eee2p.gif (2459 bytes)

Economia & Energia
No 30-Janeiro-Fevereiro 2002   ISSN 1518-2932

setae.gif (977 bytes) English Version  

Apoio MCT

BUSCA

CORREIO

DADOS ECONÔMICOS

DOWNLOAD

e&e ANTERIORES

e&e No 30

Página Principal

Prospecção Tecnológica

A Caminho do Desenvolvimento Sustentado

Matriz Energética e de Emissões

Setor Residencial

Setor Transportes

Dívida  Pública e Reservas do Brasil

http://ecen.com

Vínculos e&e

Mais sobre Matriz Energética e de Emissões
http://ecen.com/matriz

8. Setor Residencial

O Setor Residencial não tem produto próprio ou, ao menos, não é computado nas Contas Nacionais. Do ponto de vista energético é um setor de importância média. Do ponto de vista social o consumo de energia residencial é da maior relevância já que energia é condição indispensável para se desfrutar das comodidades as mais essenciais da vida moderna. Alternativamente pode-se tentar utilizar uma metodologia análoga à dos outros setores e trabalhar com o produto global como indicador da atividade econômica.

a) PIB per capita e Consumo de Energia no Setor Residencial

A Figura 56 mostra que a o consumo de energia por habitante é sensível a variações do PIB per capita. No entanto, países com nível de vida (em paridade de poder de compra) relativamente constante, grupo de países desenvolvidos com PIB/hab próximo de 20 mil dólares anuais por habitante, apresentam grande discrepância em consumo per capita expresso em energia equivalente. Países excepcionalmente frios apresentam, de modo geral um consumo mais intenso. Os países socialistas (ou ex-socialistas) também se destacam em consumo relativo ao nível de renda o que é coerente com a maior preocupação social mas pode também refletir a pouca coerência de preços relativos em  sociedades de preços  administrados. O Brasil apresenta índices bastante inferiores de consumo, mesmo considerando seu grupo de renda.

 

Figura 56: Consumo de Energia Equivalente por habitante no Setor Residencial

 

A evolução do consumo de energia por habitante para o Brasil seguiu, de 1970 a 1999, a trajetória mostrada na Figura 57.

Figura 57: Evolução do consumo residencial per capita em função do PIB/hab para o Brasil.

 
Figura 58: Energia Equivalente/PIB em função do PIB(PPP)/hab para vários países e histórico para o Brasil.

O gráfico da Figura 58 (dados relativos ao do Brasil 1996) é uma composição dos dados das duas figuras anteriores mostrando os valores Energia/PIB para diversos países e o histórico para o Brasil. Um polinômio de segundo grau foi ajustado aos dados com a finalidade de orientar a projeção

b) Projeção da Energia Equivalente no Setor Doméstico

Na Figura 59 mostramos a evolução esperada para os próximos anos dos valores do consumo de energia equivalente por habitante em função do crescimento esperado do PIB/habitante no cenário de referência. Na extrapolação tomamos uma trajetória “paralela” ao polinômio ajustado aos dados dos diversos países e ao histórico do Brasil.

 
Figura 59: Evolução da energia equivalente/habitante em função do PIB por  habitante para o Setor Residencial

A partir da trajetória do PIB/habitante do cenário econômico considerado e da própria evolução projetada pelo IBGE para a população pode-se usando a extrapolação indicada na Figura 59 pode-se chegar à evolução do consumo de energia equivalente no Setor Residencial. A evolução do consumo residencial é mostrada, juntamente com a evolução do PIB do Brasil na Figura 60.

 
Figura 60: Energia Equivalente para o Setor Residencial e PIB para o Brasil (valores históricos e projetados).

c) Participação dos Energéticos no Setor Residencial, em Energia Equivalente

 
Figura 61: Distribuição da Energia no Setor Residencial nos diversos países para o ano 1996.

Na Figura 61 podemos observar a distribuição de energia no Setor Residencial no ano de 1996 para países de diferentes PIB/habitante (também indicados). A importância da participação da biomassa decresce com o desenvolvimento e aumenta a de eletricidade. O Brasil já apresenta uma participação da eletricidade superior a média dos países da OCDE. Deve-se lembrar, no  entanto, que o aquecimento doméstico é pouco importante no Brasil por fatores climáticos. No Brasil a eletricidade é muito utilizada para aquecimento de água para banho. Existe ainda um grande potencial de expansão de condicionadores de ar que,na atualidade (e provavelmente no futuro) é predominantemente elétrico.

