Redes de Excelência junto a universidades, para desenvolvimento e aplicação da metodologia. O primeiro Espaço foi instalado junto a COPPE/UFRJ onde a metodologia já vem sendo desenvolvida em cooperação com a Petrobras desde a metade da década de noventa. Descrevem-se o modelo adotado, os principais exemplos de sua aplicação e as atividades a serem exercidas pelo Espaço.

Abstract

The use of excellence centers as a tool for assisting the development of enterprises and countries through innovation is a mature practice that has been increasingly applied by companies and governments. One can point out the IBM and Airbus networks among the enterprises and regarding governments, Canada (technology and commercialization) and the United Kingdom (administration). In Brazil Petrobras has applied the model since 1992 and it has decided to amplify the experience by installing centers at universities in order to develop and apply the methodology. The first Space Centers/Networks of Excellence was installed at COPPE/UFRJ where the methodology has been developed together with Petrobras since the beginning of the 1990s. Another space is programmed for the Federal University of Bahia. The adopted model, the main examples and the activities involved are described.

Palavras-chave: Redes de Excelência, Centros de Excelência, Inovação, Gestão.

1 - Introdução

O Brasil vem firmando o entendimento de que para criar a riqueza nacional sustentada é urgente elevar significativamente os investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento e Inovação (P&D&I) e reunir os recursos disponíveis em consórcios para, assim, avançar em ciência, tecnologia, infra-estrutura, gestão empresarial e pública e ação social, otimizando o uso de suas disponibilidades e multiplicando resultados. Governos e empresas coincidem ao identificar a necessidade de modernizar e fixar bases de excelência em gestão para bem competir no mercado nacional e no internacional. Compreende-se também que as inovações – não só as tecnológicas, mas de todos os campos de saber e do agir – devem estar disseminadas nas diversas áreas das empresas e organizações.

Três Conferências Nacionais de Ciência e Tecnologia – 1987, 2001 e 2005 –, assim como os estudos que as prepararam e os que delas resultaram, orientaram a nação para valorizar a ciência, a tecnologia e a inovação como bases de sustentação do progresso. No final da década de 1990, a criação dos Fundos Setoriais, e em especial a criação do CTPetro, pelo volume de aplicações que propiciou, foram pontos marcantes. Outro evento foi a nova Lei do Setor Petróleo, datada de 1997, que determinou a aplicação compulsória em P&D pelas empresas petrolíferas de recursos equivalentes a 1% do valor do petróleo produzido em campos que viessem a ser gravados com pagamentos de taxas especiais (Participações Especiais).

No terreno prático, mais recentemente, o Governo Federal lançou e fez aprovar a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (2004)[1], a Lei de Inovação (2005)[2] e a Lei 11.487 (2007)[3], que concede incentivos às empresas que aplicarem fortemente em P&D. Também em 2007, foi lançado o PAC da Ciência e Tecnologia. E, por fim, em 2008, a Política de Desenvolvimento Produtivo - PDP[4], que tem na inovação um dos seus elementos fundamentais, citando explicitamente a formação de Redes e de Centros de Excelência e destacando o setor de petróleo e gás.

Dentro deste quadro, o BNDES[5], o MCT[6], o MME, o MDIC, a ANP, a CNI[7], a Finep e a Fapesp, entre outros, clamam para que se agregue mais valor aos produtos, processos e serviços nacionais, mudando a estrutura produtiva nacional e valorizando a formação de redes que conectem empresas, órgãos de governo e segmentos das universidades e dos centros de pesquisa.

No entanto, apesar desses esforços, ainda são poucas as experiências de excelência com base no setor produtivo – e, em menor número ainda, as empresas brasileiras que detêm vanguarda mundial nos seus segmentos. Assim, o Brasil ainda não conta com exemplos suficientes para motivar e orientar os milhares de pessoas, empresários, pesquisadores e governantes que neste momento deveriam estar lançando-se em experimentos voltados para alcançar a vanguarda nacional e mundial.

Para que a nação venha a contar com milhares de redes de vanguarda que importam à formação dessa base de sustentação de seu desenvolvimento, abrangendo temas do interesse de todos os setores da economia, indústrias, terceiro setor, educação e saúde, esportes etc., será necessário:

  • disponibilizar para a sociedade metodologias de formação de redes de excelência;

  • multiplicar e divulgar redes de excelência de grandes empresas e entidades, públicas ou privadas; e

  • promover entre as instituições um movimento organizado, abrangente e valorizado pelas gerências e lideranças voltado à formação de redes de excelência e de ambientes que orientem sua multiplicação, criando um clima favorável em todos os segmentos das organizações, entidades e regiões brasileiras.

O mundo entra na Era do Conhecimento: cada vez mais, as riquezas decorrem da transformação da inteligência em produtos, processos e serviços inovadores e também do melhor uso de recursos existentes. Inovação e ganhos em produtividade são sinônimos de competitividade no âmbito mundial e nacional. Essas são questões-chave para o progresso.

É dentro deste contexto que a Petrobras patrocinou a criação do Espaço Centros e Redes de Excelência[8] em parceria com a UFRJ/COPPE[9] tendo como objetivos diversificar os meios atualmente disponíveis para atender a sua crescente demanda e, no que couber, apoiar o esforço nacional, agregando metodologias em aprimoramento contínuo.

2. Fundamentos para a Criação de Espaços Centro/Redes de Excelencia[10]

Há, no País, tentativas isoladas de promover trabalhos que atendam às diretrizes governamentais e possam obter a liberação das verbas para pesquisas em redes. Por outro lado, o esforço de organizações e universidades tem evoluído de forma relevante no sentido de trabalharem com o conceito de redes[11] de especialistas, no seu âmbito ou mesmo em conjunto com outras entidades, também disponibilizando metodologias para a sociedade.

