Economia & Energia
Ano XII-No 69
Agosto - Setembro 2008
ISSN 1518-2932

e&e  OSCIP

setae.gif (977 bytes)e&e in English

BUSCA

CORREIO

DADOS ECONÔMICOS

DOWNLOAD

OUTROS NÚMEROS

e&e  No 69

Apoio:


 

Página Principal

Zoneamentos Ecológicos de Bacias Hidrográficas - Importância Econômica

A Comissão Nacional Independente sobre os Oceanos – - uma experiência memorável!

Download:

bal_eec

Arquivo zipado do Balanço de Carbono gerando programa Excel com macros em Visual Basic que tem que ser ativadas para que o programa funcione

 

e&e por autor
e&e por assunto

http://ecen.com
Vínculos e&e

Veja também nosso suplemento literário

http://ecen.com/
jornalego

 

Revista e&e 69 versão em PDF 

eee69p
_________________________________________________________

Texto para Discussão / Opinião:

Zoneamentos Ecológicos de Bacias

Hidrográficas - Importância Econômica

Paulo Pereira Martins Junior, Sidney Augusto Gonçalves Rosa,

Marco Antonio Martins Cantisano, Lawrence Andrade Magalhães Gomes

Apesar de ser uma prática já consagrada, o zoneamento ecológico é visto neste artigo de diversos modos que podem traduzir a complexidade dos sistemas naturais. Apresenta-se com maiores detalhamentos o grupo de zoneamentos ecológicos como atividade fundamental e produto científico essencial para a gestão ambiental e econômica de bacias hidrográficas bem como da produção econômica nelas instaladas, seja para produção de energia seja para as indústrias de transformação. Os Zoneamentos Ecológicos ZE-L, baseados em múltiplas ciências, portanto pluridisciplinares e interdisciplinares, constituem-se como técnicas fundamentais para o planejamento regional ambiental tanto quanto para o planejamento sócio-econômico como uma parte dos procedimentos interdisciplinares fundamentais para o Ordenamento do Território.

A Comissão Nacional Independente sobre os Oceanos –

- uma experiência memorável!

Luiz Philippe da Costa Fernandes -Vice-Almirante

Por estímulo da Comissão Mundial Independente sobre os Oceanos (CMIO), que considerou desejável a formação de comissões assessoras nacionais nos países nela representados, formou-se no Brasil a Comissão Nacional Independente sobre os Oceanos (CNIO), integrada por cerca de uma vintena de figuras das mais representativas do cenário marítimo brasileiro, incluindo três ex-ministros de Estado e, naturalmente, cientistas e representantes da diplomacia, do empresariado ligado ao mar e do Direito Internacional Marítimo. Em setembro de 1998, foi aprovado, formalmente, seu relatório final, intitulado "O Oceano: Nosso Futuro". A CNIO desempenhou papel impar e independente no cenário nacional mas foi extinta. Acredita-se convictamente que se impõe a criação de uma nova Comissão, nos mesmos moldes. Ademais, parece imperioso que o relatório O Brasil e o Mar no Século XXI, passadas duas décadas após sua divulgação, venha a ser atualizado e volte a ficar disponível aos nossos decision-makers.

 

Graphic Edition/Edição Gráfica:
MAK
Editoração Eletrônic
a

Revised/Revisado:
Monday, 21 May 2012
.

Contador de visitas