Na Figura 62 mostramos a evolução da participação das diferentes formas (agrupadas) de energia no Setor Residencial que mostra um declínio da participação da biomassa que foi extrapolado para o futuro. A participação de GLP + gás natural foi suposta praticamente constante supondo-se um pequeno aumento na participação de eletricidade.

 

Figura 62: Participação de formas de energia (agrupadas) em energia equivalente histórica e projetada.

d) Participação dos Energéticos em Energia Final     

A participação em energia final pode ser obtida a partir de coeficientes de transformação adequados para o setor. Na Figura 63 e na Tabela 34 estão indicados os valores projetados para a energia final residencial.

 

Figura 53: Consumo de Energia Final no Setor Residencial, indicando-se os valores históricos e projetados

 

Tabela 26: Valores Projetados da Energia Final para o Setor Residencial  (10^6 tEP)

 

2000

2005

2010

2015

2020

GÁS NATURAL

104

309

743

1322

2629

LENHA

6246

4800

3876

3777

4138

 TOTAL PRIMAR

6350

5109

4619

5099

6766

GLP

6409

7201

9135

11178

13001

GÁS

68

100

101

80

57

 ELETRICIDADE

24670

28970

36816

46046

59147

  CARV. VEGETAL

366

353

289

257

243

TOTAL SECUNDÁRIA

31514

36623

46341

57562

72448

Total Biomassa

6246

4800

3876

3777

4138

TOTAL

37863

41733

50960

62661

79215

 

e) Emissões Correspondentes ao Consumo em Energia Final

A partir do consumo em energia final e de coeficientes de emissão para o Setor, pode-se deduzir as emissões finais. Como nos demais setores os valores usados foram os fornecidos pela equipe que está elaborando o Inventário  Nacional de Emissões (valores fornecidos por Branca Americano à equipe da e&e). Os fatores usados na extrapolação, mostrados na Tabela 27, correspondem aos fornecidos para o ano de 1999.

Cabe observar que somente estão mostrados os coeficientes de emissão para energéticos que foram projetados para uso no Setor no período 2000 a 2020.

 

Tabela 27: Coeficientes de Emissões no Setor Comercial e Outros CO2 Gg/10^3tEP demais t/10^3tEP

 

CO2

CO

CH4

NOX

N2O

NMVOCS

GÁS NATURAL

2.272

0.570

0.122

1.831

0.004

0.203

LENHA

4.097

429.566

9.021

5.155

0.172

25.774

ÓLEO COMBUST.  

3.290

0.793

0.059

8.131

0.014

0.215

GLP

4.097

429.566

9.021

5.155

0.172

25.774

GÁS

2.272

0.673

0.174

1.780

0.004

0.203

 ELETRICIDADE

0.000

0.000

0.000

0.000

0.000

0.000

  CARV. VEGETAL

4.458

300.696

8.591

4.296

0.043

4.296

 Fonte: MCT: Comunicação de Branca Americano à e&e

A aplicação desses coeficientes aos dados de energia final  fornece os valores de emissão indicados nos gráficos para cada gás, considerado como contribuindo para a formação do efeito estufa.. Os resultados para CO2, CO, CH4, NOX, N2O e NMVOCs são mostrados nas Figuras 54 a 59 e nas Tabelas 28 a 33.

 

Figura 54: Emissões históricas e projetadas provenientes do uso  de energia final por energético no setor residencial. No caso das emissões de CO2 (e CO) os correspondentes ao uso da biomassa renovável não alteram o inventário no longo prazo e não contribuem para o efeito estufa. Esses valores são indicados de forma “vazada” na figura.

 

Tabela 28: Emissões de  CO2 em Gg/ano

 

2000

2005

2010

2015

2020

 

GÁS NATURAL

236

701

1688

3003

5971

 

LENHA

25590

19669

15881

15474

16953

*

 TOTAL PRIMAR

25826

20370

17570

18477

22925

 

GLP

17190

19314

24501

29980

34870

 

GÁS

155

227

228

183

129

 

 ELETRICIDADE

0

0

0

0

0

 

  CARV. VEGETAL

1631

1572

1290

1147

1084

*

TOTAL SECUNDÁRIA

18977

21113

26019

31309

36083

 

Total Sem Biomassa

19213

21814

27707

34312

42054

 

TOTAL

44803

41483

43588

49786

59008

 

(*) Emissões não contabilizáveis por provirem de biomassa renovável

 

Figura 55: Emissões históricas e projetadas no uso residencial de energéticos. A exemplo das emissões de CO2 as emissões de CO devidas a biomassa não devem ser contabilizadas para efeito estufa.