Contudo, quando se trata de consórcios entre empresas, órgãos de governo, unidades acadêmicas e órgãos de pesquisas, não há uma sistematização disponível para todos. Sobretudo, não há um movimento organizado conduzido pela sociedade nesse sentido. A Petrobras é, seguramente, a empresa-líder na estruturação de redes e parcerias de todas as categorias, e isso, desde sua fundação. Sistematicamente, vem aprimorando seus mecanismos de gestão nesse campo e disponibilizando, progressivamente, suas metodologias para a sociedade.

Em 1996, a empresa lançou formalmente a Prática de Gestão Centros/Redes de Excelência - PCREX, que vinha desenvolvendo em conjunto com a COPPE, de acordo com seu Plano Estratégico para 1992-2000, e o Centro de Excelência em Geoquímica, primeiro organismo nacional a ostentar tal diferencial de vanguarda. Depois, dezenas de outros empreendimentos da estatal e de terceiros seguiram essa linha, e praticamente todos os modelos de redes mais elaboradas envolvendo empresas, órgãos de governo, entidades acadêmicas e de pesquisas tiveram no seu DNA parcelas da PCREX. 

Em 1997, o Governo Federal lançou o Programa Núcleos de Excelência - PRONEX, restrito à área científica, e as Redes Cooperativas de Pesquisa - RECOPE[12], uma união de empresas e Universidades, essa já praticamente descontinuada. Foram tentativas mais contundentes de mudar o paradigma até então vigente, que não exigia que os candidatos aos recursos incentivados formassem parcerias entre especialistas ou entre unidades de pesquisas e empresas (essas iniciativas do governo e a da Petrobras ocorreram sem ligação entre si).

Em seguida, vários fundos de fomento às pesquisas foram lançados e, a partir de experiências de aplicação pulverizada em projetos de P&D, todos os candidatos aos seus recursos passaram a ser orientados pelo governo a formar redes. São exemplos desse esforço as Redes Tecnológicas do Norte-Nordeste, além de várias outras redes importantes e das regulamentações que estabeleceram esse princípio como condição para seleção das entidades candidatas aos recursos.

No fim da década passada, tiveram destaque os grandes investimentos do CTPetro em vários Centros e Redes de Excelência[13], como aqueles realizados no Tanque Oceânico do Parque Tecnológico da UFRJ e no Tanque Numérico da USP (ambos no âmbito do Centro de Excelência em Engenharia Naval e Oceânica), entre outras inversões em mais de 50 projetos da RedeGasEnergia.

Em 2006, a Petrobras lançou, com metodologia própria e específica para o caso e em acordo com ANP, as mais de 40 Redes Tecnológicas que a conectam a universidades – como resultado da aplicação compulsória de 1% do valor da produção de óleo nos campos de petróleo que pagam Participações Especiais.

São dignos de nota os esforços do Sebrae para reunir as pequenas e médias empresas em arranjos produtivos locais, trabalhando com o conceito de Cadeias Produtivas, e outras iniciativas brilhantes que levam à congregação de esforços no sentido do ganho em produtividade e inovação em geral. Da mesma forma, merecem registro as iniciativas do SENAI e do SESI para criar organismos de ponta que apóiem as indústrias em geral e aos seus quadros.

O objetivo nacional é elevar os investimentos em P&D&I para um patamar de 1,5-2% do PIB. Posteriormente, essa meta terá que mirar os 3%, caso se deseje alcançar os países que mais investem no desenvolvimento tecnológico. Pretende-se que esse crescimento se faça preponderantemente através do setor empresarial. Este é um movimento comum no mundo há tempos e, assim, deve ser uma jornada de todos. Entretanto, não há metas ou movimentos definidos para investimentos em aplicações semelhantes no campo da gestão e da ação social, por exemplo, o que faz com que o conceito de inovação no seu sentido mais amplo deixe a desejar.

Por exemplo, sem inovação continuada em gestão até mesmo os investimentos na área técnica podem ficar prejudicados, já que a otimização no uso dos poucos recursos disponíveis e a multiplicação de resultados com a ação em redes/consórcios exige vanguarda em gestão. Mas, isso só se atinge se movimento semelhante ao que se faz no campo estritamente tecnológico e científico for seguido/aprimorado para todas as ciências humanas, com estreita ligação às questões sociais, da natureza, da relação homem em grupo e no trabalho na busca da felicidade e da realização. E se nas companhias, nos órgãos de governo, nas entidades da sociedade de qualquer tipo se pensar em inovação em conceito mais amplo, disseminada em todos os segmentos dessas organizações.  A inovação resulta da ação do homem, isolada ou em grupo, em todos os campos imagináveis. Tudo que evolui resulta da ação do homem e jamais haverá excelência em uma organização, cidade ou país, se somente houver a preocupação com inovação em bolsões, pois o elo mais fraco sempre ditará o resultado final. Se um pai/mãe, uma professor/a, um gerente não inova no seu dia-a-dia, acaba preparando filhos/alunos/funcionários de forma convencional, que por sua vez na sua trajetória de vida agirão de forma convencional, e os resultados serão convencionais, nunca de vanguarda. Em um mundo globalizado, em algum lugar a inovação se destacará para algum segmento, ou em todos os campos, e, assim, seremos sempre “invadidos” pelos serviços, produtos, processos, métodos, conhecimentos, tecnologias inovadoras. Então, ou inovamos de forma ampla ou sucumbimos na competição mundial. O nosso povo difere do alemão, inglês, norte-americano ou asiático e, por isso, não adianta somente importar técnicas, modelos e conhecimentos sobre o como fazer, viver ou pensar, como, por exemplo, o que fazer no campo de gestão, do ensino, ou da ação social e tecnológica, estudados para outras realidades. Há que se inovar aqui.

Como exemplo dessa complexidade e oportunidade, vejamos o caso do desejado aumento em investimentos no segmento de P&D. Não existem recursos humanos e financeiros adicionais substanciais para aumentar, de imediato, os investimentos em P&D. Então, o processo terá que ser progressivo, otimizando o uso dos existentes, o que, degrau a degrau, incrementará as disponibilidades, em decorrência dos melhores resultados obtidos com os ganhos em produtividade e qualidade. Assim, o grande objetivo nacional e de todos que queiram crescer em inovação e conhecimentos será trabalhar em redes e criar as condições para multiplicar os seus resultados.E, fundamentalmente, evoluir e inovar muito em gestão (ver a seguir “Como fazer o País crescer em inovação”).

Nesse quadro, muito pode contribuir a metodologia aplicada na formação de Centros e Redes de Excelência, que resultam de uma diversidade de Parcerias Estratégicas[14], sustentáveis e permanentes, com visão empresarial e atuando em toda a cadeia de valor. Esses empreendimentos unem, obrigatoriamente, empresas e entidades nacionais e estrangeiras, órgãos governamentais, universidades e centros de pesquisas e são liderados por seus fundadores que compõem o núcleo de poder. A metodologia aplica-se a todos os campos, como Gestão, Processos, Tecnologia, Ação Social e Meio Ambiente, por exemplo.

Acredita-se que, somente no âmbito das empresas públicas (Petrobras, Correios, Eletrobras, Banco do Brasil, BNDES, EMBRAPA etc) e entidades da sociedade, mais de uma centena de Centros ou Redes de Excelência possam ser implantados a curto prazo. Empresas e entidades privadas em geral (como o Sesi e o Senai) e mesmo ministérios poderiam em pouco tempo lançar centenas de empreendimentos dessa natureza, valendo-se da experiência e sistematização promovida e disponibilizada pela Petrobras/COPPE. Também os Estados estariam aptos a planejar a criação de Espaços de Excelência partindo de suas competências locais, porém sempre com visão nacional e mundial. A orientação inicial para a configuração desses projetos seria dos Espaços Centros/Redes de Excelência que são objeto deste estudo e cujas definições e características apresentamos mais à frente.

As razões que presidiram a criação de entidades como a FINEP, a FGV, o Prêmio Nacional da Qualidade, o MBC, a CNI, o Senai, o Sebrae, o CGEE, a Onip, o IBP e tantas outras que visam promover a inovação ou preencher lacunas na formação de recursos humanos, no ensino, no apoio tecnológico às indústrias, na gestão ou na administração, são as mesmas razões que, agora, impõem-nos avançar no apoio à estruturação de redes de vanguarda com viés pragmático.

É nesse contexto que se imagina criar, juntamente com as universidades, Espaços Centros/Redes de Excelência ampliando a experiência desenvolvida entre a COPPE e a Petrobras. A partir da aplicação dessa metodologia, estruturas envolvendo a maioria das universidades, centros de pesquisas e dezenas de órgãos de governo e empresas e entidades nacionais e estrangeiras já se encontram configuradas e vêm influenciando o lançamento de metodologias assemelhadas.

Esses Espaços Centros/Redes de Excelência atenderão de imediato às demandas da Petrobras e a outras por ela indicadas, contando com estrutura para esse fim específico. Com estruturas adequadas, atenderão demandas nacionais e regionais na sua temática e competência e ampliarão suas parcerias para formar uma rede com maior número de instituições, incluindo consultorias, a fim de promover a multiplicação de Centros/Redes de Excelência no País.

Os Espaços Centros/Redes de Excelência propiciarão as condições efetivas para que seus fundadores e o Brasil possam multiplicar seus empreendimentos de vanguarda, através de:

i) apoio à ampliação e à multiplicação de Centros e Redes de Excelência nas entidades fundadoras;

ii) apoio à multiplicação de Centros e Redes de Excelência fora das entidades fundadoras, porém indicados por ela;

iii) sistematização de conhecimentos, para uso dos fundadores ou a serem disponibilizados para a sociedade;

iv) apoio à estruturação de outros Centros e Redes de Excelência e a parcerias com recursos patrocinados por terceiros; e

v) apoio aos fundadores para formação de outros Espaços ou a outras entidades para criarem seus Espaços cativos.

No momento, vários Centros e Redes pedem apoio executivo à Petrobras. Além disso, eleva-se a demanda por maior participação da equipe atual do núcleo da COPPE, e a Petrobras, de um modo geral, amplia em muito o seu desejo de formar Centros e Redes de Excelência. Paralelamente, vários Estados e entidades pretendem promover algo semelhante a esses movimentos da Petrobras no campo da formação dessas redes de vanguarda.

Como fazer o País crescer em inovação

Tendo em vista o quadro apresentado anteriormente, pressupõe-se que há interesse geral no crescimento das aplicações em ciência e tecnologia, que boa parte desse incremento venha a ser capitaneado por empresas e que inovação e vanguarda são elementos-chave para o progresso sustentado nacional e empresarial. Em decorrência, torna-se necessário estimular dois movimentos nacionais:

  • Aumento gradativo das inversões dos governos em P&D&I, favorecendo a formação de redes de recursos e a aplicação em temáticas abrangentes e ainda sem interesse para a iniciativa empresarial (por exemplo, tecnologias e questões emergentes) e, também, em redes criadas espontaneamente pela sociedade, estimulando, com isso, a busca pela inovação.