 

Tabela 29: Emissões de CO        em Gg/ano

 

2000

2005

2010

2015

2020

 

GÁS NATURAL

0.1

0.2

0.4

0.8

1.5

 

LENHA

2683.0

2062.1

1665.0

1622.4

1777.4

*

 TOTAL PRIMAR

2683.0

2062.3

1665.5

1623.1

1778.9

 

GLP

2.8

3.1

3.9

4.8

5.6

 

GÁS

0.0

0.1

0.1

0.1

0.0

 

 ELETRICIDADE

0.0

0.0

0.0

0.0

0.0

 

  CARV. VEGETAL

110.1

106.0

87.0

77.4

73.1

*

TOTAL SECUNDÁRIA

112.9

109.2

91.0

82.2

78.8

 

Total Sem Biomassa

112.9

109.4

91.4

83.0

80.3

 

TOTAL

2795.9

2171.5

1756.4

1705.4

1857.7

 

(*) Emissões não contabilizáveis por provirem de biomassa renovável

 

Figura 55: Emissões históricas e projetadas nas provenientes do uso  final de energia, por energético, no Setor Residencial.

 

Tabela 30: Emissões de CH4      em Gg/ano

 

2000

2005

2010

2015

2020

GÁS NATURAL

0.0

0.0

0.1

0.2

0.3

LENHA

56.3

43.3

35.0

34.1

37.3

 TOTAL PRIMAR

56.4

43.3

35.1

34.2

37.6

GLP

0.3

0.3

0.4

0.5

0.6

GÁS

0.0

0.0

0.0

0.0

0.0

 ELETRICIDADE

0.0

0.0

0.0

0.0

0.0

  CARV. VEGETAL

3.1

3.0

2.5

2.2

2.1

TOTAL SECUNDÁRIA

3.5

3.4

2.9

2.8

2.7

TOTAL

59.8

46.7

38.0

37.0

40.4

 

Figura 56: Emissões históricas e projetadas provenientes do uso  final de energia em residências.

 

Tabela 31: Emissões de NOx      em Gg/ano

 

2000

2005

2010

2015

2020

GÁS NATURAL

0.2

0.6

1.4

2.4

4.8

LENHA

32.2

24.7

20.0

19.5

21.3

 TOTAL PRIMAR

32.4

25.3

21.3

21.9

26.1

GLP

12.9

14.5

18.4

22.6

26.2

GÁS

0.1

0.2

0.2

0.1

0.1

 ELETRICIDADE

0.0

0.0

0.0

0.0

0.0

  CARV. VEGETAL

1.6

1.5

1.2

1.1

1.0

TOTAL SECUNDÁRIA

14.6

16.2

19.9

23.8

27.4

TOTAL

47.0

41.5

41.2

45.7

53.5

 

Figura 57: Emissões históricas e projetadas nas  provenientes do uso  final de energia em residências.

 

Tabela 32: Emissões de N2O      em Gg/ano

 

2000

2005

2010

2015

2020

GÁS NATURAL

0.000

0.001

0.003

0.005

0.011

LENHA

1.073

0.825

0.666

0.649

0.711

 TOTAL PRIMAR

1.074

0.826

0.669

0.654

0.722

GLP

0.028

0.031

0.039

0.048

0.056

GÁS

0.000

0.000

0.000

0.000

0.000

 ELETRICIDADE

0.000

0.000

0.000

0.000

0.000

  CARV. VEGETAL

0.016

0.015

0.012

0.011

0.010

TOTAL SECUNDÁRIA

0.044

0.046

0.052

0.059

0.067

TOTAL

1.117

0.873

0.721

0.714

0.788

 

Figura 55: Emissões históricas e projetadas provenientes do uso  final de energia em residências.

 

Tabela 33: Emissões de NMOVCs          em Gg/ano

 

2000

2005

2010

2015

2020

GÁS NATURAL

0.021

0.063

0.151

0.269

0.535

LENHA

160.977

123.728

99.902

97.343

106.646

 TOTAL PRIMAR

160.998

123.790

100.053

97.612

107.181

GLP

1.377

1.547

1.962

2.401

2.792

GÁS

0.014

0.020

0.020

0.016

0.012

 ELETRICIDADE

0.000

0.000

0.000

0.000

0.000

  CARV. VEGETAL

1.572

1.515

1.243

1.105

1.045

TOTAL SECUNDÁRIA

2.963

3.082

3.225

3.523

3.849

TOTAL

163.961

126.872

103.278

101.134

111.030

Graphic Edition/Edição Gráfica:
MAK
Editoração Eletrônic
a

Revised/Revisado:
Thursday, 27 October 2005
.

Contador de visitas