  • Lançamento de metodologias e programas de amplo uso gerados pela sociedade, suas empresas e entidades em geral, de forma a criar massa crítica para a inovação em inúmeros campos e estimular o surgimento de milhares de redes de vanguarda que sustentarão o desenvolvimento nacional.

O objetivo é criar o efeito “bola de neve” na criação da riqueza: promovendo um razoável acréscimo inicial nas aplicações em P&D&I, inovar e produzir resultados[15], que gerarão um recurso nacional e empresarial adicional, a ser parcialmente reinvestido, para inovar ainda mais e, desse modo, produzir mais renda, para aplicar ainda mais, e assim sucessivamente. Sem esse movimento, sem essa espiral de inovação crescente, tudo mais que se faça será insuficiente para impulsionar um vigoroso processo de desenvolvimento sustentado do País. Note-se que nenhuma das empresas que hoje lideram os investimentos em P&D&I começou aplicando o montante atual. Foram os sucessos decorrentes das aplicações crescentes que permitiram a ampliação desses recursos.

No momento, um aumento das aplicações equivalente a 1% do PIB representa o investimento de mais US$ 10 bilhões por ano. Para que, no prazo mínimo necessário de 20 anos, o País alcance um novo patamar de riqueza econômica e social, será preciso organizar um movimento capaz de gerar recursos muito superiores a US$ 200 bilhões. Como esse montante não existe de pronto, nem mesmo os US$ 10 bilhões para começar o movimento, será preciso obter resultados crescentes que gerem aplicações também crescentes, que permitam atingir o ponto desejado de 2 a 3% do PIB, a ser igualmente suplantado em etapa posterior. Ou seja, é uma tarefa hercúlea, principalmente quando se leva em conta a pouca tradição de trabalhos em redes que se sustentem no tempo, otimizadas e de vanguarda. Trata-se de gerar centenas de bilhões de dólares e aplicar bem esses recursos.

Os conhecimentos gerados nos Espaços Centros/Redes de Excelência contribuirão para estimular empresas, cidadãos, ONGs, órgãos de governos, universidades e centros de pesquisas e demais entidades nacionais a investir somas crescentes em redes, com foco no mercado e no progresso empresarial e sócio-ambiental, aportando bons exemplos e metodologia adequada.

Surge, portanto, um excelente momento para a criação desses Espaços Centros/ Redes de Excelência.

Experiências de vanguarda aplicando a Prática de Gestão Centros/Redes de Excelência[16]

Vários empreendimentos que aplicam a metodologia da Prática de Gestão Centros/Redes de Excelência constituem projetos eficazes de alto interesse empresarial e nacional como subsídio ao desenvolvimento sustentável [17].

  • Tanques Oceânicos e Numéricos do Centro de Excelência em Engenharia Naval e Oceânica: devido a sua forma de funcionamento, operam como entidades em rede e hoje permitem que o País desenvolva projetos de novas plataformas e navios de produção de óleo, participando ativamente da recuperação do setor naval nacional e constituindo-se em parte importante do PROMINP.

  • Centro de Excelência em Gás Natural – CTGas: em termos de resultados gerais, é similar a uma OSCIP e, ao mesmo tempo, a uma Parceria Público-Privada, pois somou recursos da Petrobras e do Senai, estabelecendo um consórcio com personalidade jurídica e prestação de serviços em todo o País, multiplicando, inclusive, os núcleos regionais, que já são 16.

  • Centro de Excelência em Asfalto – CEASF: inovou ao criar núcleos regionais e multiplica-se pelo País. Com base no Ceasf e na metodologia Petrobras/COPPE, o Ministério dos Transportes, o Ministério da Defesa, o IME e o DNIT lançaram o Centro de Excelência em Engenharia dos Transportes, ação de interesse para a recuperação da infra-estrutura nacional de transportes.

  • RedeGasEnergia: desenvolve ou nacionaliza tecnologias e serviços na área do gás, considerando o mercado consumidor e toda a cadeia produtiva do setor. Vital para a internação otimizada e mais rápida do gás no País, tornou-se a maior rede de pesquisa nacional e a maior demandadora de recursos em um único tema, influenciando o sistema de fundos oficiais. Também já se multiplica em Centros temáticos derivados.

  • Rede de Excelência em Petroquímica: está sendo estruturada pela Petroquisa e organizará o sistema de P&D e a cadeia de valor do setor, acelerando seu desenvolvimento.

  • Centro de Excelência Ambiental da Petrobras na Amazônia: recém-aprovado, será um diferencial do País em assuntos de desenvolvimento sustentável, constituindo a maior rede de pesquisas e aplicações no tema da Região Amazônica.

  • Centro de Excelência em Automação e Controle Avançado de Processos, Rede de Excelência em Engenharia de Poços e Centro de Excelência em Geoquímica: cumprem seus papéis, agora muito em linha com as Redes Temáticas. Também o Centro de Excelência em Qualidade da Terceirização, entre outros, desempenha função relevante no desenvolvimento tecnológico da Petrobras e das empresas brasileiras.

  • Vários Centros e Redes de Excelência estão conectados às Redes Tecnológicas que vêm sendo formadas pela Petrobras, criando uma super-malha de relacionamentos que demanda grande atenção.

  • Rede de Tecnologia Social – RTS: estruturada também com base na metodologia de formação de Centros e Redes de Excelência, agrega inúmeras entidades em rede, promovendo identificação, multiplicação e disseminação de trabalhos de base tecnológica na área social.

  • Prominp: talvez o maior movimento de recuperação, transformação e inovação em uma cadeia produtiva de grande impacto, foi formatado inspirado na Prática de Gestão Centros/Redes de Excelência. É particularmente interessante o fato de passar a utilizar-se intensamente e formalmente da estruturação de Centros e Redes de Excelência como um dos seus instrumentos para alcançar a competitividade da cadeia produtiva de petróleo e gás brasileira, contando mais de vinte empreendimentos em curso ou análise. Assim, configura em verdade uma Rede de Centros e Redes de Excelência, com ações estruturantes, comandadas pelo núcleo de poder, e ramifica-se criando empreendimentos permanentes, para alcançar a vanguarda em vários temas de seu interesse.

Modelo Básico de um Centro Rede de Excelência

Um Espaço Centros/Redes de Excelência tem como produto principal o apoio à formação de Centros e Redes de Excelência.

A base teórica dos empreendimentos denominados “Centros” ou “Redes” de Excelência deve ser consultada nos documentos e na bibliografia sobre o assunto (http://www.ecentex.org). Para facilitar o entendimento, serão apresentados a seguir, resumidamente, os fundamentos de sua metodologia de formação.

Um Centro ou Rede de Excelência é um empreendimento formado por um conjunto de recursos físicos, financeiros, de tecnologias e conhecimentos, conduzido por lideranças e grupos que busca vanguarda sustentada em determinada temática. É constituído com a intenção de atuar por prazo ilimitado, e sempre através de Parcerias Estratégicas, seguindo a metodologia, as normas e os padrões que compõem a Prática de Gestão Centros/Redes de Excelência, sob a responsabilidade da Petrobras/DSG, ou orientada pela COPPE para uso de terceiros. Conta com modelos de gestão adequados às suas circunstâncias, porém conformes aos padrões homologados. Seu curso pressupõe a definição de Ações e Projetos Estruturantes desafiadores, que mudam seu patamar de conhecimentos e tecnologias, sempre buscando ampliarem-se. Sua malha, obrigatoriamente, envolve órgãos governamentais, universidades, centros de pesquisas, empresas e entidades nacionais e entidades do exterior.

 

A partir desse Modelo Básico, podem-se formatar pelo menos três arranjos mais complexos como:

  •  Modelo Expandido: estimula a criação de Centros e Redes de Excelência na sua órbita;

  • Modelo Corporativo: uma variação do anterior, que, no entanto, reserva as ações corporativas estratégicas ao núcleo de poder central e as ações executivas, aos empreendimentos em órbita;

  •  Rede Nacional de Excelência: na verdade, uma rede de Centros e Redes de Excelência, constituindo-se numa evolução do modelo anterior, porém com atuação mais abrangente e de interesse para múltiplas organizações ou para o País. Os empreendimentos em órbita são modelos que também podem adotar configurações ainda mais complexas. Esse modelo é especial para o momento presente do País, quando precisamos acelerar nosso desenvolvimento e assim otimizar o uso dos recursos disponíveis e as várias iniciativas que embora isoladas sejam exitosas.

As ações de um Centro ou Rede de Excelência são apresentadas em linhas gerais no quadro a seguir.

A Prática de Gestão Centros/Redes de Excelência tem um valor especial em relação a tudo que se refira à inovação e à motivação dos recursos humanos – pontos hoje cruciais no mundo competitivo. Um dos pressupostos de cada novo empreendimento é estimular um alto grau motivação nos grupos operativos. Além disso, aponta para o aprimoramento do funcionamento de setores, a geração e a captação de recursos adicionais, a solução de problemas críticos, a viabilização de parcerias, o destaque das atividades dos fundadores e o estabelecimento de um conveniente processo de marketing.

Em relação à Gestão do Conhecimento, essa Prática é um caminho adequado para aumentar o estoque de conhecimentos de forma natural, contínua e sustentável, acrescentando novos focos de saber interligados, criando processos, produtos e serviços ou agregando-lhes valor, e, ao mesmo tempo, motivando as entidades e pessoas. É um modelo de gestão de recursos intangíveis que coloca vanguarda e inovação em primeiro plano, como objetivos naturais.

Com base nessa Metodologia, serão configurados Espaços Centros/Redes de Excelência (ou seja, cada Espaço será um Centro de Excelência no tema Metodologia), que se responsabilizarão por apoiar a formação de Centros e Redes de Excelência nacionalmente.

3. Espaços Centros/Redes de Excelência

Desde 1995 e até o ano passado, a Coppe/UFRJ contava com uma estrutura para apoiar a Petrobras na formação e acompanhamento de Centros e Redes de Excelência, bem como para apoiar o aprimoramento da metodologia aplicada e que fora desenvolvida em conjunto com a estatal.  Com o intuito de ampliar seu envolvimento com as universidades, a estatal decidiu promover a criação de Espaços Centros/Redes de Excelência nesses ambientes, começando pela Coppe.

Um Espaço Centro/Rede de Excelência conta, inicialmente, com recursos de uma universidade e de uma entidade patrocinadora, trabalha de acordo com princípios gerais orientados neste documento e especificados em contratos entre as partes e segue uma estrutura organizacional semelhante à do Modelo Básico de um Centro de Excelência:

          No primeiro momento, estrutura-se uma parceria entre a entidade patrocinadora e a universidade escolhida, formando-se a Comissão Gestora inicial. Essa comissão poderá escolher, de forma consensual, Parceiros Estratégicos.

Parceiros Estratégicos do Espaço são aqueles que desenvolvem atividades permanentes e afinadas com seus objetivos, missão e visão. Trabalham com o Espaço em ações coletivas ou segmentadas, comercializam produtos, tecnologias e serviços acordados, fornecem, recebem ou trocam conhecimentos e tecnologias e unem pessoas e recursos físicos ou financeiros ao conjunto, segundo o interesse das partes. Não participam do núcleo de poder do Espaço, a não ser quando seja de interesse dos Fundadores. Sua ligação é estabelecida em acordos definidos com o núcleo de poder das ações, conforme temática de sua especialidade. Uma vez que contribuem de forma contínua, podem apresentar-se ao mundo como parte da rede formada pelo Espaço, valorizando, assim, sua marca ou sua organização. Ganham escala e força na sociedade e no mercado por participarem de um empreendimento de vulto e vanguarda, o que é um forte atrativo para que se aproximem e aceitem as regras coletivas.

No segmento Centros de Pesquisas/Universidades, a unidade acadêmica escolhida é a primeira Parceira Estratégica, com direito a participar da gestão, já que se caracteriza como Fundadora, ao lado da entidade patrocinadora. Outras unidades poderão contribuir com atribuições específicas, tendo-se sempre em vista a diversificação de apoios.

Vale frisar, contudo, que a universidade que sedia o Espaço não goza de preferência na seleção dos Parceiros Estratégicos que comporão a malha dos Centros e Redes de Excelência, formados com seu apoio metodológico. Essa escolha é de total responsabilidade das entidades fundadoras do empreendimento e obedece exclusivamente a critérios de relevância para o tema em foco e capacidade tecnológica e acadêmica.

Os órgãos de governo selecionados constituirão acordos, associações e/ou convênios para aportes de fundos, tendo em mira programas de interesse público na temática gestão, inovação, gestão do conhecimento, redes e assemelhados. Com apoio do Espaço, numa ação ainda mais estratégica, poderão adotar a Prática Centros/ Redes de Excelência como ferramental para, por exemplo, formar Redes Nacionais de Excelência ou criar internamente empreendimentos de menor abrangência.

Entre empresas e entidades em geral, o Espaço buscará parcerias com aquelas que queiram aplicar a metodologia em seus domínios ou pretendam promover o desenvolvimento nacional e que possam induzir a disseminação do uso da Prática.

O Espaço buscará ainda estabelecer ligações com entidades no exterior, não só para expandir-se globalmente (objetivos de marketing) como para trocar experiências, conhecimentos e tecnologias.

No livro sobre a metodologia da Prática de Gestão Centros/Redes de Excelência, são elencadas outras atividades, cabendo ressaltar que parceiros ocasionais são tratados como fornecedores ou clientes e não figuram na categoria Parceiros Estratégicos.

Ações de um Espaço Centros/Redes de Excelência

Ações como as indicadas no quadro a seguir são atribuições gerais de um Espaço Centros/ Redes de Excelência. Elas apontam para a busca de parcerias para o desenvolvimento de Projetos e Ações Estruturantes.

Antes de tudo, a universidade escolhida deve estruturar o Espaço fisicamente e engajar-se num processo de capacitação conduzido junto com a Petrobras ou com a COPPE, com o intuito de transferir conhecimentos sobre o assunto e tomar ciência das experiências relativas aos Centros e Redes de Excelência que estejam em curso.

A Visão

Um Espaço Centros/Redes de Excelência tem a visão de ser sempre reconhecido como organização de ponta dedicada a apoiar a estruturação de empreendimentos de vanguarda – e, portanto, de Centros e Redes de Excelência – de interesse das instituições brasileiras, bem como participar do aprimoramento contínuo das metodologias envolvidas.

A Missão

Sua missão será criar meios e condições para apoiar a multiplicação de Centros e Redes de Excelência no âmbito das instituições patrocinadoras e incentivar e apoiar empresas, instituições, universidades e órgãos governamentais, para que constituam Centros e Redes de Excelência em temáticas de seus interesses.

Os Produtos

O principal Produto de um Espaço Centros/Redes de Excelência é a concretização, junto com seus patrocinadores e no País, de empreendimentos de vanguarda. O segundo Produto na linha de importância é a contribuição para o aprimoramento contínuo da metodologia de formação de Centros e Redes de Excelência. Adicionalmente, o Espaço tem outros produtos como seminários, cursos, avaliações, certificações e contribuição executiva e orientadora para sua implementação. De uma maneira geral, os produtos de um Espaço relacionam-se às ações anteriormente mencionadas.

A sistematização oferecida pela Prática Centros e Redes de Excelência permite que qualquer grupo de uma organização se sinta à vontade para desenvolver seu projeto de otimização e persecução de vanguarda. Os exemplos, a literatura, o banco de dados, as normas e as diretrizes indicarão os caminhos a seguir. Assim, a motivação, no seu sentido mais amplo, pode ser considerada um dos mais nobres produtos dos Espaços.

Os Produtos gerais e específicos destinados ao patrocinador, que aporta os recursos iniciais para manutenção e operação do Espaço Centros e Redes de Excelência, são estipulados caso a caso e registrados em contratos. São negociadas principalmente a formatação de Centros e Redes de Excelência, a assessoria aos empreendimentos em curso e mesmo ações executivas de interesse em apoio a Centros e Redes que demandem esse suporte. No caso de os Espaços estabelecerem acordos com terceiros, os serviços e produtos ofertados deverão guardar semelhança com os disponibilizados pelos patrocinadores.

4. Gestão e Coordenação de um Espaço Centros e Redes de Excelência

A Gestão de um Espaço Centros/Redes de Excelência será inicialmente conduzida por uma Comissão Gestora composta por representantes da universidade escolhida e do patrocinador, ambos com direito a veto nas decisões. Cada Espaço terá um Coordenador indicado pela universidade e aceito pelo patrocinador. Havendo vários Espaços patrocinados por uma mesma entidade patrocinadora, caberá a ela a coordenação do conjunto, em acordo com as unidades acadêmicas envolvidas.

O modo de funcionamento dos Espaços em relação aos serviços de interesse de qualquer entidade é definido em contratos com a fundação da universidade.

Como já mencionado, é preciso ter em mente que a idéia não é formar órgãos de comando reunindo todos os Parceiros Estratégicos do Espaço, pois eles se transformariam em estruturas pesadas, com pouca capacidade de decisão. A salvaguarda dos interesses nacionais e dos participantes é alcançada através de acordos operacionais específicos e da definição de áreas de ação. A incorporação de um novo membro à Comissão Gestora dependerá do atendimento de duas condições simultâneas: i) que essa admissão seja consensual entre a universidade e os membros da Comissão Gestora; ii) que a necessidade de incorporação do novo membro seja considerada, também consensualmente, indispensável ao cumprimento da visão e da missão do Espaço.

Participações governamentais são possíveis e desejáveis através de contratos de gestão ou acordos especiais, de forma a cumprir determinados papéis de interesse público.

Cada Centro ou Rede de Excelência tem vida e modelo de gestão próprios, sem nenhuma subordinação ao Espaço que apóia sua formação. No entanto, caso seja solicitado, o Espaço poderá compor apoios específicos à gestão desses empreendimentos, sem prejuízo das suas obrigações com os seus Fundadores. Logicamente, um Espaço pode também criar Centros ou Redes de Excelência nos temas de sua competência ou de seu interesse e, nesse caso, participar de sua gestão.

5. Repercussão do Espaço no Meio Governamental

O País precisa gerar divisas, aumentar seu PIB, centrá-lo em produtos e serviços de mais alta tecnologia ou de valor agregado e, ao mesmo tempo, obter melhores resultados a partir dos recursos de que dispõe, incrementando sua produtividade. Em paralelo às medidas implicadas na modernização da gestão pública, ajustes na economia e aperfeiçoamento de infra-estruturas, o Brasil precisará mobilizar toda a sociedade para inovar em todos os campos – e, assim, criar valor adicional no seu esquema produtivo e social e, conseqüentemente, riquezas.

Agora, isso se mostra mais premente do que nunca, com o desenrolar da crise mundial. O Brasil se encontra em uma posição impar para aproveitar essa crise como sendo uma oportunidade. Também, o surgimento da oportunidade trazida pelo petróleo do pré-sal ressalta a necessidade do País ordenar, desde já, um esforço de otimização em pesquisas e desenvolvimentos e inovação sem o que não será capaz de criar sua própria identidade na indústria de petróleo e gás mundial, na dimensão que se espera para os anos vindouros. Há desafios a vencer bem como a possível fartura futura de divisas poderá inibir o desenvolvimento da cadeia de valor nacional no tema, situação que ocorre em todos os países não ainda inteiramente desenvolvidos. mas ricos em óleo e gás[18]. Assim, no momento, a crise mundial nos leva a meditar como ousar já em novos paradigmas de gestão e organização de nossos recursos; e o pré-sal nos obriga a fazê-lo desde já, pois os investimentos começam agora, mas os ganhos de grandes somas somente estarão disponíveis a contar de cinco anos à frente.

Partindo do setor produtivo e das universidades, os Espaços Centros/Redes de Excelência colocam metodologias e meios à disposição da sociedade, para multiplicar livremente empreendimentos de vanguarda no campo empresarial, social ou da administração pública. Isso, a partir dos próprios recursos ou dos que já estariam naturalmente disponíveis. Colocam, assim, o setor produtivo e o terceiro setor à frente de movimentos que modificarão a estrutura industrial e gerencial brasileira. Esse é o ganho e a novidade da criação dos Espaços. Vale dizer: os governos ofertam meios e querem fazer crescer seus incentivos, e a sociedade – através do uso da metodologia de formação de Centros e Redes de Excelência – mobiliza-se para interagir eficazmente no contexto nacional.

Em virtude da sua forma particular de entrelaçar os parceiros, os Centros e Redes de Excelência alcançam todos os ministérios e órgãos de governo e neles repercutem, criando condições desejadas para o trabalho em rede e com alto rendimento. Graças a sua ação integradora, multiplicam resultados e favorecem a ação dos conselhos e programas nacionais e órgãos corporativos. Transformam-se, assim, em Programas de Estado.

O Espaço Centros e Redes de Excelência sediado na COPPE/UFRJ pode ser contactado pelas entidades nacionais através endereços encontrados no http://www.ecentex.org/ . Visitem este site para conhecer mais sobre o assunto

 

6. Ações e Produtos Específicos Afetos ao

Espaço Rio de Janeiro

Desde 1995, a COPPE sedia um núcleo de Apoio à Petrobras no tema Centros/Redes de Excelência, com patrocínio dessa empresa. Esse núcleo deu continuidade a um trabalho desenvolvido em 1995 pela COPPE quando essa unidade acadêmica fora contratada para estudar e avaliar a idéia de formar Centros de Excelência, um dos 14 projetos do Plano Estratégico de 1992 da companhia.

Em consonância com essa aproximação inicial e de acordo com contratos e acordos firmados com a UFRJ e a COPPE, a Petrobras financiou a modernização das instalações do Centro de Tecnologia, criando-se o chamado Bloco I-2000, ainda hoje uns dos maiores conjuntos de laboratórios e recursos de alta tecnologia brasileiros. A base dos acordos foi a antevisão da expansão das atividades de pesquisas na Ilha do Fundão em apoio à Petrobras e, dentro deste contexto, a formação de Centros e Redes de Excelência na estatal [19]. No novo prédio, foi instalado o núcleo de Apoio à Petrobras em Centros/ Redes de Excelência e firmado contrato de participação da Coppe no esforço de criação desses empreendimentos.

No presente, especificamente nos últimos quatro anos, verificou-se grande expansão na demanda pela formação de Centros e Redes de Excelência – tanto na Petrobras quanto na sociedade – e o assunto ganhou destaque no País. Esta evolução criou um novo paradigma no campo da formação de redes de vanguarda em cadeias produtivas e sociais.

O Espaço, evolução do núcleo inicial, oferece agora uma ampla gama de produtos, como se definiu no plano geral deste documento.

(*) José Fantine é o coordenador do Espaço Centros e Redes de Excelência da COPPE/UFRJ

7. Glossário

ANP – Agência Nacional de Petróleo

BB – Banco do Brasil S.A.

BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Caixa – Caixa Econômica Federal

CEASF – Centro de Excelência em Asfalto CGEE - Centro de Gestão e Estudos Estratégicos

CNI – Confederação Nacional da Indústria

COPPE – Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia da UFRJ

Correios – Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos

CREX – Centros e Redes de Excelência

CTGas – Centro de Excelência em Gás Natural –

CTPetro – Plano Nacional de Ciência e Tecnologia do Setor Petróleo e Gás Natural

DNIT – Departamento Nacional de Infra-estrutura (do MT)

DSG – Desenvolvimento de Sistemas de Gestão (segmento da Petrobras)

Eletrobrás – Centrais Elétricas Brasileiras SA

FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

FGV – Fundação Getúlio Vargas

FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos (empresa pública do MCT)

IBP – Instituto Brasileiro do Petróleo

IME – Instituto Militar de Engenharia

MBC – Movimento Brasil Competitivo

MCT – Ministério de Ciência e Tecnologia

MD – Ministério da Defesa

MDIC – Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio

MME – Ministério de Minas e Energia

MT – Ministério dos Transportes

ONG – Organização Não-governamental

ONIP – Organização da Indústria do Petróleo

OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público

Petrobras – Petróleo Brasileiro SA

PIB – Produto Interno Bruto

PROMINP – Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural

Pronex – Programa Núcleos de Excelência (do MCT)

P&D – Pesquisa e Desenvolvimento

P&D&I – Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

RECOPE – Redes Cooperativas de Pesquisa (do MCT)

RedeGasEnergia – Rede de Excelência em Gás e Energia (da Petrobras)

RTS – Rede de Tecnologia Social

SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

SENAI – Serviço Nacional da Indústria

SESI – Serviço Social da Indústria

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro

UFBA – Universidade Federal da Bahia.

USP – Universidade de São Paulo

 


[6] desenvolvimento.gov.br/arquivos/dwnl_1207836769.ppt

[8] A definição do nome, “Centro” ou “Rede”, é uma questão de marketing, e, em todos os casos, esses empreendimentos serão sempre redes de recursos.

[9] Dentro do mesmo formato, está no momento (outubro de 2008) ultimando a estruturação de um segundo Espaço em parceria com a UFBA.

[10] Para a plena compreensão deste texto, é importante conhecer o conteúdo do livro da Metodologia de Formação de Centros/Redes de Excelência, editado pela área de Desenvolvimento de Sistemas de Gestão (DSG) da Petrobras (http://www.ecentex.org).

[11] O conceito de redes pode alcançar diferentes matizes. A uma delas, a nossa, dá-se o nome de rede a um conjunto de parcerias lideradas por um núcleo de poder, independente de todos se relacionarem entre si. O nome mais adequado empresarialmente seria Consórcio, que por vezes utilizamos.

[12] Ao remontar aos documentos que lançaram esses programas, resgata-se a visão que o governo tinha, à época, quanto à inexperiência das empresas e universidades, em geral, na formação de cooperativas de pesquisas (caso RECOPE) e à pulverização da pesquisa científica. 

[13] Esses empreendimentos seguem metodologia lançada pela Petrobras em 1996 e desenvolvida em conjunto com a COPPE/UFRJ, objetivando criar redes sustentáveis e de vanguarda entre empresas, universidades, centros de pesquisas e órgãos de governo.

[14]  Na maioria das vezes, essas parcerias realizam-se entre seus departamentos, segmentos e setores, embora se refiram às entidades como um todo.

[15] Cada Real bem investido em P&D&I retorna multiplicado para o aplicador ou para a sociedade. Esse índice de multiplicação é tanto maior quanto melhores e mais eficazes forem a escolha dos temas e projetos, os métodos seguidos na aplicação de recursos, a proteção do interesse nacional e a concentração progressiva em redes de vanguarda.

[16] A Petrobras pratica um modelo de gestão de tecnologia que lhe deu o destaque mundial que hoje desfruta. A Prática Centros/Redes de Excelência é uma das metodologias de gestão, aplicada em casos específicos, que demandem uma ampla malha de parcerias em toda uma cadeia produtiva e que se pretendam sustentáveis e permanentes.

[17] Com o surgimento de Redes Temáticas da Petrobras, alguns Centros/Redes de Excelência, por força das regulamentações definidas no âmbito da ANP, adotaram um viés exclusivamente tecnológico e voltado para parcerias com universidade definidas, enquanto outros adotaram um viés mais abrangente, mantendo a ação em toda a cadeia de valor, assim associando as duas metodologias.

[18]Sobre isso ver o tema desenvolvido na revista e&e   http://ecen.com/eee67/eee67p/ecen_67p.htm

[19] Tudo isso é registrado em documentos oficiais aprovados pelas partes e pela Diretoria da Petrobras

 

Graphic Edition/Edição Gráfica:
MAK
Editoração Eletrônic
a

Revised/Revisado:
Wednesday, 04 May 2011
.

Contador de visitas